Nem só de Messi vive o Barcelona. É claro que o argentino é peça chave no time e tem muito mérito por ter conquistado os prêmios de melhor jogador do mundo da FIFA e da revista France Football. Mas Guardiola tem outros amuletos importantes em seu plantel. Formado nas divisões de base — assim como Messi — Pedro foi lapidado por Pep, quando este era treinador do Barça B, e arrebentou nas divisões de base do catalão. Hoje é considerado um dos principais nomes para o futuro do clube.

Com apenas 22 anos e poucas aparições em seleções de base – jogou algumas vezes na seleção sub-21- o jovem já entrou para a história dos Culés. Conseguiu algo que nem Messi fez (apesar de ter ficado próximo do feito). Outros grandes jogadores do clube também chegaram perto, entre eles o brasileiro Giovanni, ex-Santos, na temporada 1997/98. Pedrito, como é conhecido, marcou gols nas seis diferentes competições que o Barça disputou neste ano.

Para completar a marca, Pedro fez dois gols no Mundial de Clubes. O último deles na final contra o Estudiantes. Foi o gol que levou a partida para a prorrogação. Nas outras competições, ele havia marcado contra o Athletic de Bilbao, na Supercopa da Espanha, contra o Shakhtar, na Supercopa da Europa, contra o Dynamo Kiev na Liga dos Campeões, contra o Cultura Leonesa, na Copa do Rei e contra o Almeria, no Campeonato Espanhol. Tudo isso em seis meses. Do primeiro gol, marcado em agosto, até o último, feito em dezembro.

Pela equipe pincipal, Pedro já conquistou seis títulos. Antes ele já havia vencido, com o Barcelona B, a terceira divisão espanhola na temporada 2007/08, sob o comando de Josep Guardiola. Na época, o time principal era dirigido pelo holandês Frank Rijkaard. O título garantiu ao jogador a estreia na equipe de cima. Foi na final da Copa da Catalunha, contra o modesto Gimnastic de Tarragona.

Na primeira divisão, o primeiro passo foi dado contra o Real Murcia, em janeiro de 2008. O jovem, ainda sob o comando do holandês, entrou no lugar do lesionado Santiago Ezquerro. Pedro não sentiu a pressão de debutar na liga e atuou bem na vitória por 4 a 0. Quando Rijkaard estava no comando, Pedro não se firmou no time principal. Foi só ele sair, para o dono da camisa 17 conseguir seu lugar no grupo principal. Fato concretizado na pré-temporada 2009/10.

De San Isidro à Barcelona

Pedro não tem um histórico de passagens pelas seleções de base, como Bojan Krkic. Meia atacante de porte físico deficitário, ele compensa com velocidade e agilidade. Seu talento foi visto pelos olheiros do Barcelona em agosto de 2004, quando foram até as Ilhas Canárias buscar o atleta. Pedro veio do desconhecido San Isidro, uma equipe modesta de sua cidade natal.

Dos juvenis dos Raqui para o extinto Barcelona C. Logo no primeiro ano (2004), sagrou-se campeão da Liga Espanhola e da Copa de Juniores, este último se repetindo em 2005/06. Quando encerrou as atividades do terceiro time catalão, o jovem migrou para o B. Por lá, encontrou Guardiola e o ex-meia Luis Enrique, que assumiu quando o primeiro foi treinar o time principal.

Despontando no time de cima, Pedro rapidamente foi procurado pelos dirigentes para assinatura do contrato profissional. O jogador tem vínculo até 2014. A multa rescisória está avaliada em € 75 milhões (cerca de R$ 224 milhões).

Outras matérias deste colaborador, clique aqui.