O último fim de semana marcou o início do torneio Apertura da Liga MX. Muitos gols, duelos emocionantes, campeão ainda sem estrear e partidas equilibradas. No já tradicional guia da Trivela, confira a segunda parte da lista organizada por ordem alfabética (a primeira você encontra aqui), com seis clubes, incluindo o atual tricampeão continental Monterrey, o ameaçado Puebla e o renovado Querétaro, autor de uma grande virada de mesa que manteve o clube na elite.

Vagas continentais do Apertura 2013

1º colocado na fase de classificação: fase de grupos da Copa Libertadores 2014*
2º colocado na fase de classificação: fase de grupos da Copa Libertadores 2014*
3º colocado na fase de classificação: fase preliminar da Copa Libertadores 2014*
Campeão da Liguilla: fase de grupos da Liga dos Campeões da Concacaf 2014/15
Vice-campeão da Liguilla: fase preliminar da Liga dos Campeões da Concacaf 2014/15
Último colocado (média das últimas três temporadas, incluindo Clausura 2014): rebaixado

* Tijuana, Toluca, América e Cruz Azul, irão disputar a Concacaf Champions League 2013/14, não podendo obter vaga na Libertadores de 2014.

León

Nome: Club León F.C.
Fundação: 20/ago/1944
Site oficial: www.clubleon-fc.com
Estádio: León “Nou Camp” (33.943 torcedores)
Cidade: León (1.436.480 habitantes)
Técnico: Gustavo Matosas-URU
Colocação no Clausura 2013: 15º lugar (16 pontos, 17 jogos, 3 vitórias, 7 empates, 7 derrotas, 14 gols marcados e 18 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Matías Britos-URU (A)
Fique de olho: Iván Piñeda (D)
Principais reforços: Fernando Navarro (D, Pachuca), Elías Hernández (M, Tigres UANL), Franco Arizala-COL (A, Jaguares) e Mauro Boselli-ARG (A, Wigan-ING)
Provável time-base: Christian Martínez (William Yarbrough), Jonny Magallón, Ignacio González, Rafael Márquez e Edwin Hernández; Juan Vázquez (Fernando Navarro), Elías Hernández, Hernán Darío Burbano (Eisner Loboa) e Luis Montes (Carlos Peña); Matías Britos e Franco Arizala (Mauro Boselli);
Expectativa: vaga na Liguilla

A queda brusca de desempenho entre Apertura e Clausura na última temporada deixou apreensivos torcedores e dirigentes dos Panzas Verdes, mas não alterou os planos em Guanajuato. O técnico uruguaio Gustavo Matosas segue para sua terceira temporada no comando do clube, gerenciando um elenco que sofreu poucas alterações e sobre o qual mantém controle e amplo conhecimento das peças. O experiente zagueiro Rafa Márquez assumiu as rédeas da equipe dentro de campo e parece pronto a liderar o elenco.

Grande aposta do Clausura, Nery Castillo foi embora sem deixar saudades, assim como o colombiano Arrechea. Apostando em nomes mais certeiros ou de reconhecido bom desempenho em campos aztecas, os Esmeraldas trouxeram o atacante cafetero Arizala e o argentino Boselli, artilheiro e campeão da Libertadores 2009 com o Estudiantes. Problemas administrativos impediram que o León cedesse por empréstimo do ídolo uruguaio Sebastián Maz, que ficará seis meses de fora, decisão que causou alguma turbulência, mas nada que pareça afetar as chances da Fiera reencontrar o caminho da Liguilla e voltar ao bom futebol do Apertura 2012.

Monterrey

Nome do clube: Club de Fútbol Monterrey
Fundação: 28/jun/1945
Site oficial: www.rayados.com
Estádio: Tecnológico (38.622 torcedores)
Cidade: Monterrey (1.135.512 habitantes)
Técnico: Víctor Manuel Vucetich
Colocação no Clausura 2013: 9º lugar (23 pontos, 17 jogos, 7 vitórias, 2 empates, 8 derrotas, 22 gols marcados e 22 gols sofridos) – Eliminado nas semifinais pelo América
Competição continental: nenhuma
Destaque: Humberto Suazo (A)
Fique de olho: Alonso Hernández (A)
Principais reforços: Efraín Juárez (D, América), Lucas Silva-BRA (M, Toluca) e Dorlan Pabón-COL (A, Bétis-ESP)
Provável time-base: Jonathan Orozco, Ricardo Osorio (Severo Meza), Hiram Mier, Leobardo López, José María Basanta e Dárvin Chávez; Lucas Silva, César Delgado e Neri Cardozo; Aldo Dorlan Pabón e Humberto Suazo;
Expectativa: título

