Palmeiras aproveitou o mando e fez seu resultado, mas prejuízo do Santos poderia ter sido maior

Alviverde bate o rival por 1 a 0, mas com vantagem numérica e pênalti, deveria ter saído do Allianz Parque com o título quase garantido

Em sua primeira decisão de campeonato na nova casa, o Palmeiras fez valer o mando. Dominou o Santos em boa parte do jogo e saiu com a vitória por 1 a 0 do Allianz Parque, pelo Paulistão. O resultado, no entanto, poderia ter sido muito melhor, e o Alvinegro, que em um momento pareceu fadado a uma derrota que seria difícil de reverter na volta, agora leva para a Vila Belmiro uma decisão completamente aberta. Isso com a ajuda do Alviverde, claro, que não aproveitou a boa partida que fazia e a desvantagem numérica do adversário após a expulsão de Paulo Ricardo aos dez minutos do segundo tempo.

VEJA TAMBÉM: Mosaico, briga de técnicos e jogo pegado: o clássico português foi bom mesmo sem gols

O duelo começou agitado. Ambas as equipes avançavam, e Geuvânio dava mostras de que poderia ser um problema para o Palmeiras. Com menos de 15 minutos, o garoto pegou a bola no meio do campo e arrancou com a bola pela direita, fazendo fila e ensaiando uma jogada como a que terminou em seu gol contra o São Paulo, na semana passada. Desta vez, foi parado antes que pudesse concluir o lance. A primeira má notícia para o Palmeiras, no entanto, viria logo a seguir, com Arouca tendo de deixar o campo aos 17 minutos por lesão muscular, dando lugar a Cleiton Xavier.

A dificuldade de criar chances claras levou o Santos a tentar arriscar de longe. Ricardo Oliveira confiou no seu taco, mas o chute passou longe do gol. Muito mais eficaz foi o Palmeiras que, três minutos depois, chegou em velocidade pela direita. O passe de Cleiton Xavier era para Robinho, mas, impedido, o meia deixou a bola passar para Lucas. O lateral chegou cruzando com precisão, e Leandro Pereira apareceu na área para completar e abrir o placar.

O tento do atacante mudou o espírito palmeirense no jogo. O time ganhou volume no ataque e, com velocidade, martelou a zaga santista. Lucas foi uma arma importante pela direita, causando problemas a Victor Ferraz, que não conseguia conter suas subidas. Pela esquerda, Dudu era o pilar da construção de jogadas. Em uma delas, recebeu de Rafael Marques, devolveu de calcanhar, mas o grandalhão demorou para definir o lance e foi travado. O Santos ainda levou perigo com Lucas Lima, em cobrança de falta, mas nada capaz de superar Fernando Prass. Superior no jogo e à frente no placar, o Palmeiras foi para o intervalo com confiança para definir a partida no segundo tempo. Mas teria de conseguir isso sem os comandos de Oswaldo de Oliveira à beira do campo. O técnico palmeirense e Marcelo Fernandes, do Santos, foram exageradamente expulsos pelo árbitro Vinicius Furlan por invadirem o campo após o apito final do primeiro tempo.

O primeiro grande lance do segundo tempo foi o que culminou no pênalti para o Palmeiras. Leandro Pereira arrancou com a bola e, desde fora da área, foi sendo puxado pelo zagueiro Paulo Ricardo. O atacante aguentou e foi conduzindo a jogada até à grande área, e a inexperiência do beque santista pesou. Se tivesse parado o lance antes, evitaria o pênalti. Em vez disso, continuou com a infração até que Leandro Pereira pudesse cair. De maneira justa, Paulo Ricardo acabou expulso, e Dudu teve em seus pés a chance de fazer 2 a 0 e pavimentar o que poderia ter sido uma vitória por placar magro. Na hora da cobrança, muita marra e pose e pouca precisão. O camisa 7 exagerou na força e carimbou o travessão santista.

Com um a mais em campo, o Palmeiras poderia ao menos ter mantido o ritmo que apresentara no primeiro tempo, mas, a cada minuto que passava, o ímpeto ofensivo palmeirense diminuía. Nem a entrada do jovem Gabriel Jesus, no lugar de Leandro Pereira, trouxe o time de volta ao duelo. O Santos, enquanto isso, agradeceu a falta de ação mais incisiva dos donos da casa e segurou um resultado completamente reversível para o jogo na Vila Belmiro. Ainda chegou perto do gol de empate com Ricardo Oliveira, mas o atacante desperdiçou o passe fantástico de Lucas Lima e demorou para finalizar, possibilitando a chegada de Vitor Hugo.

Com Robinho de volta ao time e jogando em casa, o Santos deverá partir para o ataque desde o primeiro minuto na próxima semana. O caminho para o título palmeirense pareceu bastante livre quando Paulo Ricardo recebeu o cartão vermelho, mas o Alviverde tropeçou nas menores das pedras. O desafio em Santos agora será muito maior. Uma chance de saborear ainda mais uma possível conquista, é verdade, mas, dando sopa para o azar desta maneira, colocou em risco um título que pode ser muito importante para o momento de reformulação pelo qual passa.