Aos 28 anos, Mario Balotelli parecia ter se reencontrado. Depois do afastamento do Nice, assinou pelo Olympique de Marseille em janeiro deste ano e tinha pouco tempo para provar seu valor – mas como provou. Em apenas 12 jogos na Ligue 1 pelos marselheses, marcou oito gols e se tornou querido pelos torcedores. O retorno imediato que ofereceu ao clube, no entanto, não foi suficiente para garantir sua permanência.

Em entrevista ao L’Équipe, o presidente do OM, Jacques-Henri Eyraud, confirmou o segredo menos bem guardado do futebol francês neste verão europeu ao revelar que o vínculo curto do atacante não será prorrogado.

Se fosse apenas pelo ponto de vista técnico, Balotelli certamente permaneceria em Marselha. Entretanto, a questão é financeira: como o clube não conseguiu a vaga para a próxima Champions League, ficando em quinto lugar, o orçamento obviamente ficou mais baixo. Embora Eyraud não diga isso explicitamente, a imprensa trata este como o motivo pela escolha de não renovar seu vínculo.

A passagem relâmpago de Balotelli pelo Olympique de Marseille foi um sucesso não apenas pelos números. Dentro de campo, era possível ver um atacante novamente feliz, divertindo-se com os companheiros, provocando adversários e coreografando comemorações alegres e criativas. Desde que chegou, o italiano, que vinha do rival Nice, destacou que se identificava com os torcedores, em grande parte de origem popular e muitos deles imigrantes ou filhos e netos de imigrantes. O atacante parecia escrever um roteiro de sucesso, que agora é interrompido por questões extracampo que não envolvem o seu comportamento.

O futuro de Balotelli agora é incerto. Embora tenha se destacado nos últimos meses, a reputação que o precede deixa muito clube cismado com qual versão do jogador estará contratando. Será aquele da primeira passagem pelo Milan que despertou interesse do Liverpool? O pouco eficaz visto em Anfield, que fez só um gol em 16 jogos de Premier League? O goleador problemático do Nice? Ou o goleador bem-humorado do Marseille? Além disso, será que sua passagem pelo OM continuaria dessa maneira caso permanecesse por mais tempo?

Não é equivocado lembrar que, ao longo de sua carreira, Balotelli teve dificuldades em passar períodos longos de tempo distante de problemas. Seu início pelo Nice foi muito bom, e sua primeira temporada, um sucesso, com gols atrás de gols, o que despertou o interesse do Marseille. Em negociação com o clube no início da temporada 2018/19, que seria sua segunda pelo Nice, não se apresentou para a pré-temporada do clube, jogou apenas dez jogos e irritou o técnico Patrick Vieira, que disse que precisava se controlar para não perder a paciência com o atacante.

Tudo isso ainda está relativamente recente e pode afugentar muito pretendente. No caso do Parma, uma das equipes que estiveram interessadas em contar com seu futebol, o aspecto que mais pesou foi mesmo financeiro (no OM, o atacante recebeu cerca de R$ 11 milhões ao longo de seis meses).

Atualmente, a única especulação com um pouco mais de tração é de que o West Ham pode fazer sua investida pelo jogador, mas ainda não há indícios mais concretos disso. Com a falta de outros candidatos claros – e considerando que o time deu uma chance a Samir Nasri –, não seria loucura imaginar Balotelli no leste de Londres a partir do próximo mês.