Da Arena Corinthians

Éverton Cebolinha foi um fator de união entre arquibancada e seleção brasileira na vitória do Brasil por 5 a 0 sobre o Peru, na Arena Corinthians, na terceira rodada da Copa América. Porque foi o jogador mais celebrado mesmo antes do jogo, o que deixava claro que havia esse clamor pela sua entrada. E a sua atuação destacada, sempre causando perigo à defesa adversária, com um golaço, inflamou ainda mais os torcedores. No segundo tempo, o seu nome foi gritado depois de um lance bonito logo no início. “É CEBOLINHA, É CEBOLINHA”, gritavam os torcedores no estádio. Algo que não passou batido também pelos seus companheiros de time, que também o cobriram de elogios.

Atuando pelo lado esquerdo do ataque, Éverton foi o principal nome da melhor partida da Seleção na Copa América até aqui. O resultado veio por um desempenho acima da média, diferente do que estava acontecendo até então. O Brasil dominou os dois adversários que enfrentou antes, Bolívia e Venezuela, mas tinha dificuldade de converter a posse de bola e presença no campo adversário em chances claras e em gols. Desta vez, contra o Peru, foi sempre perigoso, com muitos chutes a gol e muitos certos, em chances claras. Um dos fatores para isso foi a presença de Éverton, que joga perto de Filipe Luís.

“A forma de jogar dele é essa, ele é um cara muito agudo na hora de encarar, de ir para cima do adversário, então a única coisa que a gente pode fazer é tentar dar o suporte para ele para que ele possa estar sempre no mano a mano, que ele tente, que ele não tenha tanto desgaste na hora de marcar, mas mesmo assim ele ajuda muito. Foi um jogador fundamental, esperamos que ela possa seguir nesse crescimento que ele tem”, comentou ainda Filipe Luís.

“O Éverton, que tá pronto, é um cara que eu vejo jogando na Europa perfeitamente. Sempre escolhe a jogada certa, sempre se coloca bem. E faz a diferença dentro do campo, é um cara que abre a marcação, que encara. Então quem sai ganhando somos nós, os jogadores que jogam perto dele, todo mundo melhora”, avaliou o lateral do Atlético de Madrid.

“A função do lateral aqui é dar maior solidez defensiva na hora que a gente está com a bola, não dar contra-ataque, porque todos os times que jogam contra a gente vão jogar no contra-ataque. Tinha jogadores muitos rápidos tanto a Venezuela quanto o Peru, até mesmo a Bolívia tinha jogador rápido ali pela ponta para marcar. Então eu tenho que tentar dar esse suporte para ele na hora de atacar mais, sempre pensando em não tomar contra-ataque e guardando bem essa posição na hora que a gente está com a bola. A gente ir se complementando e sem dúvida crescer a cada jogo”, continuou Filipe Luís.

Filipe Luís também comentou a diferença de David Neres, que saiu para a entrada de Éverton Cebolinha. “São jogadores diferentes até mesmo porque o Neres é canhoto, então ele tem que usar muito mais a velocidade para ir para a linha de fundo para cruzar com a perna esquerda. O Éverton, ao ser destro, pode também cortar para o meio para chutar no gol. Então são diferentes, têm características diferentes. Os dois são excelentes jogadores, agudos, agressivos, o Neres também pode jogar pela direita. E os dois estão preparados. Os dois estão fazendo um grande trabalho e a gente precisa de gente que tenha essa ousadia para atacar e esse atrevimento para abrir as marcações”, explicou Filipe Luís, sempre com boas análises sobre os jogos.

Willian também comentou a atuação de Cebolinha. “Tá jogando muito, tá jogando demais. Acho que merece toda a exaltação. Entrou bem contra a Bolívia, fez gol, entrou bem no jogo passado também, hoje foi o melhor em campo. Então eu estou muito feliz por ele. Acho que a seleção brasileira precisa disso, um grupo forte, não só os 11 jogadores, mas os jogadores também que entram, que possam fazer sempre o melhor e fazer a diferença”, afirmou o jogador.

Último convocado, Willian é reserva do time, embora tenha entrado nos três jogos do Brasil até aqui na Copa América. Ele foi perguntado se isso o incomoda, se ele sofre em ficar no banco. “Acho que não tem nada de sofrer, estar aqui na seleção brasileira e fazer parte do grupo é um privilégio muito grande. Como costumo dizer, não são só os 11, e sim um grupo muito forte. Cada jogador pode ajudar a seleção brasileira de alguma forma. Então não tem nenhuma tristeza, nenhuma frustração, os outros meninos jogando. Torço muito, a gente que está no banco torce para que dê tudo certo. Então, no que a gente puder ajudar, no que eu puder dar um toque, um conselho, será bem-vindo”, disse Willian.

