Em um início de temporada no qual as perdas foram muito maiores do que os ganhos no futebol brasileiro, Jonathan Calleri surgiu como uma das contratações mais interessantes. O atacante de 22 anos está apenas de passagem pelo São Paulo. Mas, por aquilo que já demonstrou com a camisa do Boca Juniors, se indicava como um ótimo acréscimo. E precisou de poucos minutos para justificar as expectativas. O Tricolor não conquistou o resultado sonhado na visita à Universidad César Vallejo, no Peru. Ainda assim, o argentino garantiu o empate por 1 a 1 para os paulistas, evitando um cenário mais ameaçador para o jogo de volta da primeira fase da Copa Libertadores.

O São Paulo jogou pela vitória em sua estreia na competição continental. Mesmo sendo os visitantes, os tricolores tiveram boa iniciativa. Pararam na trave, por duas vezes – e, no caso de Alan Kardec, também no erro da arbitragem, que não viu a bola ultrapassar a linha no gol legítimo do atacante. Contudo, a resposta dos peruanos foi a mais dura possível. Alejandro Hohberg acertou um chute espetacular de fora da área, no ângulo de Denis, para anotar um golaço. Esfriou os são-paulinos e escancarou o nervosismo da equipe, que dava algumas brechas na defesa. Enquanto isso, o César Vallejo se empenhava na marcação, conseguindo neutralizar as investidas tricolores pelo lado esquerdo, com Michel Bastos e Mena.

O panorama do jogo só mudou para o São Paulo no segundo tempo. E a entrada de Calleri serviu bastante nesse sentido. O argentino exagerou na força logo de cara, recebendo um cartão amarelo. Mas não era afobação, e sim vontade. A partir do lançamento de Ganso, bem no jogo, o atacante demonstrou grande frieza para encobrir o goleiro Libman e buscar o empate aos 21 minutos do segundo tempo. Pode não ter sido tão efetivo no restante do tempo, mas contribuiu para a intensidade ofensiva do Tricolor. Em meio ao bombardeio na reta final do jogo, o César Vallejo deu sorte em não sair derrotado.

Se o empate não dá maiores garantias ao São Paulo, ao menos não traz uma pressão exagerada para o reencontro no Pacaembu. O time de Edgardo Bauza pode até empatar sem gols que avança à fase de grupos. Porém, sem o susto do tropeço que se desenhou no primeiro tempo em Trujillo, os são-paulinos já demonstraram a sua superioridade diante do adversário. Em teoria, vencer em casa não deve ser tanto problema assim – ainda que a equipe não deva perder a concentração, diante dos erros de finalização e de cobertura que poderiam ter custado mais caro nesta quarta.

Calleri, por sua vez, ainda tem um longo caminho pela frente. Mas o primeiro passo não poderia ser melhor. O atacante começou contribuindo com sua qualidade técnica e a sua mobilidade, e também demonstrando que gana não será problema, apesar do curto contrato com os tricolores. Versátil, tende a ser uma peça bastante útil na montagem do ataque. E com a estrela de quem já estreou fazendo gol em plena Libertadores.