O futebol sul-africano é uma das maiores contradições do continente. Ao mesmo tempo que possui uma das ligas mais fortes da África em termos de organização, receita e competitividade (a Premier Soccer League), os clubes locais são um verdadeiro fracasso em competições continentais. Prova disso é que o maior torneio de clubes da África, a Liga dos Campeões, só foi vencido uma única vez por um sul-africano – o Orlando Pirates, em 1995. No entanto, esta realidade pode mudar. E novamente o Pirates pode ser o responsável por escrever um novo capítulo de glórias do futebol da África do Sul.

Os ‘Buccaneers’, como são conhecidos, fazem até aqui uma grande campanha na fase de grupos da LC. Em três jogos, empataram um e venceram dois. E não foram duas simples vitórias. O Pirates simplesmente esmagou os dois maiores times do Egito, tradicionalíssimos no continente: Al Ahly (3 a 0) e Zamalek (4 a 1).

Apesar do retrospecto histórico desfavorável, não há motivos para descartar o Pirates da briga pelo título. Nos últimos anos, é bem verdade, apenas dois times conseguiram se sobressair na África: Espérance e Al Ahly. No entanto, atualmente, não há como apontar nenhuma grande potência. Após perder sua base no período pós-Primavera Árabe, o Espérance caiu de produção. O Al Ahly, fragilizado pela instabilidade política no Egito e pela inatividade do futebol local, também não consegue se impor.

Na contramão da crise dessas duas equipes, o Orlando Pirates está em franca ascensão. Apesar dos seis títulos nacionais conquistados entre 2010 e 2012, os Buccaneers só parecem ter encontrado uma regularidade nos últimos meses. Prova disso é que, no período vitorioso supracitado, o clube demitiu dois treinadores e ainda teve um comandante interino.

Uma das peculiaridades desta equipe é a base 100% nacional. No último compromisso da equipe na LC, contra o Zamalek, todos os 11 titulares eram sul-africanos. O técnico também é “local”: Roger De Sá, que apesar de nascido em Moçambique, atuou pela seleção sul-africana quando jogador e mora no país desde a infância.

Aliás, sua afirmação no cargo é surpreendente. Primeiro pelo fato do presidente do clube, Irvin Khoza, não ter muita paciência com treinadores, e segundo pela preferência do mandatário por estrangeiros – prova disso é que o holandês Ruud Krol e o brasileiro Julio César Leal recentemente ocuparam o cargo de treinador da equipe. De Sá, no entanto superou as desconfianças e possui muitos méritos na montagem desta base promissora.

Em campo, o Pirates se destaca por ser um time bastante ofensivo e eficiente nos contra-ataques. O trio de ataque formado por Klate, Bacela e Myeni tem muita mobilidade e é a principal arma do time – o último, inclusive, anotou um gol e duas assistências contra o Zamalek e carrega o apelido de “Myessi”. O “caçula” do time titular, o meia Andile Jali (23 anos), é a principal pérola da equipe e atualmente integra a seleção nacional, assim como Klate, Meyiwa, Matlaba, Mdledle, Ntshumayelo e Manyisa.

Pesa contra a equipe o fato do baixo rendimento contra times que privilegiam a defesa, mas essa é uma deficiência que pode ser corrigida a curto prazo. O fato é que, na última década, nenhum time sul-africano gerou tanta expectativa de um título continental quanto o Pirates neste ano. Além de lutar pelas suas ambições, o clube também sabe que joga para, quem sabe, mudar de uma vez por todas a reputação dos times do país em torneios continentais.

Curtas

– Também pela Liga dos Campeões, o Espérance conseguiu uma importante vitória fora de casa sobre o Sewé Sport por 1 a 0. Darragi, que fez sua reestreia pelo clube, marcou o gol do jogo, porém foi o goleiro Ben Cherifia quem brilhou na partida.

– Já pela Copa das Confederações da África, a grande surpresa foi a derrota do Mazembe para o Bizertin por 1 a 0. O único time 100% na competição é o Sfaxien, treinado pelo lendário Ruud Krol (ex-Pirates), que bateu o Saint George por 3 a 1 e chegou a nove pontos em três jogos.

– No Egito, torcedores do Zamalek protestaram em frente à sede do clube pedindo a renúncia do presidente Mamdouh Abbas. Eles alegam que o empresário não está sabendo contornar a crise financeira que já motivou a saída de jogadores importantes como El-Shennawy, Mendomo, Cissé e até do técnico Jorvan Vieira. Os fãs tentaram invadir o local, mas foram contidos pelas forças de segurança.

– Principais destaques da grande campanha de Gana no último Mundial Sub-20, Ebenezer Assifuah e Clifford Aboagye transferiram-se para o futebol europeu. Assifuah, artilheiro da competição, acertou com o Sion, da Suíça, enquanto Aboagye, de apenas 18 anos e eleito Bola de Bronze do torneio, jogará pelo Granada, da Espanha.

– Vice-campeã do último Africano Sub-17, a Nigéria sofreu um duro golpe: alguns jogadores com idade adulterada foram descobertos em testes de ressonância magnética e não poderão disputar o Mundial da categoria. Infelizmente, nenhuma surpresa quando se trata de futebol africano.

– Ainda invicto, o Kabuscorp segue nadando de braçada no Campeonato Angolano. A equipe goleou o Recreativo da Caála por 4 a 1 e abriu dez pontos de vantagem para o vice-líder Primeiro de Agosto, restando nove rodadas para o final do campeonato.

– O Campeonato Nigeriano também está em sua reta final, porém com mais rodadas a serem disputadas (12) e muito mais equilíbrio. O Enyimba, que derrotou o Kaduna United por 1 a 0, lidera com 43 pontos. No entanto, para se ter uma ideia, o nivelamento entre os times é tão impressionante que apenas onze pontos separam o líder do último colocado. Surreal.