Um torcedor do Deportivo La Coruña foi morto em uma ampla briga entre ultras do clube, do Atlético de Madrid, do Rayo Vallecano e Alcorcón, em novembro do ano passado. A tragédia serviu para as instituições do futebol espanhol fecharem o cerco aos grupos de ultra. No último domingo, antes de Sevilla e Atlético no Ramón Sánchez, os torcedores do time da casa fizeram um protesto contra os responsáveis pela fatalidade: uma faixa com a mensagem “Fora do mundo ultra, assassinos”.

LEIA MAIS: Leverkusen não só venceu, mas foi bem melhor que o Atlético de Madrid

Não foi apenas uma reação à declaração do presidente da Liga Espanhola, Javier Tebas, que prometeu “acabar com os ultras”. Também há um componente político. O grupo de ultras do Sevilla responsável pela manifestação chama-se Los Biris e tem laços íntimos com os Riazor Blues, organizados do Deportivo La Coruña.

A referência claramente era à Frente Atlético, o grupo de torcida colchonero envolvido naquela brutalidade. Dentro do estádio, os Biris gritaram “assassinos, assassinos” aos fãs rivais antes da partida começar. As equipes empataram por 0 a 0.