O Palmeiras fez um jogo digno do que se espera do time que é sempre apontado como um dos principais favoritos em todos os torneios que disputa, incluindo este Campeonato Brasileiro. Atual campeão brasileiro, o desempenho da equipe foi condizente ao seu status. Com um grande volume de jogo, o time de Luiz Felipe Scolari foi melhor o tempo todo, goleou o Fortaleza por 4 a 0 e ainda desperdiçou um caminhão de outras chances, que poderia ter feito um placar ainda maior. Um ótimo sinal de um time que não conseguiu atuar em alto nível muitas vezes nesta temporada. Desta vez, jogou e jogou muito bem.

Diante de 26.701 presentes, o alviverde foi muito bem e fez um jogo sem problemas. O Fortaleza é um adversário que não é dos mais fortes, claro, até por ser um time que vem da Série B. Até porque quando o adversário não é do mesmo nível, o que se espera é que o time mais forte se imponha. E foi o que aconteceu. O Palmeiras foi melhor o tempo todo, criando chances ao longo de toda a partida. O placar foi merecido, poderia até ser maior, não fossem algumas boas defesas do goleiro Felipe Alves.

A estreia do Campeão Brasileiro contra o campeão da Série B foi debaixo de muita chuva no Allianz Park. O técnico Luiz Felipe Scolari optou por Deyverson como titular da equipe, mas a novidade é que Miguel Borja desta vez sequer ficou no banco. A opção de Felipão foi por Arthur. O colombiano nem foi relacionado para os reservas.

Desde o início do jogo, o Palmeiras teve uma postura ofensiva para tentar resolver o jogo. Conseguiu um gol cedo, logo aos oito minutos. Deyverson recebeu cruzamento, dominou e Bruno Henrique foi quem chutou forte para o gol. O goleiro Felipe Alves espalmou para frente e Dudu aproveitou o rebote para tocar para o gol. O assistente imediatamente marcou o impedimento. Depois de revisão no VAR, o impedimento foi confirmado. Era um lance bastante difícil, o que o vídeo ajudou a esclarecer.

Pouco depois, não teve jeito. O Palmeiras chegou novamente ao ataque, com Deyverson, que abriu na esquerda para Diogo Barbosa. O lateral cruzou rasteiro e Zé Rafael dominou já tirando da marcação e chutou, de pé esquerdo, cruzado para marcar 1 a 0, aos 17 minutos.

O Palmeiras, melhor em campo, teve uma outra chance clara aos 27 minutos. Zé Rafael recebeu do lado esquerdo e fez uma bela jogada, tirando da marcação e rolando para Dudu, livre na direita. O camisa 7 chutou em cima do goleiro do Fortaleza. Movimentação muito inteligente de Gustavo Scarpa, que fez a diagonal puxando para o lado esquerdo e levando consigo a marcação, liberando Dudu.

No início do segundo tempo, o Palmeiras chegou com perigo. Cruzamento de Marcos Rocha que o atacante Deyverson cabeceou bem, obrigando o goleiro Felipe Alves, que mandou para escanteio. A pressão continuou e quando Deyverson foi para a ponta cruzar para a área e quase a defesa do Fortaleza fez contra.

O Palmeiras continuava em cima do Fortaleza e em uma jogada pelo lado esquerdo, Gustavo Scarpa cruzou e Bruno Henrique não conseguiu completar o movimento para chutar, tocou de joelho, fraco, e a bola foi para fora. Mais uma chance perdida pelo Palmeiras, que era melhor em campo.

Depois de muito pressionar nos minutos iniciais, o Palmeiras finalmente chegou ao segundo gol aos 13 minutos. Zé Rafael recebeu do lado esquerdo da área, cruzou para o meio da área, rasteiro, e o lateral Marcos Rocha se antecipou à marcação e tocou para o gol: 2 a 0 no Allianz Parque.

Aos 19 minutos, Dudu recebeu na direita, puxou para o meio e, de pé esquerdo, soltou um belo chute. Mais uma vez, o goleiro Felipe Alves fez a defesa para impedir. O Palmeiras mantinha o ritmo forte para ampliar.

Só que o Fortaleza teve a chance. Aos 21 minutos, Osvaldo chutou de dentro da área, em um chute forte, e o goleiro Weverton fez uma ótima defesa. No rebote, o próprio Osvaldo chutou novamente, e outra vez o goleiro do Palmeiras defendeu.

O Fortaleza não conseguia conter o ataque palmeirense. Aos 26 minutos, Marcos Rocha cobrou lateral na área, Dudu só raspou de cabeça e a bola ficou para a segunda trave, onde Zé Rafael completou, de cabeça para o gol: 3 a 0 no placar com dois gols do jogador que saiu do banco de reservas.

Com o placar já em 3 a 0 e o Palmeiras com muito volume de jogo, Rogério Ceni decidiu mudar o time. Colocou Marinho no lugar de Edinho, depois Gabriel Dias no lugar de Osvaldo. O time sofria no meio-campo e com essas mudanças o técnico pareceu tentar ganhar um pouco mais de controle no meio-campo, setor onde o Palmeiras dominou completamente ao longo do jogo.

Com a vitória assegurada, Felipão tirou Gustavo Scarpa e colocou em campo Lucas Lima, um jogador que perdeu espaço nesse ano no Palmeiras. Minutos depois, Felipão tirou Dudu e colocou Hyoran em campo. O ritmo diminuiu. O Palmeiras tinha tranquilidade na partida e o Fortaleza parecia já estar conformado em não deixar a situação ficar pior tomando mais gols.

Só que nos acréscimos, não foi possível segurar o quarto gol, depois de mais algumas chances desperdiças. Jogada pela direita de Hyoran, cruzamento rasteiro para a área, a bola passou por dois jogadores antes de chegar a Bruno Henrique, livre, para tocar com categoria, no canto. A bola ainda bateu caprichosamente na trave antes de morrer no fundo da rede.

A estreia do Palmeiras foi uma das melhores atuações do time na temporada. A boa atuação de Zé Rafael mostra como o elenco do time é forte. A saída de Ricardo Goulart, uma das contratações mais estelares do Palmeiras na temporada, sequer foi sentida com a entrada do ex-jogador do Bahia. Zé Rafael é uma opção de qualidade e, desta vez, aproveitou a chance. E o jogo foi tão tranquilo que permitiu até Hyoran entrar e ter um pouco de brilho no final do jogo.

Ao Fortaleza, de Rogério Ceni, resta juntar os cacos e entender o que aconteceu. Contra um Palmeiras muito forte, fora de casa, os cearenses não tiveram capacidade de evitar o enorme volume de jogo alviverde. O meio-campo do Fortaleza foi dominado e o time ficou com inferioridade numérica muitas vezes no centro do campo, em um setor crucial para o Palmeiras dominar.

Ricardo Goulart começou buscando o jogo, mas o Palmeiras, mesmo sem ele, trabalhou bem a bola para acionar com facilidade seus meias, especialmente Gustavo Scarpa e Zé Rafael. Dudu, também sempre bem posicionado, recebeu a bola muitas vezes com liberdade. Por isso, talvez Rogério precise repensar como atua, especialmente fora de casa, contra times tão fortes. Perder o duelo no meio-campo é sempre um problema para o time da capital do Ceará.