Na temporada passada, o Borussia Dortmund era o time a ser batido na Alemanha. Mas, pela tradição do Bayern Munique ganhar a salva de prata ano sim ano não, a desconfiança em relação ao bicampeonato era grande. Foi vencida dentro de campo, assim como foi superado o Bayern em três oportunidades, duas na Bundesliga e uma na Copa da Alemanha. Dissipadas as dúvidas, resta agora a possibilidade de um feito: conquistar um inédito tricampeonato nacional.

Na Bundesliga, apenas o Bayern Munique em três oportunidades e o Borussia Mönchengladbach, em uma, conseguiram a façanha. O Dortmund, bicampeão em 1994/95 e 1995/96, teve a chance de levar o tri em 1996/97, mas puxou o freio de mão e priorizou a conquista da Liga dos Campeões daquela temporada. Acabou em terceiro lugar, atrás de Bayern Munique e Bayer Leverkusen.

Em 2012/13, as chances são maiores. A base do time foi mantida, e a saída de Shinji Kagawa foi compensada com a vinda de Marco Reus, um dos melhores jogadores do país, injustamente colocado no banco de reservas no fatídico jogo contra a Itália pela Europa. A saída de Lucas Barrios para o futebol chinês talvez prejudique o ataque, pois poderá faltar um reserva de alto nível para Robert Lewandowski, mas isso depende de como a equipe continuar.

Com exceção de Reus, contratado por € 17,5 milhões, os outros reforços seguem a política de contratações do clube: são apostas, jogadores jovens, baratos e que já mostraram algum talento em algum lugar. É o caso de Leonardo Bittencourt, filho do ex-atacante brasileiro Franklin, que tem apenas 19 anos e encheu os olhos de muita gente na segunda divisão alemã atuando pelo Energie Cottbus. Pelos  € 3 milhões que pagaram por ele, espera-se que ele tenha algumas oportunidades já nesta temporada.

Um jogador que pode surpreender é Julian Schieber, contratado por  € 6 milhões junto ao Stuttgart. Apagado na última temporada, ele foi muito bem em 2010/11 pelo Nürnberg e poderá compor elenco com qualidade, assim como Oliver Kirch, que veio do rebaixado Kaiserslautern. Lateral direito marcador, ele chega para disputar com Patrick Owomoyela uma posição no banco de reservas. Outro sobre quem pairam boas expectativas é o australiano Mustafa Amini, que volta de empréstimo.

Os maiores reforços de Jürgen Klopp, no entanto, estão dentro do elenco. Mats Hummels renovou contrato até 2017 e se consolidou como titular da seleção alemã na Eurocopa mesmo com um erro crucial no jogo contra a Itália pelas semifinais. Robert Lewandowski ensaiou um chilique por não ir ao Manchester United, tem contrato até 2014 e pode sair no fim da próxima temporada, mas ainda é o homem-gol de confiança de Jürgen Klopp. Sven Bender, que foi cortado no último momento da disputa da Eurocopa, também estendeu seu vínculo com o clube.

Quem será muito importante em 2012/13 é Mario Götze. O meia, que esbanja talento dentro de campo, está recuperado da lesão da cartilagem no joelho que o tirou de metade da temporada passada, mas agora foi afetado por uma infecção no olho e perdeu parte da pré-temporada. Mas já se recuperou e será fundamental para que a intensidade de jogo do time não caia sem Shinji Kagawa pelo meio. E se o Dortmund quiser ser tricampeão, precisa ser assim: intenso e decisivo nos momentos finais, com um toque de genialidade dos jogadores mais talentosos.