Um grande campeonato precisa ter grandes jogos. Bom, não tivemos tantos grandes jogos assim, mas há alguns que são marcantes dentro de um campeonato. Em 2014, pelo calendário quebrado pela Copa do Mundo, os jogos que mais empolgaram foram mesmo depois do Mundial. Até porque é quando o bicho começa a pegar mesmo, quando os estádios voltam a ser liberados – e são belos estádios – e quando os jogos começam a afunilar o campeonato. Então, é normal que boa parte dos jogos mais emocionantes sejam mesmo na reta final. Começamos com o último jogo do primeiro turno e terminamos em dois jogos da última rodada, cada um destacado por um motivo. O Brasileirão, como já dissemos na abertura, está longe dos melhores campeonatos do mundo em qualidade técnica e organização – falamos da Premier League inglesa e da Bundesliga alemã, talvez as duas maiores referências em campeonatos nacionais. Mas mesmo assim tem muita coisa que vale a lembrança, seja pelo que os jogos representaram, seja pelo inusitado. Vamos aos jogos.

TEMA DA SEMANA: O Brasileirão 2014 acabou e falamos sobre o que ficou dele

Fluminense 3×3 Cruzeiro
07/09, Maracanã, 19ª rodada

Um jogo entre duas das boas equipes do campeonato. O Cruzeiro, já líder com folga, visitou um Fluminense em quinto lugar, precisando vencer para subir ao quarto lugar. Foi um jogaço. Júlio Baptista abriu o placar para o Cruzeiro, de pênalti, mas Wagner empatou para o Flu. Cícero virou o jogo, mas Júlio Baptista empatou de novo. Marcelo Moreno, em um dos golaços do campeonato, marcou, de voleio, e colocou o líder na frente de novo. O que parecia mais uma vitória do Cruzeiro fora de casa foi frustrada pelo atacante Kenedy, aos 43 minutos do segundo tempo, em um empate dramático. Foi um dos jogos que o Fluminense deu a pinta que poderia ir mais longe do que foi – terminou exatamente em quinto lugar. Faltou esse nível de atuação em mais jogos do campeonato.

Botafogo 2×3 Bahia
17/09, Maracanã, 22ª rodada

Um jogo que resume bastante o que foi o Botafogo no Campeonato Brasileiro. Emerson foi o grande protagonista: marco o primeiro gol do jogo aos 29 minutos e o Bahia empatou dois minutos depois com um gol contra de Dankler. Emerson de novo colocou o Fogão em vantagem com um gol de pênalti, aos 43. No segundo tempo, tudo escorreu por água abaixo para o alvinegro. Emerson foi expulso e saiu de campo criticando duramente a CBF e a organização – em referência à arbitragem, que ele considerou ruim. Depois, Max Biancucchi empatou o jogo para o Bahia e, aos 45 do segundo tempo, Branquinho marcou o gol da vitória. Uma derrota em casa para um concorrente direto, algo que se repetiu outras vezes e o Botafogo acabou rebaixado.

Corinthians 3×2 São Paulo
21/09, Arena Corinthians, 23ª rodada

O primeiro Corinthians x São Paulo da Arena Corinthians tinha vários ingredientes. O São Paulo na frente na classificação, ainda sonhando com o título, precisava de pontos para não deixar o Cruzeiro disparar. O Corinthians precisando de pontos para ainda sonhar com o título e ao menos pontuar para ficar na zona da Libertadores. Em um jogo movimentado, o São Paulo esteve à frente do placar duas vezes. Primeiro, Souza , marcou aos seis, completando cruzamento de Kaká. Fábio Santos empatou de pênalti, bem controverso, marcado pelo árbitro Luiz Flávio de Oliveira, com mão na bola do zagueiro Antonio Carlos. Édson Silva ainda colocou o São Paulo na frente de novo no final do primeiro tempo, novamente completamente cruzamento de Kaká. Mas o Corinthians, jogando melhor, conseguiu a virada no segundo tempo. Primeiro, o empate veio com Fábio Santos, novamente de pênalti, empatou. Depois, Paolo Guerrero, em uma boa jogada com Danilo, marcou para dar a vitória ao time de Itaquera.

