Em clássico entre dois times passando por períodos delicados, a vitória de qualquer lado poderia ampliar a crise do outro. O São Paulo, no entanto, se impôs sobre o Corinthians de maneira categórica. Goleou os rivais por 4 a 0, para delírio dos 53,7 mil torcedores no Morumbi. Um show de Christian Cueva. O peruano demonstrou mais uma vez que é o grande talento no setor ofensivo dos tricolores e participou de todos os gols, abrindo o placar e dando assistências para os outros três. Resultado que ajuda os são-paulinos a respirarem ainda mais na luta contra o rebaixamento. Já são nove pontos de vantagem para o Z-4.

O Corinthians pode até reclamar (com razão) do pênalti que resultou no primeiro gol, aos 11 minutos. Entretanto, diante do domínio do São Paulo, sobretudo no segundo tempo, é difícil imaginar que a vitória não ficasse com os tricolores. Os alvinegros criaram poucas oportunidades de gol e sua linha de zaga sofreu com as bolas em velocidade. A deixa para que Cueva brilhasse.

Autor do gol em Itaquera no primeiro turno, o peruano repetiu a comemoração. Abriu o placar cobrando o pênalti com cavadinha e botou as mãos na orelha. Desta vez, ao invés dos xingamentos, ouviu os gritos de alegria dos são-paulinos. Os corintianos tentavam marcar o camisa 13 na base da força, mas ele entortou os adversários algumas vezes com seus dribles. Já no segundo tempo, completou a tripleta de assistências, pela qualidade tanto nos passes quanto para puxar os contragolpes. Serviu David Neres, Chávez e Luiz Araújo, que deram números à goleada, diante dos enormes espaços concedidos pelos alvinegros.

O São Paulo apresenta sérios problemas ofensivos neste Campeonato Brasileiro. Antes do início da rodada, o Tricolor contava com o terceiro pior ataque da competição, à frente apenas de América Mineiro e Figueirense. Neste panorama, Cueva se torna praticamente um oásis na linha de frente são-paulina. Alia qualidade técnica, visão de jogo e muita energia. Não à toa, o clube costuma sentir sua falta quando vai defender a seleção peruana. Se houver um plano de reformulação do elenco para a próxima temporada, o camisa 13 é um claro ponto de partida, para servir de referência.

O Corinthians, por outro lado, expõe as suas fraquezas da maneira mais dolorosa e chega à terceira rodada consecutiva sem vitória. Para sua sorte, a fase da maioria dos concorrentes pelo G-6 também não é tão boa, mas a situação pode se complicar até segunda-feira. A distância para a zona de classificação à Libertadores é pequena. Bem maior é a distância para contar com uma equipe competitiva rumo ao torneio continental.