Entre as várias cenas bacanas da comemoração do Ajax no Estádio Santiago Bernabéu, após a histórica goleada sobre o Real Madrid na Liga dos Campeões, uma delas envolvia dois veteranos do clube. Marc Overmars e Edwin van der Sar atualmente ocupam postos como dirigentes dos Godenzonen. Pois eles também fizeram questão de participar da festa. Desceram ao gramado e pularam junto com a torcida, diante do setor visitante. E se as câmeras flagraram a euforia dos velhos ídolos, há um momento impagável que elas não registraram. Segundo Overmars, Florentino Pérez não gostou muito do êxtase de ambos na tribuna de honra, quando os holandeses anotaram o gol que praticamente confirmou a classificação.

O atrito aconteceu durante a análise do terceiro tento pela arbitragem, diante da dúvida se a bola havia saído pela lateral ou não na construção do contra-ataque. “O momento do VAR, em especial, foi desgastante e pareceu levar horas. Então, todo o tipo de coisa passa na sua cabeça. O Real Madrid nunca havia perdido em jogos apitados por Felix Brych. ‘Será que existem forças ocultas, da qual tanto falam, que nos atrapalharão?’. Mas quando ele apontou para o meio, sabia que nada mais poderia dar errado. Edwin e eu aplaudimos, gritamos de alegria. O sentimento foi parecido com a explosão em Lyon, depois de chegarmos à final da Liga Europa”, declarou Overmars, ao Telegraaf, rindo do episódio. “O presidente não gostou muito da gente. Acho que ele tinha outro resultado em mente durante a consulta ao VAR”.

 

Overmars também falou da participação especial dele e de Van der Sar após a partida, em meio à insanidade que tomou os visitantes no Bernabéu: “O mais legal é que você, mesmo vestindo terno, sente como se tivesse jogado um pouco daquela partida. Se você conquista algo especial com o clube, pode querer comemorar isso. Acho que também como diretor. Logicamente, tudo depende dos jogadores, porque eles jogaram seu máximo”.

No dia anterior, em entrevista ao AS, o dirigente havia comparado o abismo entre os clubes: “Na Holanda, se espera que o Ajax vença todas as partidas. Na Champions, a história é diferente. A minha folha salarial é de 28 milhões de euros para o elenco principal, o segundo quadro e a base. Isso é praticamente o que Bale ganha sozinho. O Real Madrid trabalha com 630 milhões. Nunca poderemos igualar isso. Nossas chances não são muito grandes, mas nada é puramente dependente do dinheiro”. O futebol, definitivamente, encurta distâncias.