Orlando City já vendeu 40 mil ingressos para sua estreia na MLS e há motivos para isso

Com uma campanha para que o estádio na Flórida fique lotado, o time, que fará seu primeiro jogo na MLS, já vendeu boa parte dos ingressos

O Orlando City é um dos novatos para a temporada 2015 da MLS, a 20ª na história da liga. Fará sua estreia no dia 8 de março, no estádio Citrus Bowl, a casa do time nesta temporada. Isso porque o estádio próprio, que terá capacidade parra 19.500 pessoas, ainda está em construção e só ficará pronto para a temporada 2016. O estádio desta temporada é grande: são 65 mil lugares. A expectativa do clube é lotar a casa para o primeiro jogo. Um sonho para um time estreante na MLS em um país onde o futebol não é o primeiro esporte. Mas a pouco menos de um mês do jogo, 40 mil ingressos já foram vendidos e a expectativa é crescente.

VEJA TAMBÉM:
– Veja a camisa que o Orlando City, de Kaká, usará na MLS em 2015
– Time de Kaká, Orlando City fará evento para construção do estádio com escavação de terra roxa
– O Orlando City nem entrou na MLS ainda e já ensina como se trata uma torcida

O clube tem feito uma campanha nas redes sociais com a hastag #FilltheBowl (“Encha o Bowl”) para que todos os ingressos sejam vendidos no jogo de abertura da temporada. E os números empolgam os dirigentes. “Os torcedores do Orlando City responderam em grande número desde o último sábado e as metas continuam a serem alcançadas à medida que nos aproximamos da abertura de temporada histórica”, afirmou o presidente do Orlando City, Phil Rowlins, ao site do clube. “Restam três semanas e nós estamos perto de alcançar a nossa meta de encher o Bowl! Orland e toda Flórida Central abraçaram o orgulho roxo. Nós vamos mostrar ao país no dia 8 de março que nós somos a ‘capital do futebol no sul'”, continuou o dirigente.

O clube incentiva a venda de carnês para a temporada toda e também a compra de ingressos para grupos. O time sabe que precisa fidelizar o torcedor. O preço dos ingressos para este jogo de estreia, comprados individualmente, custam entre cerca de US$ 20 (cerca de R$ 57) até US$ 160 (cerca de R$ 453). Quem quiser comprar os ingressos da temporada toda, que inclui os 17 jogos em casa da fase regular, custa de US$ 466 (algo como US$ 27 por jogo) a US$ 2000 (US$ 117 por jogo).

A partida tem tudo para ser marcante por vários aspectos. Primeiro, porque é a estreia do Orlando City na MLS, a volta de um time da Flórida à liga. É também a estreia do New York City na história da liga. A equipe tem parceria com o Manchester City, que fica evidente em seu uniforme, e que já deu polêmica por conta do caso Lampard. Ou seja: serão dois times estreantes e muita expectativa sobre ambos.

Além disso, há atrações em campo. Kaká é o craque e estrela do Orlando City, vestirá a camisa 10 e deve ser inclusive o capitão do time – foi assim nos amistosos de pré-temporada. É o melhor jogador do mundo de 2007 em campo, que esteve em três Copas do Mundo e, em 2014, voltou à Seleção Brasileira atuando pelo São Paulo. É uma grande atração, ainda mais em uma região que atrai tantos brasileiros quanto Orlando.

Do outro lado, também há estrelas. Lampard ainda não estará, mas David Villa será o principal protagonista. O jogador vestirá a camisa 7, a sua preferida, e tem no currículo passagens vencedoras por Valencia, Barcelona, Atlético de Madrid e seleção da Espanha, o Guaje é a principal estrela da companhia. Tem três Copas do Mundo no currículo, com o título de 2010 na bagagem, além das Eurocopas de 2008 e 2012, com a taça da primeira na sua lista de conquistas.

Por mim, há ainda um outro aspecto. O jogo entre Orlando City e New York City é marcante também de uma nova fase da MLS, mais inclusive em termos de cidades e que definitivamente parece distante daquela ideia de inspiração em esportes americanos. A MLS parece sofrer muito mais influência do futebol global do que do estilo de esportes do próprio país, mas sem esquecer que há características americanas que precisam ser preservadas. São dois times que têm como donos estrangeiros. No caso do Orlando, o brasileiro Flavio Augusto da Silva; o NYCFC pertence ao grupo de Dubai que é também dono do Manchester City. O que isso vai significar para a liga ainda não se sabe, mas é um novo caminho. E também por isso, o estádio tem tudo para estar mesmo cheio. Certamente será algo para se olhar com atenção.