Um elenco de qualidade, poucas alterações e o Monterrey continua firme e forte como candidato ao título nacional, algo que se tornou comum nos últimos anos. Soberano em terras continentais nas últimas três temporadas e com excelente desempenho nos torneios nacionais, a impossibilidade de defender o tricampeonato da Concachampions deve motivar os comandados de Vucetich a entrar com tudo em busca da taça da Liga MX. É bem verdade que as saídas de Aoyví e Reyna podem ser sentidas, já que ambos tornaram-se peças-chaves do elenco que dominou o futebol azteca de 2009 para cá.

Mas é preciso ressaltar que os nomes para compensar as perdas também foram precisos e escolhidos a dedo: do Toluca, veio o brasileiro Lucas Silva, ex-Botafogo, que se consolidou como um meia-atacante de qualidade no país azteca. Do futebol espanhol veio o colombiano Pabón, ex-artilheiro do Nacional (COL) e com boa passagem pelo Bétis (ESP). E Vucetich ainda aposta na recuperação de Efraín Juárez, repatriado pelo América, mas que pouco atuou na capital mexicana. Nomes que têm tudo para manter os Rayados no topo da Liga MX.

Morelia

Nome do clube: Monarcas del Atlético Morelia S. A. de C. V.
Fundação: 21/nov/1924
Site oficial: www.fuerzamonarca.com
Estádio: Morelos (41.056 torcedores)
Cidade: Morelia (729.279 habitantes)
Técnico: Carlos Bustos-ARG
Colocação no Clausura 2013: 4º lugar (30 pontos, 17 jogos, 8 vitórias, 6 empates, 3 derrotas, 24 gols marcados e 18 gols sofridos) – Eliminado nas quartas de final pelo Cruz Azul
Competição continental: nenhuma
Destaque: Héctor Mancilla-CHI (A)
Fique de olho: Juan José Govea-EQU (A)
Principais reforços: Armando Zamorano (M, Jaguares), Edgar Andrade (M, Jaguares), Jorge Zárate (M, Jaguares), Ever Guzmán (A, Neza), Santiago Tréllez-COL (A, San Luis) e Juan José Govea-EQU (A, El Nacional-EQU)
Provável time-base: Federico Villar, Marvin Cabrera, Enrique Pérez, Joel Huiqui e Carlos Morales; Edgar Andrade (José María Cárdenas), Christian Valdez, Aldo Leão Ramírez e Jefferson Montero; Santiago Tréllez e Héctor Mancilla;
Expectativa: vaga na Liguilla

Uma regularidade que não se traduz em conquistas. Os purépechas sabem que simplesmente liderar a tabela de pontuação das últimas três temporadas e obter a vaga nos playoffs com relativa tranquilidade não é suficiente para uma torcida que ambiciona mais do que simplesmente uma taça nacional em toda sua história. A facilidade que encontra para se sobrepor aos rivais na fase regular não é a mesma vista nos momentos decisivos no Morelos. O clube encontra dificuldades até mesmo para alcançar a final e brigar pela taça diretamente.

O elenco encontrado pelo argentino Carlos Bustos, campeão da Liga de Ascenso com o extinto Neza na última temporada, é entrosado, mas carente de grandes opções. Para compensar a perda do bom extremo Joao Rojas para o Cruz Azul, a Monarquía apostou no também equatoriano Juan Govea, ex-El Nacional (EQU). O clube ainda trouxe o colombiano Tréllez para fazer dupla de ataque com o artilheiro chileno Mancilla. E ainda conta com o criativo meia Montero para municiá-los. Um time entrosado e promissor, mas que necessita urgentemente de um título para consolidar-se como grande na Liga MX.

Pachuca

Nome do clube: Pachuca Club de Fútbol 
Fundação: 28/Nov/1901
Site oficial: www.tuzos.com.mx
Estádio: Hidalgo (30.000 torcedores)
Cidade: Pachuca de Soto (256.584 habitantes)
Técnico: 
Gabriel Caballero
Colocação no Clausura 2013: 11º lugar (20 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 2 empates, 9 derrotas, 18 gols marcados e 25 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Abraham Darío Carreño (A)
Fique de olho: Rodolfo Pizarro (M)
Principais reforços: Óscar Pérez (G, San Luis), Efraín Cortés-COL (D, Nacional-URU), Jorge Iván Estrada (D, Santos), Luis Morales (M, Chivas Guadalajara), Walter Ayoví-EQU (M, Monterrey), Othoniel Arce (A, León), Duvier Riascos-COL (A, Tijuana) e Jürgen Damm (A, Estudiantes Tecos)
Provável time-base: Óscar Pérez (Rodolfo Cota), Juan Carlos Rojas, Daniel Arreola, Efraín Cortés e Jorge Iván Estrada ; Jorge Hernández, Rodolfo Pizarro, Walter Ayoví e Daniel Ludueña; Fernando Cavenaghi (Christian Suárez) e Duvier Riascos;
Expectativa: vaga na Liguilla

