Antes que o Campeonato Espanhol começasse, o Granada era visto como um dos principais candidatos ao rebaixamento. Os andaluzes haviam conquistado o acesso na temporada passada e não transmitiam muita confiança, mesmo depois de um mercado de transferências movimentado. No entanto, em uma edição de La Liga com surpresas positivas, ninguém supera os rojiblancos. A equipe soma 20 pontos após dez rodadas – mesmo patamar do Leicester na Premier League, por exemplo. E, com o adiamento do Barcelona x Real Madrid deste final de semana, a equipe aproveitou a ocasião para tomar a primeira colocação.

A campanha do Granada já tinha se dimensionado quando o clube venceu o Barcelona por 2 a 0 no Estádio Nuevo Los Cármenes e dormiu na liderança, apesar de perdê-la ao término da rodada. No entanto, o mais importante é a regularidade dos rojiblancos contra os adversários de meio de tabela. A equipe sofreu apenas duas derrotas até o momento, contra Sevilla e Real Madrid. Enquanto isso, coleciona vitórias contra oponentes como Espanyol, Celta, Leganés e Osasuna. Desta vez, o triunfo veio sobre o Betis – que, de maneira inversa, faz um início de campanha surpreendentemente negativo e aparece na zona de rebaixamento, ocupando o 17° lugar.

A vitória do Granada por 1 a 0 no Estádio Nuevo Los Cármenes se confirmou aos 16 do segundo tempo. O lance exemplifica bem a pressão exercida pelos rojiblancos na saída de bola. A equipe apertou o Betis, até recuperar a posse no campo de ataque. Carlos Fernández foi o grande responsável pela jogada, antes de rolar para Álvaro Vadillo bater no canto e correr para o abraço. É um time que produz bem ofensivamente neste começo de caminhada, embora sua virtude desde o acesso seja a solidez defensiva.

Entre os destaques do Granada, estão algumas figurinhas carimbadas. Roberto Soldado retornou à Espanha, após dois anos com o Fenerbahçe, e comanda a linha de frente. Darwin Machís é outra peça importante no setor ofensivo, enquanto Maxime Gonalons e Adrián Ramos estão entre opções menos usadas. O motor da equipe é o volante Yangel Herrera, de 21 anos, que pertence ao Manchester City. O venezuelano já tinha feito boas aparições com o Huesca no último ano e agora foi emprestado aos andaluzes. Além dele, o goleiro Rui Silva e o zagueiro Domingos Duarte também ascendem no elenco, assim como o ponta Antonio Puertas.

Já o treinador do Granada é um novo rosto: Diego Martínez, de 38 anos. O técnico abandonou cedo a carreira nos gramados e assumiu a prancheta quando tinha 24 anos. Trabalhou por mais de sete anos na base e na comissão técnica do Sevilla, até chegar ao comando do Osasuna em 2017/18. Já na temporada passada, virou aposta do Granada e conduz desde o início a ascensão dos rojiblancos. Neste período, possui um respeitável aproveitamento de 61% dos pontos.

Segundo dados do Mister Chip, esta é apenas a terceira vez que um time recém-promovido chega à liderança do Campeonato Espanhol a partir da décima rodada. O mesmo havia acontecido com o Pontevedra em 1965/66 e com o Rayo Vallecano em 1999/00. Além disso, é apenas a segunda vez em sua história que o Granada termina uma rodada liderança da Liga. Na primeira, permaneceu por lá somente na quinta jornada de 1973/74, quando acabou na sexta colocação – sua melhor campanha na primeira divisão.

A liderança é circunstancial, claro. O Granada seria ultrapassado por Barcelona ou Real Madrid, em caso de vitória no clássico, e só permaneceria no topo com um empate, dada a vantagem no confronto direto sobre os catalães. Ainda assim, o momento representa bastante ao pequeno clube. Mesmo que o objetivo principal seja assegurar a permanência na primeira divisão, sonhar com a classificação inédita às copas europeias não parece loucura. Depois de investimentos que não deram certo na chegada de Jiang Lizhang, chinês que comprou o clube em 2016, os rojiblancos precisaram ser rebaixados para se reerguer. Agora, abaixo do radar, veem seus planos acontecerem antes que o esperado. É ver até quando aguentarão.

Classificações Sofascore Resultados