O nome de Jordi Masip não esconde suas origens catalãs. O goleiro nasceu em Sabadell e cresceu em meio às tradições da região. Logo conheceu a história do Barcelona e se tornou um dos garotos do clube, levado a La Masía em 2004, aos 15 anos. O jovem goleiro se candidatava ao futuro da meta blaugrana. Chegou ao Barça B em 2009 e por lá ficou durante cinco temporadas. Depois, subiria como terceira opção ao time principal, mas a aguardada escalada nunca aconteceu. Disputou míseros quatro jogos, só um deles por La Liga e preferiu não renovar o seu contrato em 2017. Se não era arqueiro para ser titular dos culés ou mesmo a segunda opção, que recomeçasse sua vida em novos ares. Escolheu o Valladolid. Conquistou o acesso à primeira divisão na temporada passada e, na atual campanha, faz boas atuações na elite. Como neste sábado, de volta ao Camp Nou. Se a vitória por 1 a 0 do Barcelona pode (mais uma vez) ser recontada pelos problemas do time de Ernesto Valverde, há também um lado orgulhoso, apesar de derrotado, em Masip. Defendeu até pênalti de Messi, na sua resposta àquilo que não se concretizou.

Por mais que o Valladolid faça uma campanha digna neste retorno à primeira divisão, o Barcelona não teve problemas ao dominar a partida desde o primeiro tempo. Ernesto Valverde optou por escalar um time misto, priorizando o confronto com o Lyon pela Liga dos Campeões. O “fominha” Lionel Messi estava em campo e comandava as ações de seu time, mas via-se travado pela organização defensiva dos violetas. Não era uma boa atuação dos blaugranas. Masip seria pouco testado, enquanto os maiores incômodos acabavam causados por Ousmane Dembélé na ponta.

Somente nos minutos anteriores ao intervalo é que a vitória começou a se desenhar. Messi assustou em um chute de fora da área, aos 40. Dois minutos depois, aconteceria o pênalti que definiu o placar. O Valladolid tinha o campo aberto em contra-ataque, mas não aproveitou. Então, Marc-André ter Stegen conectou seus homens do outro lado e Gerard Piqué acabaria sofrendo a falta dentro da área. Na cobrança, o camisa 10 superou Masip. De qualquer maneira, era pouco ao que os anfitriões podiam.

O jogo ficou mais aberto durante o segundo tempo. O Valladolid começou a responder, arriscando-se no ataque. E por mais que os espaços aumentassem ao Barcelona, Masip se consagrava. Logo nos primeiros minutos, faria um milagre num arremate de Messi em seu contrapé. Kevin-Prince Boateng também não se criou enquanto estava em campo e saiu aos 15 minutos, dando lugar a Luis Suárez. Só que o Pistoleiro não ajudaria muito, barrado por Masip logo na primeira chance. Os minutos iam passando e o Barça tentava fazer o segundo, para liquidar a partida. Perdia muitas oportunidades. A mais importante aconteceu aos 39, em novo pênalti. Messi bateu no mesmo canto e Masip pegou, segurando ainda a tentativa do artilheiro no rebote. E seria este o ritmo até o fim, entre um time pecando pela imprecisão (sobretudo Suárez) e um goleiro cumprindo seu trabalho.

Independentemente do resultado, a vitória é suficiente para manter a vantagem do Barcelona na liderança. O time chega aos 54 pontos, sete a mais que o Atlético de Madrid e com o Real Madrid podendo chegar a seis de distância neste domingo, quando recebe o Girona. Já o Valladolid é o 15°, três pontos acima da zona de rebaixamento. Apesar das dificuldades, os violetas possuem a segunda melhor defesa entre as equipes na metade inferior da tabela. E, aos 30 anos, Masip vê sua carreira tomar novos rumos. Se o Barça atravancou seu espaço, o Camp Nou concede o reconhecimento de outra maneira. Não seria páreo a Ter Stegen e Cillessen, mas tem qualidade para jogar durante algum tempo na primeira divisão.