Impossível não lembrar da goleada de 7 a 0 do Chile sobre o México na Copa América Centenário. Embora o placar tenha sido pra lá de desequilibrado, os mexicanos não se abateram, resolveram dar mais um voto de confiança a Juan Carlos Osorio e estão se reerguendo até que bem desde que o incidente aconteceu. Os Estados Unidos, por sua vez, estão assistindo ao seu próprio calvário desde que foram golpeados pela Argentina na mesma competição. Para o treinador da seleção mexicana, no entanto, foi a derrota para El Tri em Columbus que desencadeou um baque emocional nos americanos e que, por fim, culminou na demissão de Jürgen Klinsmann do cargo de técnico.

LEIA MAIS: Klinsmann não conseguiu entregar o que se esperava dele nos Estados Unidos

“A única coisa que penso sobre a destituição de Klinsmann é que o jogo deles contra a gente era muito importante para gerar uma mensagem inicial sobre como eles iriam se sair nas Eliminatórias da Concacaf”, falou Osorio em entrevista ao site da Fifa. “O baque emocional foi muito forte para eles, e foi mostrado no marcador na partida contra a Costa Rica”, se referiu o técnico aos 4 a 0 sofridos pelos Estados Unidos em San José. Apesar da vitória basicamente no último minuto de jogo, os mexicanos parecem não ter adquirido confiança e entusiasmo o suficiente para a rodada seguinte, contra o Panamá, que terminou empatada sem gols.

Mas o reerguimento moral dos comandados de Osorio após a goleada para o Chile será mesmo colocada à prova em março, quando finalmente jogarão em solos mexicanos. Sobre o fator casa, o treinador comentou que “historicamente, o México tinha uma vantagem jogando no Estádio Azteca, mas o fato de que a maioria dos jogadores da seleção atuavam na liga mexicana deve ser levada em consideração”. Segundo disse o colombiano, “agora essa suposta vantagem já não é mais assim. Com os jogadores, em sua maioria, jogando na Europa, eles têm que considerar outras possibilidades”.

Apenas o Brasil, a Alemanha, a Itália e a Argentina têm mais aparições em Copas do Mundo do que o México. Há uma tradição a ser defendida no que diz respeito à classificação para o principal torneio de seleções do mundo, e é isso que Osorio trabalhará a partir das próximas rodadas das Eliminatórias da Concacaf. No momento, o México ocupa o segundo lugar na tabela classificatória, somando quarto pontos. Dois a menos do que a implacável Costa Rica, sua próxima adversária e oponente anterior à Trindade e Tobago.