Lautaro Martínez é a grande sensação do futebol argentino. Mas não o único jovem talento a despontar no futebol local. Cristian Pavón já possui um pouco mais de rodagem, e o talento do ponta do Boca Juniors se escancara em muitas de suas atuações. É um jogador incisivo, com qualidade técnica e que participa bastante dos lances ofensivos. Não à toa, anotou nove gols no último Campeonato Argentino e soma mais cinco na atual campanha. Sua grande arte, todavia, são as assistências. Entre a última campanha e a atual na liga, são 17 passes decisivos. Média excelente, que o torna líder da estatística no biênio, e que impulsionou os xeneizes neste domingo. Graças a uma jogada sensacional do prodígio, o time de Guillermo Barros Schelotto bateu o Talleres por 2 a 1, em duelo que aproxima os boquenses um pouco mais da taça.

O lance na Bombonera aconteceu aos 28 minutos. Pavón recebeu na intermediária e logo deu um corte seco no primeiro oponente. Partiu em velocidade rumo à ponta esquerda, acompanhado de perto por outro adversário. Pablo Guiñazú (ele mesmo) dobrou a marcação sobre o garoto, mas comeu poeira e viu seu companheiro também ser fintado. O xeneize se livrou dos três defensores em sua perseguição e, quando o quarto chegou, este deu um carrinho patético no vazio. Na linha de fundo, o atacante rolou para Walter Bou completar na pequena área.

Não foi um jogo tranquilo ao Boca Juniors, ainda assim. O Talleres empatou aos 45, com Carlos Quintana. Já o gol da vitória saiu aos 47 do segundo tempo, em cruzamento de Ramón Ábila para Pablo Pérez escorar dentro da área. A comemoração foi bastante explosiva, inclusive de Schelotto, em dias turbulentos diante dos tropeços recentes e da contusão de Carlos Tevez – supostamente lesionado em um bate bola na cadeia ao visitar seu irmão, preso por assalto a um carro-forte.

A vitória amplia a vantagem do Boca Juniors na liderança do Argentino. São nove pontos acima do Talleres, justamente o segundo colocado. A festa do bicampeonato virá em breve. E Pavón, além de poder comemorar, tem a chance de sonhar alto. É uma das alternativas de Jorge Sampaoli ao ataque da Argentina, em uma função na qual as opções não são numerosas assim. A assistência num jogo tão importante pode aproximá-lo da Copa do Mundo.