Hernán Crespo não foi muito bem na sua primeira experiência como técnico principal, depois de trabalhar na base do Parma. Foi rebaixado com o Modena para a terceira divisão na temporada 2015/16 e ainda não assumiu um novo projeto para testar o que aprendeu com tantos grandes treinadores na sua longa carreira. Em entrevista ao Omnisport, contou quais deles o influenciaram mais e projetou o protótipo do técnico perfeito: a mistura entre Carlo Ancelotti, José Mourinho e Marcelo Bielsa.

LEIA MAIS: Dérbi de Milão bem cedinho no sábado é apenas o começo de um recheado fim de semana

“Todos os treinadores ensinam alguma coisa, boa ou ruim, e você precisa filtrar o que gosta e o que não gosta para criar sua própria ideia de futebol”, disse. “O treinador em quem eu mais penso é Ancelotti, pelo relacionamento humano. Foi quebrado um mito quando joguei com ele porque provou que a ideia de que treinadores e jogadores não podem ter uma relação pessoal é falsa. Você pode e ainda ser bem sucedido”.

“Mourinho era o melhor em motivação, desafios e métodos de treinamento. Ele era fantástico. E também Bielsa, pela sua capacidade de melhorar individualmente os jogadores e tirar o melhor de cada um. Se você combinar o melhor de cada um desses treinadores, você alcançaria a perfeição”.

Ex-jogador de Internazionale e Milan, Crespo acredita que os nerazzurri são favoritos para o dérbi do próximo domingo. “Penso desde que o começo da temporada que a Inter tem um time melhor que o do Milan. Desde a chegada de Stefano Piole, você vê isso refletido em campo também. Tudo pode acontecer em 90 minutos, mas a Inter é um time melhor”, disse.

O atacante lembrou um pouco do clima do Derby della Madonnina, bem mais ameno do que outros que ele conhece. “Ao contrário de clássicos como Roma x Lazio, River x Boca, Argentina x Brasil, quando o placar final afeta sua vida privada, o resultado do dérbi de Milão não afeta a sua vida no dia seguinte”, explicou. “Você ainda consegue levar seus filhos para a escola, consegue ir ao supermercado, pode até ouvir algumas piadas dos torcedores, mas nunca cruzam a linha como em outras cidades. Milão permite que você aproveite o futebol e o dérbi é o máximo, mas, quando o jogo acaba, você pode ficar feliz que venceu ou triste que perdeu, mas acaba ali”.