O que as caras novas fizeram para merecer uma chance na Seleção? Nós contamos

Sem jogadores que atuam no Brasil, Douglas Costa, Roberto Firmino, Luiz Adriano e Casemiro foram convocados

Dunga vinha convocando jogadores que atuam no Brasil e de repente não pode mais. Pela primeira vez em muito tempo, a seleção brasileira é representada apenas por “estrangeiros”, jogadores de clubes de outros países. Isso abre as portas do time nacional para atletas que nunca antes haviam sido chamados e os questionamentos são inevitáveis. Roberto Firmino? Casemiro? Sério? Esse Luiz Adriano é qual mesmo? Como que o Douglas Costa foi convocado?

LEIA MAIS: Estes são os convocados de Dunga para os jogos com Turquia e Áustria

Tentando responder a essas perguntas, vamos contar o que esses quatro jogadores fizeram nesta e na última temporada para convencerem Dunga a chamá-los e, para falar a verdade, nenhuma dessas convocações realmente é um absurdo.

Douglas Costa

Douglas Costa chegou ao Shakhtar Donetsk em 2010 e é um jogador que aparece regularmente no time titular. Já tem 180 partidas vestido de preto e laranja e 35 gols. Na última temporada, começou jogando todas as seis partidas do clube na fase de grupos da Liga dos Campeões e 25 das 30 do Ucraniano, participando de 19 gols. Chegou a ser especulado no Manchester United e no Paris Saint-Germain, ainda mais quando os conflitos políticos começaram na Ucrânia. Seu rendimento caiu depois das férias e ele chegou a ir para o banco de reservas, depois do clássico contra o Dynamo Kiev. Entrou no intervalo contra o Volyn Lutsk e fez um gol e deu uma assistência na goleada por 6 a 2. Quatro dias depois, marcou outro no Bate Borisov e a sua ótima semana terminou com uma convocação para a seleção brasileira.

Roberto Firmino
Roberto Firmino, do Hoffenheim (Foto: AP)
Roberto Firmino, do Hoffenheim (Foto: AP)

Foi em 2010 que Roberto Firmino chamou a atenção pela primeira vez, com uma ótima participação na campanha do vice-campeonato da Série B pelo Figueirense. Foi contratado pelo Hoffenheim e, depois de um início lento, explodiu de vez na última temporada. Como meia, próximo ao atacante, foi o quarto artilheiro do Campeonato Alemão com 16 gols (Lewandowski, líder do quesito, fez 20) e ainda deu 12 assistências, apenas uma a menos que Marco Reus. Participou diretamente de 28 dos 72 gols que a equipe marcou (aproximadamente 39%) e chamou a atenção de grandes clubes europeus, como Arsenal e Internazionale de Milão. Para garantir, o Hoffenheim renovou o contrato dele até 2017, provavelmente com um bom aumento de salário. Ele retribuiu continuando a boa forma, e já fez um gol e deu três assistências em quatro partidas da Bundesliga.

Luiz Adriano
Luiz Adriano, do Shakhtar Donetsk (Foto: AP)
Luiz Adriano, do Shakhtar Donetsk (Foto: AP)

A convocação de Luiz Adriano até que demorou para acontecer, principalmente por causa da escassez de centroavantes brasileiros. Desde 2007, ele vem fazendo vários gols pelo Shakhtar Donetsk, tanto que esta semana se tornou o maior artilheiro da história do clube, com 117 em 246 jogos. Ainda tem 27 anos e pode virar uma opção para a próxima Copa do Mundo. Também foi uma convocação preventiva porque chegou a cogitar defender a seleção ucraniana – e a última coisa que a CBF deseja é outro caso Diego Costa.

Na última temporada, Luiz Adriano fez 20 gols em 25 partidas do Campeonato Ucraniano, que terminou com o Shakhtar pentacampeão nacional e com ele artilheiro do torneio. Na atual, marcou 10 vezes em 14 partidas no geral, número inflado pelos cinco tentos que anotou contra o Bate Borisov, pela Liga dos Campeões, que lhe valeram a quebra de vários recordes. Com isso e a convocação, não seria uma surpresa começar a aparecer na lista de desejados pelos clubes dos principais centros futebolísticos do mundo.

Casemiro
Casemiro, do Porto
Casemiro, do Porto

A convocação de Casemiro já é um pouco mais difícil de entender. Ele passou a última temporada no banco de reservas do Real Madrid, até que entrou em um bom número de partidas, mas foi titular em apenas quatro partidas, duas pela Copa do Rei. Sem espaço, foi emprestado ao Porto e convenceu o técnico Julen Lopetegui que deveria ser titular. Começou jogando em oito das 12 partidas que a equipe realizou na temporada (perdeu duas por lesão) na posição mais defensiva do meio-campo. Isso está causando alguns problemas ao brasileiro, que está sendo criticado por dar entradas um pouco mais fortes excessivamente. No português claro, bater demais. Até natural para quem costumava atuar um pouco mais avançado.

No último final de semana, o Porto enfrentou o Sporting, e Casemiro foi mal. Foi displiscente em um passe que resultou no segundo gol da derrota por 3 a 1 e teve até os seus piores lances compilados em um vídeo por um torcedor particularmente corneteiro:

Você também pode se interessar por: 

>>>> O Brasil ganhou da Argentina, mas Dunga mostrou que ainda não sabe vencer

>>>> A Seleção tomou sova na Copa, mas agora é dona do cinturão de campeã do mundo

>>>> Mais do que a vencer, o pragmatismo ajudou o Brasil a jogar bem e a recobrar seu moral