Universitario e Alianza Lima permanecem como os maiores vencedores do Campeonato Peruano. Porém, o Sporting Cristal aproveita a década para diminuir a diferença em relação aos vizinhos de Lima. Os Cerveceros ergueram a taça quatro vezes desde 2012, contra uma conquista aliancista e uma crema. Hegemonia confirmada neste domingo, quando os celestes comemoraram o desfecho de uma campanha dominante no Campeonato Descentralizado. O Sporting Cristal foi campeão em dois dos três turnos da liga, assim como liderou a pontuação geral com sobras. Ainda assim, precisou encarar o Alianza na final dos playoffs, e nem isso foi capaz de ameaçar sua supremacia. Depois da vitória por 4 a 1 na ida, o clube consumou o feito com os 3 a 0 aplicados no Estádio Nacional.

O Sporting Cristal simplesmente estraçalhou nas duas primeiras etapas do Campeonato Peruano. Em maio, conquistou o chamado Torneio de Verão, sobrando em seu grupo e superando o Sport Huancayo na final. Já no Apertura, realizado de maio a agosto, terminou com cinco pontos de vantagem sobre o Alianza, segundo colocado. Os feitos já o garantiam nos playoffs, e a quinta colocação no Clausura não atrapalhou tanto assim. Ao final das três fases do Descentralizado, os celestes somaram 91 pontos – 12 a mais que o segundo melhor, o Melgar, e 17 a mais que o terceiro, o Alianza. De qualquer forma, os dois perseguidores poderiam desafiar os Cerveceros no pouco meritocrático sistema de disputa do Peruanão.

Nas semifinais dos playoffs, o Alianza Lima superou o Melgar nos pênaltis e, além de se confirmar na fase de grupos da Libertadores 2019, encararia o Sporting Cristal na finalíssima do Campeonato Peruano. Todavia, os celestes fizeram questão de atropelar os aliancistas. Dentro do Estádio de Matute, casa dos adversários, os Cerveceros enfiaram 4 a 1 no primeiro duelo. Marcos López, Renzo Revoredo, Gabriel Costa e Fernando Pacheco marcaram os gols. E se havia alguma esperança aos potrillos, elas terminaram destruídas neste domingo, no Estádio Nacional. Em apenas 27 minutos, o Sporting Cristal abriu dois tentos de vantagem, com Jorge Cazulo e Gabriel Costa. No segundo tempo, Emanuel Herrera fechou a contagem em 3 a 0 e concretizou a conquista.

À frente do Sporting Cristal está o técnico chileno Mario Salas, que recentemente fez um bom trabalho na Universidad Católica bicampeã nacional. Entre as figuras de seu time, alguns jogadores que ganharam convocações recentes à seleção peruana, como o goleiro Patrício Álvarez e o meia Horacio Calcaterra. O interminável Carlos Lobatón é outro medalhão com seu protagonismo. De qualquer maneira, o poder de decisão se concentrou em dois estrangeiros: o meia uruguaio Gabriel Costa e o atacante argentino Emanuel Herrera. Juntos, anotaram 66 dos 113 gols do time na longa caminhada. Herrera (que em sua rodada carreira soma passagens por Chacarita, Unión Española, Montpellier, Tigres e Emelec, entre outros clubes) quebrou o recorde histórico do Campeonato Peruano. Foram impressionantes 42 tentos em 40 partidas.

Ao todo, o Sporting Cristal chega a 19 títulos do Campeonato Peruano, a sete de alcançar o Universitario como maior vencedor da liga local. Parece um objetivo factível a médio prazo, considerando os sucessos recentes dos celestes. O problema será honrar suas condições como campeão nacional na Libertadores. Desde 2013 que os representantes peruanos não avançam às oitavas de final do torneio continental, enquanto o jejum dos Cerveceros se amplia desde 2004. São nove aparições desde então, caindo nas preliminares ou na fase de grupos. O futebol do Peru pode atravessar um momento relevante por sua seleção ou mesmo por alguns de seus destaques individuais. Falta seus clubes também acompanharem esta ascensão. Por sua dominância local, o Sporting Cristal é quem tem as credenciais.