A Liga Europa serve para muitos clubes tradicionais reviverem um pouco de sua história. Não apenas sentirem o gosto de disputar uma competição continental, mas também de relembrarem capítulos memoráveis. E o Rapid Viena aproveitou a ocasião nesta quinta-feira, antes do empate por 0 a 0 com o Villarreal. Durante a entrada dos times, a torcida austríaca ergueu um mosaico belíssimo. Criou um bandeirão em formato de jornal para recontar o dia em que eliminaram o Real Madrid na Copa dos Campeões, feito que completará 50 anos nas próximas semanas.

Não era a primeira vez que o Rapid Viena desafiara o Real Madrid na Champions. Em 1956/57, os dois times chegaram a fazer três jogos nas oitavas de final. Os merengues venceram no Bernabéu por 4 a 2, mas os vienenses deram o troco no Praterstadion com o triunfo por 3 a 1  – graças a uma tripleta do idolatrado Ernest Happel. Contudo, em tempos nos quais os gols fora não valiam como critério de desempate, os espanhóis se deram melhor no jogo-extra, triunfando com os 2 a 0 no placar. O reencontro aconteceu 12 anos depois, em 1968/69. A digna revanche dos austríacos.

Diante de 44,8 mil no Praterstadion, o Rapid Viena voltou a derrotar o Real Madrid. Günter Kaltenbrunner anotou o gol que determinou o triunfo por 1 a 0 na Áustria. Já no Bernabéu, os merengues reagiram. Botaram pressão e ganharam por 2 a 1, com Pirri e Manuel Velázquez balançando as redes. Todavia, os gols fora já faziam parte do regulamento naquela edição. O tento de Johnny Bjerregaard valeu a classificação aos vienenses. O time chegaria até as quartas de final, eliminado pelo Manchester United, campeão no ano anterior. E se os bons pensamentos não valeram a vitória nesta quinta, o Rapid ao menos segue no páreo em busca da classificação aos mata-matas.