O Observatório da Discriminação Racial no Futebol faz um trabalho bastante importante no Brasil, ao monitorar casos de racismo e ações afirmativas no futebol do país. As campanhas de conscientização e discussão promovidas pela entidade são frequentes, envolvendo grandes clubes e importantes personagens. E, neste momento em que o movimento antirracista se levanta em diversas partes do mundo, o Observatório usa sua visibilidade para debater também as mortes de jovens negros no Brasil.

A campanha #PoderiaSerEu ressalta que, a cada 23 minutos, um jovem negro é assassinado no Brasil. São vítimas de um racismo estrutural que acabam privadas de seu futuro – e poderiam, entre tantas possibilidades, se transformarem inclusive em ídolos das massas. Clubes como Bahia, Grêmio, Internacional, Paysandu, Santos e Vasco usaram suas redes sociais para divulgar o movimento e alguns jogadores também se envolveram diretamente.

O esporte é uma plataforma poderosa para se discutir temas mais amplos e lutar contra o racismo. Como enfatiza a mensagem transmitida pelos clubes e pelo Observatório: “Não é preciso ter caso midiático, campanha da moda ou data ‘comemorativa’ pra lutar contra o racismo”.