A tentativa de reeditar o “Dream Team” da década passada se foi. Tamudo, Calderón, Medina, Nery Castillo, todos reforços trazidos junto com o novo projeto arquitetado pelo técnico Hugo Sánchez, disseram adeus antes mesmo do último Clausura. O experiente zagueiro paraguaio Paulo da Silva, único a vingar e atuar com alguma constância, foi para o Toluca nessa janela de transferências e colocou um ponto final em qualquer resquício do projeto. E agora a ordem em Hidalgo é planejamento.

O veteraníssimo goleiro Óscar Pérez já estava fechado com os Tuzos antes mesmo do fim do Clausura. Vieram também o bom lateral Iván Estrada, ex-Santos, e o meia equatoriano Ayoví, um dos pilares do Monterrey que dominou o cenário continental nos últimos três anos. Para formar dupla com o argentino Cavenaghi, o Pachuca contratou o oportunista e goleador colombiano Riascos, ídolo do Tijuana. Com uma base já formada e bons reforços, a expectativa em Hidalgo é brigar por vaga na Liguilla. Título e retomada do domínio nacional ainda são sonhos distantes, que dirigentes e torcedores aprenderam a cultivar com reticências após o fracasso do último projeto.

Puebla

Nome do clube: Club de Fútbol Puebla 
Fundação: 07/mai/1944
Site oficial: www.pueblafutbolclub.com.mx
Estádio: Cuauhtémoc (48.000 torcedores)
Cidade: Puebla de Zaragoza (1.434.062 habitantes)
Técnico: Manuel Lapuente
Colocação no Clausura 2013: 12º (19 pontos, 17 jogos, 5 vitórias, 4 empates, 8 derrotas, 20 gols marcados e 27 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Félix Borja (A)
Fique de olho: Pablo González (M)
Principais reforços: Armando Navarrete (G, Necaxa), Jorge Villalpando (G, Atlante), Óscar Rojas (D, Pachuca), Nicolás Ruvalcaba (D, Lobos BUAP), Ignacio Torres (M, Mérida), Leandro Augusto (M, Tijuana) e Alfredo Moreno (A, Tijuana)
Provável time-base: Armando Navarrete, Jaime Durán, Nicolás Ruvalcaba, Michael Orozco e Jonathan Lacerda; Diego de Buen, Luis Miguel Noriega, Alberto Medina, DaMarcus Beasley e Matías Alustiza; Félix Borja;
Expectativa: fugir do rebaixamento

Ameaçados pelo descenso, os Camoteros decidiram, como de praxe nos últimos anos, atuar com força no mercado de transferências. As vendas, contratações e, principalmente, empréstimos, deixam uma certeza: entrosamento será artigo raro em Puebla no início do Apertura. Menos mal que as saídas não tiraram do clube suas três principais referências no Clausura: o norte-americano DaMarcus Beasley, o argentino Alustiza e o artilheiro equatoriano Félix Borja.

O problema é que o setor defensivo da Franja foi completamente remodelado, a começar pelos arqueiros. Hernández e Álvarez, que se revezaram no gol franjeado na última temporada, deram lugar aos experientes Navarrete e Villalpando. O Puebla ainda apostou em inúmeros destaques de clubes menores e da Liga de Ascenso, trazendo também o veterano atacante Alfredo Moreno para fazer sombra à Borja. Inúmeras apostas e poucas certezas que parecem deixar o clube na briga contra a queda por mais uma temporada.

