Uma das novidades da CBF no mais alto escalão do seu curso de treinadores foi um escocês. Malky Mackay, técnico de futebol e atual diretor de desempenho da seleção escocesa, foi convidado por Mauricio Marques, da CBF Academy. O ex-treinador de Watford, Cardiff City e Wigan se surpreendeu com o convite e se disse honrado de vir ao país que é cinco vezes campeão mundial. Ele também se surpreendeu ao perceber que um dos problemas na formação de jogadores que a Escócia sofre é também um problema no Brasil.

Um dos pontos que é sempre crítico quando se fala em futebol brasileiro é a formação. Um aspecto que chamou a atenção de Mackay é que Brasil e Escócia vivem um mesmo problema. “Eles estão enfrentando os mesmos desafios que nós, o que me surpreendeu. Falamos sobre a escassez de futebol de rua. Isso certamente aconteceu na Escócia. Há uma escassez de dribladores e jogadores do futebol de rua”, contou.

“Eles falaram sobre encontrar garotos que estejam com fome. Eles precisam encontrar garotos que queiram jogar futebol, que tenham aquele desejo e queiram que este seja seu único foco”, continuou Mackay. “Mas os jovens por lá não são muito diferentes dos jovens em outros lugares do mundo. Redes sociais, jogos de computador… Os garotos têm outros interesses e isso acontece no Brasil também. Os garotos estão indo em outra direção e eles querem fazer algo em relação a isso.

Malky Mackay falou sobre o convite para fazer uma apresentação no Brasil, vindo de uma escola de futebol que é tradicional e antiga, como a escocesa. O Brasil tem refeito a sua forma de formação dos técnicos e tornou o seu curso obrigatório para todos os treinadores que queiram trabalhar no país, algo que já acontece na Europa há muitos anos.

Por isso, há uma tentativa de trazer mais informações e troca de experiências também com europeus, mas não só. Criou diversas licenças: a Licença C, a Licença B, Licença A e Licença Pro, a mais alta. Foi nesta que o escocês foi convidado a fazer uma apresentação.

“Nós estamos falando de um país que ganhou a Copa do Mundo cinco vezes, então vamos ficar calmos”, afirmou Mackay. “Mas dentro do próprio sistema deles, que só está funcionando há nove anos, há um desejo pela formação dos técnicos. O jogo do 7 a 1 foi um alerta para as pessoas que esperavam vencer tudo o tempo todo”.

“Eles estão reiniciando sua estrutura e é sobre a educação de seus treinadores de maneira mais detalhada, com o maior número possível de facetas do mundo inteiro. Nós estamos fazendo isso há muito tempo, quando você pensa que Andy Roxburgh começou o departamento de educação de técnicos [na Federação Escocesa, em 1975]. Nossas licenças são imensamente valorizadas. Seus primeiros treinadores da Licença Pro se formaram apenas em 2016”.

“Mas eu estava muito consciente que eu estava falando com técnicos de um país de futebol fabuloso. O grupo de 30 que estavam à minha frente tinha nove técnicos da Série A, além do técnico da seleção, Tite, é claro, e seu assistente Cesar Sampaio. O maior técnico do Brasil no momento, Renato Gaucho, do Grêmio, foi uma grande personalidade na sala e tinha muito a dizer”, contou Mackay.

“A aula do dia seguinte teve o ex-técnico do Brasil, Mano Menezes, então você está falando de grupos de pessoas experientes, mas tratava-se da formação de treinadores e incutir boas práticas nas estruturas”, explicou o escocês. “Eu falei sobre o que uma estratégia de desempenho em uma federação, ciência do esporte, identificação de talentos, análise de desempenho, jovens, seleções e como tudo isso se conecta, análise do adversário, a maneira padronizada de trabalhar com equipes de base”.

“Tive o cuidado de dizer que não estava querendo dizer que é assim que deve ser, apenas que é assim que nós fazemos. Ir até lá como um escocês, com o emblema escocês, foi um grande prazer e uma honra por estar no meio deles. Foi uma grande experiência”, afirmou ainda o diretor da seleção da Escócia.

“Eu dei boas risadas com César Sampaio. Ele queria me falar sobre a Escócia, ele tinha uma boa lembrança de fazer o gol contra nós na Copa do Mundo de 1998”, disse Mackay à agência de notícias PA. “O gol foi com quatro minutos, o primeiro do torneio. Eu lembro, eu estava lá com alguns amigos, nós dirigimos até Paris e eu estava no Stade de France assistindo alguns dos meus colegas jogarem”.

“Estar apresentando a técnicos no Brasil muitos anos depois, você se belisca e no final você está pensando ‘uau’. Eles não podiam parar de me agradecer por ter viajado tão longe para fazer isso”, afirmou ainda o escocês. Curiosamente, aquela Copa do Mundo foi o último grande torneio que a Escócia participou. A seleção do país nunca mais conseguiu chegar a uma Eurocopa ou Copa do Mundo.