As seleções europeias preparavam-se para disputar a Eurocopa ao fim da atual temporada, mas o torneio em múltiplas sedes precisou ser adiado por causa da pandemia de COVID-19, o que naturalmente atrapalhou muitos planos. Para a seleção italiana, porém, pode ter sido uma vantagem, na opinião do seu treinador Roberto Mancini.

O argumento de Mancini faz sentido porque sua grande missão à frente do time nacional foi dar chance a jovens. Convocou vários jogadores para garimpar os melhores, inclusive alguns que não tinham muito espaço em seus clubes. E, por isso, mais um ano de amadurecimento para os principais deles pode ser essencial para as chances da Itália.

“Estou decepcionado por não jogarmos a Euro, mas, ao mesmo tempo, eu acho que pode ser uma ligeira vantagem para a Itália porque somos um time jovem e ter mais um ano de experiência pode ser útil para os rapazes”, afirmou, à RAI. “Acho que estamos entre os times capazes de vencer o troféu. Eu não gosto de colocar muitas regras para meus jogadores. Não é certo enjaular suas personalidades”.

A pandemia atingiu a Itália com força, causando mais de 19 mil mortes. Mancini espera que a experiência ajude as pessoas a serem mais gentis umas com as outras e que o trabalho de médicos, médicas, enfermeiros e enfermeiras continue sendo valorizado.

“Isso nos ensinou muitas coisas, por exemplo, que você pode ser o mais poderoso, o mais rico, o mais bonito, mas, quando chega uma doença, um inimigo invisível, pode derrubá-lo. Espero que sejamos mais gentis depois disso e que possamos voltar a ver futebol puramente por divertimento. Precisamos nos lembrar dos funcionários de saúde quando tudo isto acabar e não apenas durante a crise. É fácil elogiá-los agora”, completou.