“A gente sabe que na seleção brasileira todos os jogadores têm qualidade, todos tem potencial para sair jogando. Acho que é o momento, o momento do Éverton é muito bom, realmente, mas o Richarlison e o Neres também são jogadores de muita qualidade e com certeza vão ajudar muito a seleção brasileira”, disse ainda Willian.

Tite fez questão de conversar com os jogadores sobre a mudança no time. Para a entrada de Éverton Cebolinha e Gabriel Jesus, saíram David Neres e Richarlison. “Ele conversou comigo, com o Richarlison, com os dois que entraram. Disse que queria mexer na equipe, que daria oportunidade para os dois, para que a gente entendesse também”, afirmou David Neres na zona mista.

Perguntado como ele se sentia em relação a perder um lugar no time, Neres pareceu bastante calmo. “Tranquilo, eu acho que quem está entrando é porque está bem, é porque está jogando bem. Quem jogar vai fazer o melhor para a equipe”, respondeu o jogador. Para ele, a diferença de jogar pelo Ajax e na Seleção, com instruções diferentes, é só uma questão de ajuste. “Acho que é questão de adaptação. Eu estava jogando também pelo Ajax pela esquerda, me adaptei ali. Aqui também não é diferente, é questão de adaptar ali e fazer bons jogos”, disse o brasileiro, que costumava atuar pela direita e nesta temporada 2018/19 pelo Ajax ganhou um lugar no time atuando pela ponta esquerda.

“Ele explicou, ele falou que a fase do Gabriel e do Everton estão melhores, então é respeitar, esperar chegar a oportunidade de novo e voltar preparado. Agora é continuar trabalhando durante a semana, forte, e se pintar a oportunidade de entrar vou fazer o meu melhor”, disse Richarlison sobre ter perdido um lugar no time. O jogador também disse que não tem preferência de lado para atuar e está acostumado a jogar pela direita, onde atuou nos dois primeiros jogos do Brasil. “Olha, esse ano eu joguei mais pela direita mesmo, então não tenho preferência, estou aqui para ajudar a Seleção, já falei com o professor que onde ele precisar eu estou aqui para ajudar”.

Richarlison se mostrou triste com a perda da posição, mas também gana para recuperar o lugar no time. “É triste, né? Eu queria estar jogando, mas feliz ao mesmo tempo porque meus companheiros estão dando conta do recado, estão fazendo os gols. É continuar trabalhando como eu falei. Com certeza eu vou entrar de novo e preciso estar preparado, não adianta eu ficar lamentando, se ficar lamentando é pior. É continuar trabalhando e quando a oportunidade surgir, vou fazer o meu melhor”, disse o atacante.

Gabriel Jesus, titular na ponta direita, também falou sobre o peso de Éverton em campo para ajudar a chamar a torcida para junto do time. “Muito, muito [peso]. O Everton vem fazendo por merecer, vem atuando, os jogos que ele entra a gente vê a qualidade dele e a vontade que ele tem de ajudar. É um jogador que parte para cima, e é isso que tem que ser feito. Eu fico muito feliz com a atuação dele, por tudo que ele vem vivendo, merece muito porque é um trabalhador e tem muita qualidade”, afirmou aos repórteres Gabriel Jesus.

O atacante, ex-Palmeiras, também foi perguntado se achava estranho receber carinho e apoio no estádio que é do rival do seu ex-clube. “Não, não (risos). Cara, com o Palmeiras eu vim jogar aqui uma vez só, que foi o Paulista de 2015. Entrei no segundo tempo. Não tenho o que falar sobre isso, a torcida está de parabéns, ajudou muito, apoiou, como eu sempre digo, temos que jogar nosso futebol, fazer por merecer, ganhar os jogos e assim a torcida vai com a gente”, avaliou Gabriel Jesus.

Cebolinha jogará em casa na próxima partida do Brasil. Nas quartas de final, a Seleção jogará em Porto Alegre e, mais, na Arena Grêmio, justamente seu clube. O jogo será na quinta-feira, às 21h30 (horário de Brasília) e o adversário ainda está indefinido. Depende dos resultados que virão neste domingo e segunda-feira, quando todos os classificados serão definidos. Depois do que aconteceu nestes três primeiros jogos e de ter sido o dono da partida contra o Peru, a melhor do Brasil, uma coisa é certa: Éverton Cebolinha será titular.