O Palmeiras pela segunda vez seguida terminou a fase de grupos da Libertadores com a melhor campanha. Graças à surpreendente derrota do Cruzeiro para o Emelec, bastava vencer o San Lorenzo, no Allianz Parque, empatar a pontuação dos mineiros e passá-los no saldo de gols. Embora tenha sido mais difícil do que se imaginava, um gol de Gustavo Scarpa no segundo tempo garantiu o placar de 1 a 0. 

Na prática, serve para decidir o confronto em casa, o que nesta Libertadores é uma vantagem menor do que antes porque há uma fase a menos – a final, em campo neutro, será em Santiago. Apenas três times desde 1988 a melhor campanha da primeira fase ganhou o título, como mostraram os nossos amigos do Impedimento. 

Felipão deve saber disso porque escalou um time misto com Mayke, Victor Luiz , Moisés, Raphael Veiga e Borja. Correto: a rodada do Campeonato Brasileiro é muito mais importante. Ainda assim, era de se imaginar que ele prefere ter a melhor campanha do que não tê-la. E se isso é verdade, faltou avisar os seus jogadores. 

O primeiro tempo foi fraquíssimo. O Palmeiras acertou um único chute a gol, e o momento de mais emoção foi do San Lorenzo, quando Herrera mandou de longe e Weverton teve que fazer uma boa defesa. Melhorou um pouco depois do intervalo. Monetti saiu do gol providencialmente para impedir o que seria um gol certo de Moisés. 

Muitos devem ter percebido que Borja estava em campo apenas aos 14 minutos da etapa final, quando ele foi substituído por Arthur Cabral. Não fez, novamente, uma partida pelo menos razoável na chance que teve. Logo depois, entrou o autor do gol. Depois de Zé Rafael exigir defesa de Monetti, Gustavo Scarpa mandou de fora da área e contou com uma falha do goleirão para fazer 1 a 0. Pouco depois, saiu machucado. 

Mais nada aconteceu. O Palmeiras não fez questão de marcar o segundo, como geralmente não faz, e o San Lorenzo, já classificado, também não estava mais interessado em voltar logo para casa, depois de terminar o Campeonato Argentino com apenas uma vitória nas últimas 19 rodadas. 

O Palmeiras sofreu apenas um gol na fase de grupos. Defesa impecável. Treze gols marcados. Melhor ataque, pelo menos até Olimpia (9), Boca Juniors (9) e Athletico (10) entrarem em campo nesta quinta-feira. Ótimos números. E no segundo semestre veremos se o desempenho será o bastante para ganhar a Libertadores. Ano passado, não foi.