Durante uma quinta-feira em que os olhares no mercado de transferências se voltavam à Europa, o San Lorenzo anunciou seus principais reforços para o Campeonato Argentino 2019/20. Dois de uma só vez. E com seus motivos: os cuervos trataram de reunir os irmãos Romero. Enquanto Ángel Romero deixou o Corinthians com sua dose de atrito, após recusar a renovação salarial dos alvinegros, Óscar Romero passou os últimos meses na China, sem muito sucesso com o Shanghai Shenhua. O acordo em conjunto, sem custos aos azulgranas, garantiu o contrato dos gêmeos até 2022.

Eliminado nas oitavas de final da Copa Libertadores e somando dois empates nas duas primeiras rodadas do Campeonato Argentino, o San Lorenzo ganha potencial. Treinado por Juan Antonio Pizzi, o Ciclón se mexeu bastante na atual janela de transferências e acrescentou outros jogadores prontos para a equipe titular. Santiago Vergini veio a custo zero do Bursaspor para reforçar a zaga, enquanto o ponta Ezequiel Cerutti retornou ao seu país após uma estadia no Al-Hilal. Também na frente, o empréstimo do jovem atacante Adam Bareiro junto ao Monterrey foi um ótimo negócio. E o paraguaio agora ganha a companhia dos compatriotas.

O mais interessante é o encaixe que Pizzi poderá oferecer à linha de frente com as novas possibilidades, levando em conta ainda as opções de medalhões como Fernando Belluschi e Nicolás Blandi. Óscar Romero ocupa diferentes funções no meio-campo e possui qualidade para organizar a equipe, como fez em seu auge com a camisa do Racing. Enquanto isso, Ángel Romero garante o espírito esforçado que a torcida corintiana conhece tão bem, mesmo que não possua a qualidade técnica do irmão. Em sua primeira coletiva, porém, deixou claro que prefere jogar centralizado no ataque, e não aberto como ponta. De qualquer forma, ambos podem ajudar os cuervos a ganharem impulso.

O San Lorenzo fez uma temporada bem fraca em 2018/19, longe de brigar pela vaga na Copa Libertadores de 2020. Apostou em Jorge Almirón e o antigo comandante do Lanús não deu certo no Nuevo Gasómetro. Pizzi foi a primeira resposta de um clube que tenta se reconstruir, assim como as muitas contratações indicam o desejo de renovação. Além do mais, o Ciclón aproveita a empolgação de sua torcida diante do momento histórico que se vive no clube, com o confirmado retorno ao bairro de Boedo e a espera pela reconstrução do estádio no terreno onde os azulgranas atuaram durante a maior parte de sua história. Fazer uma boa campanha é também responder a este embalo.

Pessoalmente, Óscar e Ángel poderão desfrutar de uma parceria que já compartilharam em outros momentos da carreira. Os gêmeos começaram no Cerro Porteño e se profissionalizaram no clube. Ángel foi o primeiro a sair, contratado pelo Corinthians em 2014, enquanto Óscar seguiu ao Racing no ano seguinte. Além disso, os Romero dividiram o gramado em nove partidas pela seleção principal do Paraguai, em situação que não acontece desde junho de 2018. O reencontro foi motivo de óbvia animação para ambos durante a apresentação.

“Nossa ideia era jogar juntos em um time grande da Argentina e o San Lorenzo nos deu a oportunidade. Gostamos do desafio. Sabemos a que clube viemos. A recepção foi incrível, nunca tinha vivido algo assim. Fiquei surpreso e agradecido, assim como Óscar. No Brasil, eu sentia o carinho das pessoas e sabia que estava bem posicionado no Corinthians, foi por isso que fiquei por tanto tempo”, pontuou Ángel. Ao que Óscar complementou: “Chegamos com muita vontade, todos os nossos companheiros nos receberam muito bem e temos muitas expectativas. Nosso sonho era jogar juntos. Gostamos muito do futebol argentino, onde te exigem muito e você precisa estar 100%”. É ver se a satisfação da reunião poderá ajudar os gêmeos a renderem mais pelo San Lorenzo.