Cruzeiro 2×3 Atlético Mineiro
21/09, Mineirão, 23ª rodada

O Cruzeiro era o líder isolado, 49 pontos, sete a mais que o segundo colocado São Paulo. Vinha invicto em casa, 11 jogos, 10 vitórias, um empate. Mas aí o confronto com o Atlético Mineiro, maior rival, veio. O Galo era o sétimo na ocasião, mas já se aproximava do grupo dos quatro primeiros colocados – tinha 34 pontos, três a menos que o Corinthians, quarto colocado. Mas a maior motivação, sem dúvida, era carimbar o rival. E o time de Levir Culpi não perdoou. Carlos abriu o placar aos 39 minutos e Diego Tardelli ampliou aos 41 minutos. Ricardo Goulart diminuiu aos 47 minutos do primeiro tempo aquele que já era um jogão. Na volta do intervalo, Alisson, em um golaço, empatou o clássico. Era hora do Cruzeiro partir para cima, virar o jogo e se consagrar, certo? Era, mas o Atlético venceu com um gol aos 46 minutos do segundo tempo com outro gol do menino Carlos e impôs a primeira derrota da raposa no Mineirão. Uma prévia do que viria na Copa do Brasil.

Cruzeiro 2×1 Internacional
04/10, Mineirão, 26ª rodada

O duelo era do líder contra o vice-líder, então o único time visto com capacidade para tirar o título do time azul de Minas. É, mas o Cruzeiro tratou de passar por cima do Inter em mais um jogão, se manter na liderança e mais uma vez chutar para longe a esperança dos torcedores rivais. Marcelo Moreno (na foto do post) e Marquinhos fizeram os gols da raposa ainda no primeiro tempo. Alex chegou a diminuir para o colorado, mas o placar não mudou mais. O Cruzeiro abria nova pontos de vantagem com 12 jogos pela frente. Um cenário improvável de perda de título se desenhava e, de fato aconteceu. 

Corinthians 2×2 Coritiba
01/11, Arena Corinthians, 32ª rodada

O último gol de Alex como profissional foi contra o Corinthians. Não é por acaso: o Corinthians foi uma das maiores vítimas do meia na carreira. Nesse jogo, o Coritiba conseguiu abrir 2 a 0 em um passe de Alex para Robinho abrir o placar, impedido, e depois em um chute fantástico de fora da área. Depois, o Coritiba acabou sucumbindo e tomando o empate de Bruno Henrique, já nos acréscimos, no último minuto do jogo. Quem diria que este seria o último gol de Alex com a camisa do coxa, que ajudou o time a escapar do rebaixamento. E roubou pontos importantes do Corinthians, que acabou ficando em quarto e terá que disputar a primeira fase da Libertadores. No seu último ano como profissional, Alex foi novamente craque e novamente marcou e decidiu contra o Corinthians.

Grêmio 4×1 Internacional
09/11, Arena do Grêmio, 33ª rodada

O jogo marcava um turno inteiro com Felipão no comando do tricolor. Tinha ainda a seca de vitórias gremistas. A última vitória já tinha completado dois anos, no Brasileirão de 2012. Eram nove jogos de angústia gremista, mas esse foi o dia de espantar fantasmas e fazer valer, pela primeira vez, o novo estádio contra o maior rival. Foi uma vitória categórica. Luan, Ramiro e Alan Ruiz, duas vezes, marcaram os gols do Grêmio e Rafael Moura descontou para o Colorado. Ainda teve provocação no final, com Alan Ruiz comemorando e D’Alessandro ofendido por ele ter ido até o banco do Inter. Pimenta que sempre acontece em clássicos de rivalidade acirrada.Ali, o Grêmio passava à frente na disputa pela vaga na Libertadores, só que acabaria atrás do Inter na classificação.

