A 31ª vaga na Copa do Mundo da Rússia em 2018 foi definida. Mile Jedinak foi o grande nome da vitória da Austrália por 3 a 1 sobre Honduras, marcando os três gols do time. Chamado carinhosamente de Jedi pelos torcedores, o volante, de 33 anos, não é de marcar muitos gols. Mesmo assim, ajudou a Austrália a vencer e se tornar a 31ª seleção classificada ao Mundial, em um confronto que foi melhor nos dois jogos.

LEIA TAMBÉM: Eriksen teve uma atuação para a história e a Dinamarca demoliu a Irlanda, se confirmando na Copa

A última vez que Jedinak marcou um gol foi em 15 de novembro, também pela Austrália. Aliás, marcou duas vezes naquela vez, contra a Tailândia, no empate por 2 a 2. Um resultado, aliás, que complicou a vida dos australianos na campanha e acabou empurrando o time à repescagem – primeiro a asiática, depois a intercontinental. Antes disso, tinha marcado também contra o Japão, no dia 11 de outubro, no empate por 1 a 1. Pelo Aston Villa, nesta temporada, fez só três jogos e não marcou gols. Na temporada passada, 2016/17, fez 35 jogos e nenhum gol.

Com um estádio repleto, com 77.060 pessoas no ANZ Stadium, a Austrália fez valer ter jogado melhor na soma dos dois confrontos. O 0 a 0 do jogo de ida fez com que os australianos tivessem que vencer na volta para ir à Rússia. Nestor Pitana foi escolhido como árbitro da partida e foi um grande acerto da Fifa. Honduras e Austrália são times muito físicos e, como esperado, o jogo foi repleto de faltas duras desde o início.

Jogando em casa e sabendo que precisa marcar um gol para ir à Copa, a Austrália teve a iniciativa do jogo. Ficou no ataque quase o primeiro tempo inteiro, mas sem criar chances de gol. Sendo generoso, só uma chance de gol na primeira etapa. Tim Cahill saiu da área e fez boa jogada para Behich, que cruzou rasteiro e Rogic finalizou, mas foi fraco. Escober defendeu sem problemas.

No início do segundo tempo, aos oito minutos, a Austrália conseguiu abrir o placar. Rogic arrancou no meio-campo e foi derrubado com falta por Acosta. Jedinak cobrou, a bola desviou em Figueroa e matou o goleiro Escober. Austrália 1 a 0 e a garantia que o jogo não iria para a prorrogação. A decisão seria nos 90 minutos.

Com o gol, Honduras teve que sair para o jogo. Aos 13 minutos, porém, a Austrália quase conseguiu ampliar. Em um cruzamento da intermediária, Tim Cahill usou a sua excepcional habilidade pelo alto para cabecear com perigo, a bola bateu no travessão e continuou em campo, mas o árbitro marcou falta do atacante australiano na sequência. O técnico australiano, Ange Postecoglou, tirou o veterano Tim Cahill, de 37 anos, e colocou Tomi Juric. Herói da classificação contra a Síria, o atual jogador do Melbourne City tentava chegar à sua quarta Copa do Mundo.

Aos 27 minutos, a Austrália conseguiu o segundo gol em uma bobeira dos hondurenhos. Bryan Acosta cortou um cruzamento com a mão e Nestor Pitana marcou o pênalti. Jedinak cobrou bem e marcou 2 a 0. Pouco depois do gol, a Austrália mudou mais uma vez. Tirou Tom Rogic para colocar o atacante Robbie Cruse.

A Austrália chegaria ao terceiro gol aos 40 minutos. Robbie Kruse recebeu livre e, dentro da área, foi derrubado por Palacios. Pênalti marcado. Mais uma vez Jedinak foi para a cobrança, bateu no outro canto e marcou: 3 a 0 para os australianos. A essa altura do jogo, o placar já definia a classificação da Austrália.

Honduras ainda conseguiu diminuir, aos 48 minutos. Alberth Elis, de 21 anos, aproveitou cobrança de escanteio, depois da saída errada do goleiro Matt Ryan. O gol foi só para não deixar um zero no placar, porque já era tarde demais para qualquer reação. Elis foi o melhor hondurenho em campo, entrando para causar um impacto positivo no time, ainda que tardiamente.

A Austrália sofreu mais do que devia, tendo que passar por duas repescagens para chegar à Copa. Depois que mudou de confederação, deixando a OFC, da Oceania, para se filiar à AFC, da Ásia, os australianos sempre tinham conseguido vagas diretas à Copa. Desta vez, venceram um duelo duro com a Síria, na prorrogação, e passaram por Honduras enfrentando uma viagem longa e cansativa.

Será a quinta Copa do Mundo da Austrália, a quarta consecutiva. Depois de estrear nos Mundiais em 1974, quando não passou da fase de grupos, a Austrália só voltaria à Copa em 2006, quando foi até as oitavas de final – e seria derrotada pela Itália, que se consagraria campeã. Jogou também em 2010 e 2014, mas sempre caiu na fase de grupos. Na Rússia, a Austrália tentará repetir a boa campanha de 2006.

Honduras, por sua vez, fica fora da Copa depois de duas participações consecutivas. Em 2010 e 2014, o time chegou à competição, mas desta vez ficou pelo caminho depois de ficar atrás do Panamá, embora à frente dos Estados Unidos, que nem para a repescagem foram.


Os comentários estão desativados.