Querétaro

Nome do clube: Querétaro Fútbol Club
Fundação: 08/jul/1950
Site oficial: www.clubqueretaro.com
Estádio: La Corregidora (45.575 torcedores)
Cidade: Santiago de Querétaro (626.495 habitantes)
Técnico: Ignacio Ambriz
Colocação no Clausura 2013: 8º (24 pontos, 17 jogos, 6 vitórias, 6 empates, 5 derrotas, 18 gols marcados e 20 gols sofridos)
Competição continental: nenhuma
Destaque: Oswaldo Henríquez (D)
Fique de olho: Amaury Escoto (A)
Principais reforços: Édgar Hernández (G, Jaguares), George Corral (D, América), Yasser Corona (D, San Luis), Luis Ernesto Pérez (M, Chivas Guadalajara), Gerardo Espinoza (M, Jaguares), Pablo Gabas-ARG (M, Alajuelense), Leandro Gracián-ARG (M, Cobreloa-CHI) e Esteban Paredes-CHI (A, Atlante)
Provável time-base: Édgar Hernández (Liborio Sánchez), Luiz Apodi, Onay Pineda, Dionicio Escalante e Christian Pérez; Luis Ernesto Pérez, Gerardo Espinoza, Pablo Gabas e Julio Nava; Wilberto Cosme e Esteban Paredes;
Expectativa: vaga na Liguilla

Artificialmente salvo do descenso e jogado para longe da briga contra a queda na nova temporada após a compra da franquia do extinto Jaguares, os Gallos Blancos não somam muitos motivos para comemorar no início do Apertura. As extensas movimentações geradas pela virada de mesa garantiram não só a manutenção do clube na elite, mas também muitas alterações em um elenco entrosado que havia feito campanha digna no Clausura, obtendo, inclusive, vaga na Liguilla (ainda que a consumação da queda impedisse o clube de jogar os playoffs).

Com uma base miscigenada entre antigos destaques dos Albiazules e dos Jaguares, o treinador Ignacio Ambriz terá como desafio dar corpo e entrosamento ao novo elenco. Para auxiliá-lo, os pesos do empresário Amado Yañez trouxeram a experiência de Luis Pérez, Leandro Gracián, Pablo Gabas e Esteban Paredes, artilheiro e destaque do Atlante na última temporada. Não é muito, mas pode ser o necessário para fortalecer um elenco jovem e pouco competitivo, que precisará somar pontos para justificar todas as manobras de bastidores que mantiveram o clube na elite da Liga MX.

Curtas

– Seleção do site Mediotiempo da 1ª rodada do Apertura: Yosgart Gutiérrez (Atlante), Rogelio Chávez (Cruz Azul), Luis Perea (Crua Azul), Miguel Herrera (Monterrey) e Luis Venegas (Atlante); Mauricio Castañeda (León), Ángel Reyna (Veracruz), Jefferson Montero (Morelia) e Cándido Ramírez (Pumas UNAM); Matías Vuoso (Atlas) e Darío Benedetto (Tijuana); T: Omar Asad (Atlas);

– Foi sofrido, mas com um gol de Raúl Jiménez aos 40 da segunda etapa o México garantiu a passagem para as semifinais da Copa Ouro, vencendo Trinidad & Tobago pelo placar mínimo em Atlanta (EUA). Na quarta, a Tricolor azteca enfrenta o Panamá em busca de sua quarta final consecutiva na competição;

– O fraco desempenho da seleção azteca começa a aumentar o coro a favor da convocação do meia-atacante argentino Christian Giménez para a Tricolor. “El Chaco”, como é conhecido no país, atua desde 2004 no México, passando por Atlante, América, Pachuca e atualmente no Cruz Azul; 

Costa Rica

– Os Ticos deram adeus ao sonho de conquistar sua primeira Copa Ouro após derrota para Honduras, com tento solitário de Andy Najar. Após a decepção, La Sele agora volta suas atenções para as Eliminatórias, onde enfrenta os norte-americanos no início de setembro; 

El Salvador

– Superar os donos da casa seria um desafio, mas a sonora goleada (5×1) sofrida pela Selecta no último fim de semana pode cobrar seu preço em breve. Muitos especulam que o peruano Agustín Castillo não continua no comando da seleção salvadorenha e a campanha pífia na Copa Ouro serve pouco para argumentar contra sua saída; 

Honduras

– A vitória sobre os costarriquenhos mantiveram o bom desempenho dos Catrachos na Copa Ouro, onde alcançam sua terceira semifinal consecutiva. O desafio agora é igualar a campanha da edição inaugural nos Estados Unidos, em 1991, quando a Bicolor disputou a decisão e só foi superada nos pênaltis pelos donos da casa; 

Panamá

– Com um verdadeiro massacre sobre os cubanos (6×1), os Canaleros garantiram vaga na semifinal, onde desafiarão um irregular, mas ainda favorito, México, e começa a tomar forma o sonho do inédito título da competição. Ainda invicto, o grupo comandado por Julio Dely Valdés sonha reeditar a final de 2005, quando o próprio técnico fez parte do time superado pelos norte-americanos donos da casa nos pênaltis.