Durante a vitória por 1 a 0 sobre o Avaí pelo Campeonato Brasileiro, o São Paulo contou com uma equipe especialíssima de gandulas no Morumbi. Parte dos tradicionais garotos que fazem a função foi substituída. Dez atletas paralímpicos se somaram aos gandulas e ajudaram a cumprir a tarefa de repor as bolas. A intenção do clube era discutir a importância da inclusão, chamando a atenção do público para a capacidade dos convidados.

“A ação ‘Gandulas Cadeirantes’ mostra a preocupação e a atenção que o São Paulo Futebol Clube tem com os temas acessibilidade e inclusão. O clube acredita que atitudes como essa significam a oportunidade de trazer a integração total do indivíduo e a quebra de barreiras por meio do esporte”, declarou João Fernando Rossi, diretor executivo de marketing do São Paulo. A MRV atuou como parceira na campanha, elaborada pela agência David.

Dentre os atletas escolhidos, sete são cadeirantes e três possuem próteses. A seleção aconteceu através de entidades que apoiam atletas paralímpicos, incluindo a Associação Desportiva para Deficientes (ADD). “A campanha tem diversos benefícios sociais. Mas eu diria que um dos principais é motivar. Mostrando especialmente para aquela pessoa com deficiência, que está há pouco ou há muito tempo nessa condição, que ela também pode”, apontou Eliane Miada, que preside a associação.

Os atletas envolvidos na iniciativa são: Paola Klokler, Rychard Araujo, Claudine dos Santos, Nilton Divino, Daniele Montes, Ezequiel Barbosa, Andre Macedo, Sidnei Silva, Isaias Rebo e Liliane Lopes. A partida teve transmissão ao vivo da Rede Globo e a ação chegou a ser citada por Cléber Machado. Daquelas ideias que merecem ser exaltadas sempre.