A Itália vive um processo de reformulação na sua seleção com o treinador Roberto Mancini. Desde o fracasso do time nas Eliminatórias da Copa 2018, eliminada na repescagem pela Suécia, os italianos demitiram o técnico Giampiero Ventura e trouxeram Roberto Mancini, com um currículo mais recheado. E o treinador está confiante. Para ele, a Itália tem capacidade de inclusive brigar pelo título da Eurocopa.

LEIA TAMBÉM: Estes são os grupos das Eliminatórias da Eurocopa 2020, que começam em março de 2019

“O trauma da Copa do Mundo passou”, afirmou o treinador ao Corriere della Sera. “Nós temos que manter isso em mente como um aviso, mas nós temos uma obrigação de voltar a pensar grande. Não há times que sejam claramente melhores que nós. A Argentina não conseguiu ganhar a Copa América com Messi e os outros não tinham Messi, então por que nós não poderíamos pensar sobre ganhar uma Eurocopa?”.

“Barella, Chiesa, Zaniolo, Romagnoli e muitos outros? Sim, nós fomos corajosos para focar em jogadores jovens e há outros porque nós temos muitos mais bons jogadores”, disse Mancini. “Kean não está jogando pela Juve, mas poderia jogar quase em qualquer outro lugar, Tonali deveria estar jogando na Serie A, Sensi tem uma qualidade enorme e eu sempre mantenho o olho em Pellegri”.

“Se eu já identifiquei o próximo Zaniolo? Talvez porque nós estejamos acompanhando tantos jogadores jovens. Jogadores jovens são o tema comum aqui: em dois anos nós podemos juntar um time forte, que pode ir bem na Eurocopa e nos dar bom ponto de partida para a Copa do Mundo 2022”, avaliou Mancini.

“Insigne e Immobile? Ciro precisa voltar a marcar pela seleção, como Belotti, Insigne e Politano. Depois disso, nós faremos nossas escolhas”, disse o treinador. “Se Balotelli teve seu motor reiniciado no Marseille? Nós esperamos que ele continue por um bom tempo porque tudo depende dele”.

A Itália estreia nas Eliminatórias da Eurocopa no dia 23 de março contra a Finlândia. Logo depois, no dia 26, a Itália recebe Liechtenstein no estádio Enio Tardini.