O Arsenal teve a volta do seu camisa 10 Mesut Özil contra o Burnley e foi uma volta gloriosa. Os Gunners venceram por 3 a 1, com uma ótima atuação do alemão, além do faro artilheiro de Pierre-Emerick Aubameyang, que marcou dois gols e assumiu a artilharia da Premier League. O jogo foi mais sofrido do que se esperava, em um momento no segundo tempo que o Burnley chegou a ameaçar, mas o time da casa manteve a vitória importante para voltar aos bons resultados.

LEIA TAMBÉM: Roy Keane critica jogadores do United: “Isso não teria acontecido no nosso vestiário”

 

O técnico Unai Emery resolveu mudar um pouco o esquema tático do time. Tirou os pontas e montou um 4-3-1-2, com dois atacantes e um meia atrás deles: Mesut Özil. O meia alemão foi alvo de controvérsia nesta semana depois de não ser sequer relacionado para o jogo contra o Tottenham, no meio da semana, pela Copa da Liga. Rumores sobre a sua saída ou que o técnico não contava mais com ele. O que se viu foi ele ser não só titular, mas vestir a braçadeira de capitão do time.

Os Gunners conseguiram marcar com a participação crucial do capitão do dia. Logo a 14 minutos de jogo, Özil achou um belo passe para Sead Kolasinac, que apareceu como uma flecha na esquerda e o lateral tocou para trás. Pierre-Emerick Aubameyang chutou para marcar 1 a 0 e alcançar o seu 11º gol na Premier League. Se igualou a Mohamed Salah, do Liverpool, que marcou na sexta-feira, na abertura da rodada.

No segundo tempo, aproveitando um enorme espaço dado pela defesa do Burnley, o Arsenal tratou de fazer 2 a 0. Em um contra-ataque muito rápido e bem armado, Lacazette abriu para Aubameyang, que, dentro da área, chutou alto, forte, sem chance de defesa: 2 a 0. O 12º gol de Auba no campeonato, deixando Salah para trás na artilharia.

Depois do segundo gol, foi uma sequência de contra-ataques do Arsenal com espaço para tentar marcar. E o time tentava aproveitar, mas desperdiçou os ataques. O controle do jogo era do Arsenal, mas um lance mudou um pouco a partida. Aos 18 minutos, depois de uma sequência de divididas e bate e rebate dentro da área, a bola sobrou para Ashley Barnes, dentro da área, e o camisa 10 do Burnley chutou forte para marcar: 2 a 1.

Em seguida, um lance que deixou os torcedores do Arsenal (e provavelmente os jogadores e o técnico também) com um frio na espinha. Chris Wood recebeu no lado esquerdo e ajeitou para o meio, onde estava Jack Cork. O meia, porém, finalizou mal e chutou para fora. Uma grande chance que poderia empatar a partida no estádio Emirates e, claro, mudaria muito as perspectivas para os dois times no jogo.

O Arsenal passou de um jogo que controlava a um jogo que começou a sofrer. O Burnley ameaçava, ainda que chegasse ao ataque sem muito refinamento. O Arsenal sequer conseguia mais chutar a gol. Desesperado, mergulhado na zona do rebaixamento, o Burnley passou a impor um jogo mais físico ainda e tentava se manter no campo de ataque. O técnico Sean Dyche trocou os dois atacantes para levar a campo jogadores descansados: Sam Vokes e Matej Vydra, nos lugares de Barnes e Wood.

Os jogadores do Arsenal pareciam se irritar, especialmente Lacazette, com a falta de capacidade do time de articular ataques. O Burnley mantinha a esperança de ainda arrancar algo do jogo, de alguma forma. Mas nos acréscimos, o alívio veio dos torcedores. E veio novamente graças a uma boa jogada do seu camisa 10, Özil. Ele recebeu pela direita, fez a finta e chutou. A bola desviou na zaga e sobrou para Iwobi, que finalizou: 3 a 1 e o jogo, enfim, decidido para os Gunners.

A vitória leva o Arsenal a 37 pontos, mesma pontuação do Chelsea, quarto colocado, mas que ainda joga na rodada. O Liverpool é o líder com 48 pontos. O Burnley, por sua vez, segue afundado dentro da zona do rebaixamento. Tem 12 pontos, mesma pontuação do Southampton, que ainda joga na rodada. Será uma missão dura para Dyche e seus comandados para escapar do descenso.


Os comentários estão desativados.