O Valencia atravessou um início de temporada cheio de dúvidas. As interrogações recaíam sobre o trabalho de Marcelino García Toral e o nível do elenco, que não conseguiu manter a toada vista no ano anterior. Porém, foi apenas uma tempestade passageira. Os Ches recuperaram a forma no momento certo e chegam à reta final das campanhas voando. Melhor que isso, com três grandes objetivos pela frente: estão na decisão da Copa do Rei, na semifinal da Liga Europa e ainda brigam por um lugar no G-4 do Espanhol. Neste domingo, reafirmaram suas condições vencendo um jogo difícil. Dentro do Benito Villamarín, os valencianos derrotaram o Betis por 2 a 1. E com o auxílio de um talento que se redime: Gonçalo Guedes, novamente responsável pela ascensão da equipe.

De certa maneira, o baixo rendimento do Valencia no primeiro semestre passava por Gonçalo. O português teve um desempenho excelente na temporada anterior, mas dava sinais de declínio. De volta ao Mestalla após a Copa do Mundo, passou a impressão de que não era jogador para tantas expectativas, com números muito pobres. De setembro a fevereiro, atrapalhado também por algumas lesões, não marcou um gol sequer e registrou apenas uma assistência. Aos poucos, deu sinais de sua recuperação. E este abril de 2019 parece melhor do que qualquer outro mês de sua temporada 2017/18. Anotou seis gols e deu duas assistências em seis partidas. O único jogo que o time não venceu foi justamente o único em que ele não foi titular.

Gonçalo já havia destroçado o Villarreal nas semifinais da Liga Europa, além de marcar gols decisivos contra o Real Madrid e no clássico contra o Levante. Já neste domingo, balançou as redes duas vezes contra o Betis. Ambos os gols demonstram o seu alto nível de confiança. No primeiro tempo, encarou a marcação e acertou um chute rasante, rumo às redes. No segundo, pegou na veia outra vez, aproveitando uma sobra na entrada da área. Giovanni Lo Celso até descontou aos beticos, cobrando pênalti. Mas o astro da noite era mesmo o lusitano.

O Valencia comemora a rodada favorável. Assumiu a quinta colocação, com 52 pontos. Deve brigar pela quarta vaga na Liga dos Campeões com Getafe (54) e Sevilla (52). Além de possuir um conjunto melhor que os seus oponentes, também vislumbra uma tabela relativamente tranquila, exceção feita à visita ao Atlético de Madrid na próxima rodada. Problema mesmo será conciliar a exigência e o desgaste das três competições simultâneas. Nada que os Ches reclamem, de qualquer forma. Não poderiam desejar outro final de temporada.