No final de semana passado, uma notícia intrigou os torcedores do Flamengo. O volante Willians não apareceu para treinar e acabou não sendo relacionado para a partida contra o Grêmio, em Porto Alegre. Depois, mais fatos acabaram aumentando o estranhamento. No sábado, a esposa do jogador – que está grávida de oito meses – apareceu no treino recreativo antes da viagem para Porto Alegre, alegando que Willians não dava notícias desde as 18 horas do dia anterior.

Willians não jogou, o Flamengo perdeu, o técnico Vanderlei Luxemburgo ficou revoltado com a atitude do volante, afastou o jogador “em definitivo”, mas depois, pressionado pelos jogadores e pela direção, acabou a contragosto tendo que reintegrar o volante, que acabou multado em 30% do salário.

O volante – principal “ladrão” de bolas no campeonato – revelou essa semana que estava com problemas particulares há algum tempo, mas que não externou nada, e guardou tudo para si. O “sumiço” de sexta-feira foi, segundo ele, a gota d’água. Willians declarou ainda que pensou até em parar de jogar.

O caso reflete o que vem se tornando uma constante no futebol brasileiro. Alegando “problemas particulares”, Mário Fernandes, do Grêmio – que ficou também marcado por um sumiço no início da temporada – recusou a convocação para a seleção brasileira. Há alguns casos lá fora também (ou alguém acha que o comportamento de Mario Balotelli e Carlos Tevez pode ser enquadrado como “normal”?), mas aqui, a incidência tem sido cada vez maior.

A história quase sempre é a mesma, desde que o futebol é futebol. Menino pobre, com pouca ou nenhuma escolaridade, mas bom de bola, começa a se destacar, vai para um clube grande, ganha muita grana e muito prestígio em pouco tempo. Dinheiro fácil, traz amizades suspeitas, gente de todo o tipo em busca de prestígio/dinheiro. Se o garoto não tiver cabeça, ele vai surtar. Sem orientação, pode manchar sua promissora caminhada com envolvimento com drogas (como aconteceu com o atacante Jóbson), bebedeiras ou sumiços repentinos. Ou, em uma falta mais branda, vai utilizar de seu acesso às redes sociais para falar bobagens contra o próprio clube – como aconteceu recentemente com dois jogadores da base do Fluminense, que comemoraram no twitter a vitória do Flamengo no Fla-Flu do mês passado e acabaram dispensados.

Em nota oficial, o departamento de futebol do Flamengo declarou que vai colocar os psicólogos do clube acompanhando de perto Willians, para que não aconteçam novas recaídas. Esse trabalho, que nos grandes clubes, é feito desde a base, é visto como “bobagem” pela boleirada – e por alguns dirigentes mais conservadores. Mas que é cada vez mais necessário em um cenário onde os jogadores são expostos cada vez mais cedo à pressão e dispõem de cada vez mais tempo e mais ferramentas para falar e fazer bobagem. Basta olhar os perfis de muitos jogadores jovens no Twitter e no Facebook.

Um exemplo claro de como uma boa consultoria pode ajudar os jovens talentos é a do atacante Neymar. Basta olhar a mudança de comportamento dele dentro e fora do campo nesta temporada. Tem evitado as declarações polêmicas no Twitter, tem reclamado menos com os árbitros (exceção feita aos aplausos irônicos no jogo contra o Atlético Mineiro que lhe renderam uma expulsão) e está jogando cada vez mais. Canalizou o visual extravagante (para alguns) como sua marca pessoal e encarou numa boa até a paternidade precoce: não expôs nem a mãe, nem o bebê.

Ao que parece, Willians vai mesmo ser reintegrado. Se vai voltar a jogar, não se sabe. A pergunta que fica para ele – e para esses jovens que estão surtando nos clubes do país – é a seguinte: aonde eles estão com a cabeça?

Série B: reta final de arrepiar

 

Com quatro rodadas pra acabar o campeonato e a Portuguesa como virtual campeã da série B, a expectativa é para saber com quem ficam as outras três vagas para a série A em 2012. Com 57 pontos e cinco jogos por fazer, Ponte Preta praticamente assegura seu retorno com uma vitória no sábado em Campinas, contra o Americana – que com 51 pontos, também sonha com o acesso.

O Náutico é o terceiro colocado, com 56 pontos, cinco à frente do Americana, e com a situação bem encaminhada. Joga sábado contra um desesperado ASA, em Arapiraca, e tenta vencer para também se aproximar da classificação.

Briga em cima pela quarta vaga – a que parece mais aberta – e briga em baixo para fugir do último buraco para a queda para a série C. Não acredito que, a essa altura do campeonato, o Vila Nova tenha forças para arrumar 12 pontos em 15 e fugir do descenso. Salgueiro e Duque de Caxias já caíram. Se a gente considerar que o Icasa – que ocupa hoje a primeira vaga do Z4 – tem 40 pontos e cinco jogos por fazer; que o Goiás, também com cinco jogos por fazer, só tem cinco pontos a mais; e que vai haver alguns confrontos diretos nas rodadas que faltam, podemos colocar oito times fugindo dessa vaga maldita: Goiás, Paraná, Barueri, São Caetano, ABC, Asa e Icasa. Destes, só o São Caetano tem quatro jogos pra fazer – o que no sábado, pode o colocar em uma situação ainda pior na tabela.

Em cima, também separados por cinco pontos, estão Americana e Boa Esporte. Entre eles, Vitória, Criciúma, Bragantino e Sport. Assim como embaixo, muitos confrontos diretos pra definição do último promovido. Assim como na série A, o campeonato está de arrepiar nesse final.

CURTAS

Depois de uma confusão sem fim, a série C vai retomar seu andamento normal. O Luverdense foi confirmado no grupo E do campeonato e vai começar a fazer seus jogos atrasados contra CRB, Paysandu e América de Natal. Enquanto isso, o Joinville, campeão do grupo F, espera a definição para saber seu adversário na final do campeonato.

Na série D, o Santa Cruz quer coroar o ano de ouro com o título. O tricolor pernambucano espera o vencedor da outra semifinal entre Tupi de Juiz de Fora e Oeste de Itápolis, em jogos que acontecem nesta quarta-feira e no domingo, dia 6.

A Copa Rio, competição que dá ao campeão uma vaga na Copa do Brasil, e ao vice, uma vaga na série D do ano que vem, está no returno da sua segunda fase, com dois grupos de cinco clubes. Macaé, no grupo A; e Friburguense, no B, lideram. Ao final desta fase, os dois melhores de cada grupo se cruzam nas semifinais.

Torneio equivalente à Copa Rio, a Copa Paulista está nas quartas de final. Os jogos de ida acontecem nesta quarta-feira, com Audax SP (ex-Pão de Açúcar) x Paulista, Red Bull Brasil x São Bernardo, Ferroviária x Comercial e Linense x Velo Clube. Os jogos de volta acontecem no fim de semana.

As copas estaduais, aliás, foram uma maneira que as federações encontraram para manter seus clubes que não disputam nenhuma das quatro séries nacionais em atividade. Para incentivar a participação dos clubes, quase todas dão vaga na Copa do Brasil ou na série D.