O San Lorenzo pode melhorar até receber o Palmeiras, no começo de abril, mas, como no momento é o lanterna do Campeonato Argentino, a partida teoricamente mais difícil dos paulistas é contra o Junior, fora de casa. E graças à qualidade dos seus jogadores de frente, e uma defesa sólida, bem ao estilo Luiz Felipe Scolari, venceram por 2 a 0 em Barranquilla.

LEIA MAIS: Como chegam os sete clubes brasileiros à fase de grupos da Libertadores 2019

Felipão fez algo muito simples com a sua linha de armadores: colocou os três jogadores mais talentosos em campo. Dudu pela esquerda, Ricardo Goulart pelo meio e Gustavo Scarpa pela direita, onde poderia entrar um dos velozes pontas, Felipe Pires ou Carlos Eduardo. A decisão se pagou, aos 10 minutos, quando Dudu saiu da ponta e deu o passe por trás da zaga para Scarpa bater cruzado e abrir o placar para o Palmeiras.

Foi o goleiro Viera quem exigiu a primeira defesa do seu correspondente alviverde. A falta que ele cobrou da entrada da área tinha endereço certo, mas Weverton voou para espalmar. O chute de Luis Díaz também levou perigo, enquanto os visitantes baixavam um pouco o ritmo e tinham dificuldades para se manter no campo de ataque.

O problema é que o Junior Barranquilla, não de hoje, consegue tocar a bola muito bem e praticar um futebol vistoso, mas tem certa dificuldade para criar chances e fazer gols – até de pênalti, como provou a final da Copa Sul-Americana. Como o Palmeiras de Felipão, depois de abrir o placar, ataca apenas se for conveniente, o segundo tempo não foi brilhante.

Viera trabalhou bem para evitar que entrasse a bomba desferida por Borja. Weverton, por sua vez, pegou o chute de fora da área de Hinestroza. Scarpa respondeu com um chute colocado de muito longe, que Viera precisou dar um passinho para trás para defender. Gutiérrez, que havia recebido o primeiro cartão amarelo no fim do primeiro tempo, recebeu o segundo por um pontapé em Bruno Henrique e foi expulso. Ficou mais fácil para o Palmeiras defender-se e esperar o tempo acabar.

O resultado ficou além das dúvidas nos acréscimos, quando Marcos Rocha fez o corte, ainda no campo de defesa, e acabou lançando Borja. O colombiano não teve velocidade para superar a marcação, mas teve inteligência para parar e esperar a passagem do lateral. Com um passe preciso, Rocha saiu na cara de Viera e tocou com classe para fazer 2 a 0.

Há mais de 40 anos, o Palmeiras não perde em estreia, com 11 vitórias e três empates no período. Desta vez, era um jogo perigoso, e nem foi uma atuação particularmente boa do Palmeiras. Mas os três pontos vieram ao melhor estilo Felipão: abriu o placar, recuou, esperando as chances para matar o jogo, e eventualmente o fez. Nem todo mundo gosta, mas funciona com frequência.