Por Paulo Junior e Leandro Iamin

Rivaldo Vitor Borba Ferreira completou 45 anos em 19 de abril e o Meu Time de Botão visita dois momentos da carreira do craque – importantes, mas não protagonistas de uma vida de grande sucesso no futebol.

LEIA TAMBÉM: Nos 45 anos de Rivaldo, um vídeo com todos os seus gols pela seleção brasileira

Primeiro, o programa passou pelos tempos de Corinthians. Contratado por empréstimo junto ao Mogi Mirim depois do Campeonato Paulista de 1993, Rivaldo foi muito bem no Brasileiro daquele ano, sendo inclusive eleito para a seleção Bola de Prata num ataque com Edmundo e Alex Alves, ainda que o alvinegro paulista tenha parado no quadrangular semifinal. As atuações o levaram para a seleção brasileira, onde estreou em dezembro de 1993 – com gol. No Paulista de 1994, não foi tão bem quanto no ano anterior, e a contratação definitiva por parte do Corinthians não saiu: foi, então, parar no milionário Palmeiras.

(Breve parênteses: já foram gravados programas sobre o Palmeiras de 1996, com entrevista com o goleiro Velloso; sobre o Mogi Mirim do Carrossel Caipira, conversando com Vadão; e sobre a seleção da Nigéria que venceu o Brasil na Olimpíada de Atlanta em 1996 – todos os podcasts passando por importantes momentos da carreira de Rivaldo você encontra na nossa lista clicando aqui).

Pelo recorte proposto, pulamos para La Coruña e a chegada de Rivaldo depois do frustrante bronze nos Jogos Olímpicos de Atlanta em 1996. E ele arrebentou. Foram 21 gols na primeira Liga Espanhola da carreira, eleito o terceiro melhor jogador da temporada atrás de Ronaldo, 34 gols, e Roberto Carlos, se firmando como craque no Real Madrid. Mas com a saída de Ronaldinho para a Internazionale, o Barcelona se mexeu e levou Rivaldo, encerrando a carreira do brasileiro no Deportivo.

Um programa recheado de boas histórias – Copa Bandeirantes, transferências polêmicas, Lei Bosman, etc – e que passa por alguns dos grandes jogos de Rivaldo, ainda que raramente sejam os mais lembrados. Jogos que forjaram a importância do craque no futebol brasileiro (campeoníssimo depois no Palmeiras) e espanhol (melhor do mundo pelo Barcelona). No meio disso, duas Copas do Mundo, um título e um vice, num nível absurdo. Senhoras e senhores, Rivaldo. Vem com a gente!