Grêmio 1×2 Cruzeiro
20/11, Arena do Grêmio, 35ª rodada 

Um dos melhores jogos do campeonato foi também um jogo de afirmação para o Cruzeiro. Pressionado pela distância para o São Paulo estar em quatro pontos (com os paulistas com um jogo a mais), a raposa enfrentou o Grêmio motivado em Porto Alegre. O time de Felipão lutava por uma vaga na Libertadores. Fez um primeiro tempo muito bom, amassou os mineiros no campo de defesa e poderia ter feito até mais do que um gol, como fez. O placar de 1 a 0 e a atuação dos dois times indicava uma vitória do Grêmio.  Só que o Cruzeiro é um time forte e soube se remontar no intervalo. Voltou melhor e, na casa do adversário, contou com seus dois principais jogadores para virar. Ricardo Goulart e Everton Ribeiro apareceram, marcaram os gols e deram a vitória que praticamente selou o título – não matematicamente, mas quem liga para a matemática mesmo?

Figueirense 1×2 Internacional
06/12, Orlando Scarpelli, 38ª rodada

A última rodada costuma mesmo reservas emoções fortes. O jogo valia para os dois, com o Inter buscando vaga direta na Libertadores e o Figueirense querendo uma das vagas à Sul-Americana. O gol de Pablo, no início do segundo tempo, deu ao time catarinense a vantagem, que só foi igualada aos 41 minutos do segundo tempo, em uma cabeçada forte de Rafael Moura, que se tornaria o personagem do jogo. Em um lance aos 50 minutos do segundo tempo, o improvável aconteceu: o zagueiro Paulão fez um lançamento longo para a direita, Wellington Silva dominou e marcou o gol da vitória do colorado, garantido o terceiro lugar. Mas o melhor veio no apito final. Marielson Silva terminou o jogo e Thiago Heleno peitou o árbitro e Rafael Moura, o He-Man, tratou de afastar os jogadores do Figueira e proteger o árbitro. Marielson saiu correndo para escapar da confusão, He-Man correu afastando os adversários, quebrando tackles, como se diz no futebol americano, até que a polícia chegou para protegê-lo. Uma cena tragicamente cômica.

Palmeiras 1×1 Atlético Paranaense
06/12, Allianz Parque, 38ª rodada

Uma situação dramática. O Palmeiras precisava vencer para escapar do rebaixamento. Só dependia de si. E esse era o principal problema. O time, muito fraco, parecia não ter forças. A torcida fez como em todo o campeonato: apoiou. No segundo jogo no Allianz Parque, o drama tomou conta. Unhas devoradas, tensão, um time cheio de vontade e sem muita capacidade. O gol sofrido no primeiro tempo, do zagueiro Ricardo Silva, de cabeça, e o empate de pênalti cobrado por Henrique, o primeiro gol palmeirense do novo estádio, foram todos os gols do jogo. Valvídia capengando em campo com a lesão, mas ainda fazendo a diferença. Veio o apito final, mas não a definição. Faltava esperar o fim do jogo do Vitória. Minutos de tensão, jogadores em campo esperando. Um gol do Vitória e o Allianz Parque cairia em lágrimas pelo rebaixamento alviverde. Mas veio o gol de Thiago Ribeiro, do Santos, que sacramentou o Palmeiras na primeira divisão. Quem diria: o gol mais comemorado nos dois jogos do Palmeiras no novo estádio foi um do Santos. No Barradão.

LEIA MAIS: Fora do estádio, palmeirenses celebram o patrimônio imaterial da Turiassu
LEIA MAIS: O Palmeiras sobreviveu à tarde de sofrimento, emblemática sobre aquilo que não quer reviver

E para você, que jogos foram marcantes do Brasileirão 2014? Coloque nos comentários os jogos que não entraram na lista, mas que você colocaria.