A imagem de Yannick Carrasco na decisão da Champions League de 2016 vem à memória com facilidade. Após empatar o jogo contra o Real Madrid nos últimos minutos do segundo tempo, o ponta protagonizou uma apaixonada comemoração com a namorada, ao mesmo tempo em que reavivava a esperança de toda a torcida do Atlético de Madrid. O desfecho daquela história não seria tão romântico assim aos colchoneros, mas o belga está de volta para tentar resgatar o clube em outra situação difícil. Numa janela de transferências até agora magra para as necessidades do time de Diego Simeone, o retorno do belga de 26 anos é uma boa notícia.

Carrasco não fez temporadas tão arrasadoras assim no Atlético de Madrid, embora fosse uma peça importante no elenco. No início de 2018, porém, uma proposta do Dalian Yifang (clube de propriedade do próprio Wanda Group, parceiro e sócio minoritário do Atleti) se tornou tentadora ao ponta. Ele aceitou deixar o Wanda Metropolitano por um bom salário, mas em um negócio de preço relativamente baixo aos caixas espanhóis, €10,5 milhões no total. Após duas temporadas na Super League, o belga retorna ao Atleti emprestado até junho. É um acréscimo emergencial aos rojiblancos, mas que pode fazer a diferença no atual marasmo que vive a equipe.

Antigo destaque do Monaco, Carrasco chegou ao Atlético em 2015/16 como uma aposta alta da diretoria, ao custo de €25 milhões. Caindo pelas duas pontas, se tornou uma carta na manga de Simeone, mesmo sem ser titular absoluto. E o gol na decisão da Champions, de qualquer maneira, fez valer a aposta. A segunda temporada seria mais consistente ao belga, com mais minutos em campo e mais gols. De qualquer maneira, sem se tornar um jogador imprescindível e com uma boa proposta da China, ficou mais meio ano antes de sair.

A transferência não impediu Carrasco de disputar a Copa de 2018 com a seleção belga. E ele manteve bons números no Campeonato Chinês, justificando o custo do Dalian Yifang. Na última edição da Super League, o ponta assinalou 17 gols e oito assistências em 25 aparições, apesar da campanha mediana de seu time. Seguiu com moral para se ausentar pelos próximos seis meses, numa volta à vitrine da Europa. A proximidade entre os clubes encaminhou o negócio e tempo de adaptação não deve ser problema neste recomeço, algo importante à pressa do Atleti.

Obviamente, Carrasco não é o jogador que vai resolver partidas. Mas, dada a inconsistência do Atlético de Madrid, qualquer adição vai bem. Entre as frustrações recentes com nomes como Thomas Lemar e os muitos problemas de lesão, é bom contar com um homem de confiança no elenco. Será um jogador para potencializar virtudes ofensivas e ocupar lacunas, já que pode atuar em diferentes posições. Além do mais, aos 26 anos, segue com mercado em clubes relevantes da Europa. Depois de encher os bolsos na China, é hora de tentar confirmar seu lugar na Eurocopa e recobrar um pouco de carinho no Metropolitano.