Aconteceu mais ou menos assim: você convida todos os seus amigos para o seu aniversário, mas tem que ficar deitado na cama porque não está se sentindo muito bem. Esta quarta-feira foi o dia do amistoso em homenagem a Vincent Kompany, que deixou o Manchester City após 11 anos de serviços prestados. Machucado, porém, o zagueiro do Anderlecht não conseguiu entrar em campo e teve que se contentar em ser o treinador de um dos times ao lado de Pep Guardiola.

Ele até brincou com a situação: “Infelizmente, não jogarei. É típico, né? Eu tenho uma leve lesão na coxa e não poderia arriscar, mas há vários jogadores incríveis”. A partida foi disputada entre lendas do Manchester City, entre elas Joe Hart, Nasri, Micah Richards, Zabaleta, De Jong, Milner, Balotelli e Agüero, e da Premier League em geral, com Van der Sar, Gary Neville, Jamie Carragher, Paul Scholes, Ryan Giggs, Patrick Vieira, Van der Vaart, Robin Van Persie e outros, comandados por Roberto Martínez e Thierry Henry. Terminou 2 a 2.

Antes do jogo, o Manchester City anunciou que uma das ruas do seu centro de treinamento levará o nome de Vicent Kompany e que uma estátua já foi encomendada. Em seu discurso de agradecimento ao fim da partida, ele prometeu que voltaria, para de fato entrar em campo, na partida em tributo a David Silva, que deixará o City ao fim da temporada.

Com a bola rolando, Martin Petrov saiu voando nas costas de Gary Neville e abriu o placar para as lendas do Manchester City com um chutaço de perna esquerda, motivando muitos aplausos das arquibancadas e dos companheiros. Robbie Keane empatou, em jogada que começou com Giggs e passou por Van Persie. O holandês tabelou com Tim Cahill, que devolveu de calcanhar, e acertou um lindo chute de fora da área para virar. Benjani, de cabeça, fechou o placar: 2 a 2.

Mas o lance mais espetacular foi uma cortesia de Paul Scholes. A lenda do Manchester United recebeu um passe levantado da direita. Com o corpo em diagonal, ele fatia a bola de tal maneira que ela pega um efeito e vai para trás, enganando o coitado do Lescott, que tentava marcá-lo. Além de plástico, o lance foi realizado com uma banalidade assustadora.

 

.

.

.

.