A final da Champions League estava programada para acontecer neste sábado, 30, em Istambul, deve mudar de sede por causa da pandemia da COVID-19, segundo informa o jornal New York Times. O torneio está paralisado desde março, quando as últimas partidas foram disputadas. A final do torneio é um evento mais assistido mundialmente que o Super Bowl e é o principal produto da Uefa.

Nem todos os jogos das oitavas de final foram jogados. Estão garantidos nas quartas de final a Atalanta, que eliminou o Valencia; o Red Bull Leipzig, que eliminou o Tottenham; o Atlético de Madrid, que eliminou o Liverpool; e o PSG, que eliminou o Borussia Dortmund. Ainda restam jogar as partidas de volta dos confrontos entre Juventus x Lyon; Manchester City e Real Madrid; Bayern de Munique x Chelsea; e Barcelona x Napoli. Eram jogos previstos para serem disputados nos dias 17 e 18 de março.

A Uefa considera várias opções para terminar o torneio e, neste momento, a opção mais provável é que o restante das disputas seja jogada a partir de agosto. Ainda não se sabe como isso será feito, já que nem todas as ligas retornaram até agora e uma delas, a França, do Lyon, decidiu encerrar a temporada.

A Bundesliga, da Alemanha, foi a única das grandes ligas a retornar até agora, desde o dia 16 de maio. La Liga, da Espanha, tem previsão de volta para a semana do dia 8 de junho; a Premier League, da Inglaterra, tem previsão de volta para o dia 17 de junho; enquanto a Serie A, da Itália, voltará no dia 20 de junho.

Como as principais ligas europeias estão voltando, a Uefa discute como também retomar suas atividades. Istambul era a cidade escolhida para receber a final da Champions League no Estádio Olímpico de Atatürk, enquanto a final da Liga Europa seria em Gdansk, na Polônia. A decisão sobre onde serão os jogos dos dois torneios, além da fórmula de disputa, serão decididos no dia 17 de junho, na reunião do Comitê Executivo da entidade, segundo informou uma fonte ao NY Times.

Os dirigentes da Uefa devem fazer uma reunião com os dirigentes turcos para tratar do assunto na próxima semana. A cidade turca pode ser escolhida para receber um evento mais adiante, e não mais este ano, como previsto. Ainda não se sabe o que será feito em relação à sede da Liga Europa, mas é provável que o caminho seja o mesmo.

Para conseguirem retornar em segurança, as ligas estão adotando rígidos protocolos sanitários, com jogos sem público e distanciamento social antes e depois dos jogos. Os jogadores no banco de reservas ficam bastante distantes e há uma orientação para que as comemorações não tenham abraços. É provável que a Uefa adote protocolos similares e, portanto, os jogos devem ser sem público e com protocolos de higiene e distanciamento.

Sem público, os dirigentes turcos têm conversado com a Uefa sobre como Istambul não seria capaz de ter retorno financeiro, segundo informado pelo jornal inglês Independent. A pandemia do coronavírus irá impedir a viagem de torcedores e é provável que a decisão da Champions League seja com portões fechados. A cidade que recebe a decisão do principal torneio continental da Europa atrai muitos turistas e, principalmente por isso, acaba conseguindo um grande retorno financeiro pelo turismo. Sem isso, a final da Champions League deixa de ser atraente do ponto de vista financeiro. Ainda mais em um momento de recessão financeira.

De qualquer forma, é algo que ainda está indefinido e, por isso, a reunião do dia 17 será importante para decidir qual será o rumo tomado. “Um grupo de trabalho com a participação de representantes das ligas e clubes para examinar soluções de calendário e opções de formato que permitiriam a conclusão da temporada atual”, afirmou um representante da Uefa ao NY Times. “Uma variedade de opções está sendo analisada e nenhuma decisão foi tomada até aqui”.

Lisboa, em Portugal, e algumas cidades alemães estão sendo consideradas como opções para receber a final e os jogos finais, se for decidido que todo o torneio será realizado em um só local. Esta é a alternativa mais provável, uma vez que a ideia é que a Uefa organize a fase final da Uefa depois de finalizados os campeonatos nacionais. Como nem todos voltaram e ainda não se sabe do calendário de todos eles, ainda é tudo muito incerto.

Os contratos de transmissão da Champions League são dos maiores do esporte mundial e a Uefa sabe que precisa terminar o torneio, sob o risco de enormes multas. O dinheiro desse contrato é fundamental para a Uefa porque é a principal fonte para os chamados pagamentos de solidariedade, que sustentam a maioria das federações nacionais. Em tempos de pandemia, as federações menores dependem ainda mais desses repasses. Por isso, veremos a Uefa tentar ao máximo realizar as finais da Champions League, seja como for.