Nos últimos anos tem sido assim: com um elenco limitado, com muita valorização ao trabalho de base, sem grandes estrelas e com um pragmatismo e aplicação tática invejáveis, o Libertad conseguiu glórias e semi-glórias. De 2006 para cá foram seis títulos nacionais e oito participações consecutivas na Copa Libertadores da América, chegando a uma semi e cinco quartas de final no período. Nos próximos anos pode ser assim: glórias, aplicação tática e pragmatismo irrepreensíveis, jogadores da base, jogadores de renome e voos ainda maiores.

Diferentemente de outros tempos, 2013 começa com um Gumarelo fortalecido dentro e fora das quatro linhas. Além de toda a qualidade já descrita e reconhecida, o clube de Assunção deixou um pouco de lado a mentalidade exclusivamente exportadora de bons valores para se tornar também um comprador. Começou em julho do ano passado com a chegada do meia Sebastían Eguren, vindo do Villareal da Espanha, e teve auge agora com a contratação de Pablo Guiñazu, com ampla ficha de serviços prestados ao clube e ao Internacional, e do zagueiro Pedro Benítez, que trocou nada mais, nada menos, que o Cerro Porteño.

Os três reforços de nome são as cerejas de um bolo muito bem preparado nos últimos anos.  Mais “bretão” dos clubes sul-americanos, o Libertad aplica de forma cada vez mais aprimorada o estilo e o método de jogo do 4-4-2 em duas linhas. Foi assim em todas as campanhas aqui citadas, com grandes momentos sob o comando de Jorge Burruchaga, e, claro, na última delas, quando a equipe do uruguaio Rubén Israel rumou para o título do Clausura.

Aquele time foi uma evolução do que deu muito trabalho à Universidad de Chile na Libertadores e que por um pênalti não chegou às semifinais. No gol, Rodrigo Muñoz foi absoluto, auxiliado na direita por Olmedo, que veio do Carapeguá, Bizera, ex-Bella Vista, no centro, e o ótimo Benegas ao seu lado. Na esquerda, Miguel Samudio foi mais uma vez motor das saídas de bola em velocidade, enquanto na linha à frente, Romero de um lado e Mendieta ou Camacho do outro fizeram com correção o papel de wingers que marcam e compõem.

No centro do meio de campo, o capitão Sergio Aquino mostrou a constância de sempre no apoio e recomposição, permitindo que Eguren tivesse liberdade quando em campo. Mas é na frente que este Libertad, outrora laureado apenas pela composição defensiva, teve seu ponto mais forte. Pablo Velázquez e José Ariel Nuñez fizeram o que se pode chamar de dupla ideal.

Juntos os dois marcaram 23 dos 44 gols do Libertad do campeonato. Além de anotar 13 tentos, muitos deles de cabeça, o grandalhão Vélazquez de 1,92 m, fez muitas vezes o trabalho sujo de pivô, colocando os companheiros em condições de jogo. O mais beneficiado foi justamente o parceiro Nuñez, que com sua agilidade e 1,74 m foi às redes dez vezes.

Ou seja, é sobre esta base que Rubén Israel poderá colocar o experiente zagueiro Pedro Benítez, e o intenso, técnico e raçudo Guiñazu. Restam ainda dúvidas sobre o melhor posicionamento do meio de campo, já que em tese o Libertad tem em Aquino e Eguren os seus “box-to-box” titulares. No entanto, é possível imaginar Aquino fazendo o lado direito ou eventualmente Eguren tratando do jogo por ali para deixar Guiñazu na proteção. Lá atrás Benítez e Benegas devem reinar absolutos, enquanto na frente a dupla Núñez e Velázquez tem condições de repetir os ótimos feitos.

Por tudo isto o ótimo Libertad de outrora pode ser ainda melhor neste ano. É bom os concorrentes abrirem os olhos: o coadjuvante pode ser protagonista.

Mais paraguaias

– Ainda em terras albirojas o Cerro Porteño perdeu, além de Pedro Benítez, o meiocampista Mingo Salcedo e o ótimo lateral Walter López, que retornou ao Peñarol. Em compensação Jorge Fossati trouxe o volante Paul Ambrosi da LDU, o lateral Vergara do Sportivo Luqueño e o meia Edinson Torres, do Cádiz.

– No Olimpia o mercado tem sido cruel. O Decano perdeu diversos bons jogadores no último semestre e não trouxe ninguém de peso. Os últimos boatos dão conta de um possível acerto com Wilson Pitoni, dispensado pelo Figueirense.

Equatorianas

– No Equador o Barcelona vai fazendo um mercado razoável. Os Canários trouxeram Juan Carlos Paredes do Deportivo Quito e outros sete jogadores para as competições de 2013. A equipe, no entanto, ainda precisa de um atacante top, já que perdeu Narciso Mina para o América do México.

– A LDU enfim realiza uma reformulação em seu elenco. Além da saída de Ambrosi, foram embora Ezequiel Luna, Claudio Bieler, e Chene, que antes se chamava Chila. Por outro lado chegaram o ótimo Luis Saritama, o volante Feraud, da LDU Loja, o zagueiro Canuto do Figueirense e o volante/defensor Eduardo Morante, que estava na Universidad de Chile.

Colombianas

Na Colômbia a movimentação do mercado ainda é fraca, mas há que se destacar a chegada de Gio Hernández ao Atlético Nacional e de Wilmer Medina ao Santa Fe.

Venezuelanas

Na Venezuela o Deportivo Táchira é um dos times com mais reforços até o momento. Além do técnico Daniel Farías, atual campeão pelo Anzoátegui, chegaram oito atletas, entre eles o atacante Giancarlo Maldonado.

Peruanas

– Em terras peruanas, destaque para o campeão Sporting Cristal, que trouxe nomes fortes como o goleiro Diego Penny, o lateral Chiroque e os atacantes Jonathan Ramírez e Joazinho Arroé, eterna promessa.

– No Universitario San Martín o reforço é no banco, com Aníbal Ruiz, eleito melhor técnico do continente em 2005 pelo trabalho na seleção paraguaia. Já o Juan Aurich escolheu José Mari Bakero, que defendeu a Espanha nas Copas de 1990 e 94, como seu treinador.

Bolivianas

– Com pouco tempo para se preparar devido à disputa da primeira fase da Libertadores, o Bolívar já fechou pelo menos um reforço de peso: William Ferreira. O atacante, ídolo do clube azul, estava no Liverpool do Uruguai.

Chilenas

No Chile poucas movimentações importantes. O Colo Colo é quem mais trouxe jogadores com algum nome. Entre eles estão o goleiro Lobos e o meia Vecchio, ambos da Unión Española

Uruguaias

No Uruguai a expectativa é pelo acerto do Nacional com Loco Abreu. A negociação pode ter um fim ainda nesta sexta-feira.

Mais deste colunista no www.dynamodudziak.blogspot.com e no @gabrieldudziak