Estádios lotados, uma torcida apaixonada e muita tradição estão de volta à elite do Campeonato Brasileiro após tempo demais afastados. O Santa Cruz que sofreu três rebaixamentos seguidos se reconstruiu. Com os pés no chão e um trabalho sólido, conseguiu deixar a quarta divisão e chegar à primeira em apenas cinco anos. Neste sábado, confirmou o acesso com uma vitória por 3 a 0 sobre o Mogi Mirim.

LEIA MAIS: Grafite voltou ao Santa Cruz e fez feliz o maior público do ano na Série B

Os últimos dez anos foram uma montanha-russa para o torcedor coral. Caiu da elite do Brasileirão com a pior campanha, em 2006, foi 18° colocado da Série B no ano seguinte, e apenas o 29° da C, o que não lhe garantiu vaga na terceira divisão. Foi eliminado precocemente nas suas duas primeiras participações na quarta divisão, mas conseguiu subir, enfim, em 2011, como vice-campeão.

Depois de um sexto lugar, conquistou o título da Série C e o consequente acesso, em 2013. Fez campanha mediana na segunda divisão na temporada seguinte, mas, na atual, não teve jeito: com 64 pontos, garantiu uma vaga entre os quatro primeiros, já que o Bragantino, quinto colocado, ficou nos 60, a uma rodada do final do campeonato.

Mas não foi fácil. O Santa Cruz venceu apenas um jogo nas primeiras sete rodadas, o que causou a demissão do técnico Ricardinho. Arrancou com Marcelo Martelotte, mas continuava oscilando, ganhando em casa e perdendo fora dela. Guardou fôlego para o sprint final: levou os três pontos nas últimas cinco partidas, contando essa contra o Mogi Mirim. “É uma conquista enorme, a maior da minha carreira”, disse Martelotte. “Fomos acreditando cada vez mais, o grupo foi respondendo de maneira positiva. Essas cinco vitórias foram fundamentais”.

O Santa Cruz de Martelotte, que teve o retorno de Grafite este ano, chegou à penúltima rodada precisando apenas vencer o Mogi, em Itu, para selar o acesso. Após um primeiro tempo sem gols, a vitória foi construída rapidinho: Daniel Costa abriu o placar de pênalti, aos 10 da etapa final, e Bruno Moraes ampliou, aos 13. Bileu aproveitou um contra-ataque para fazer 3 a 0 e fechar o caixão. “Estou doido. É muita emoção. Era um peso de nove anos. Começamos mal, mas não perdemos o norte”, arrematou o presidente Alírio Moraes.

O clube pernambucano tem a quinta melhor média de público da Série B e é o responsável pelo estádio mais lotado, com 43 mil pessoas contra o Botafogo. Conquistou quatro dos últimos cinco Campeonatos Pernambucanos e tem tradição de sobra para fazer bonito ano que vem. O Santa Cruz é uma excelente aquisição para o Campeonato Brasileiro.