O Atlético Tucumán possui uma tradição ampla, especialmente pela paixão que representa no interior da Argentina. No entanto, o Decano nunca foi um clube de grandes façanhas e apenas nos últimos anos que se afirma no cenário continental. A estreia na Copa Libertadores aconteceu justamente em 2017, quando sua epopeia na fase preliminar se tornou notória, especialmente pelas insanidades vividas contra El Nacional. Chegar à fase de grupos e ser repescado à Copa Sul-Americana, ao final, saiu de bom tamanho aos albicelestes. Ainda assim, o crescimento dos tucumanos é paulatino. Nesta quinta, eles conquistaram mais. O empate heroico contra o Libertad, segurando o 0 a 0 em Assunção com um a menos durante 50 minutos e recorrendo à estreia de seu quarto goleiro, valeu a classificação inédita aos mata-matas.

O Tucumán não começou bem a atual campanha. Perdeu em casa na estreia contra o Libertad e também na visita ao Peñarol. A partir de então, os albicelestes emendaram uma série de ótimas vitórias, a começar pela histórica em La Paz, onde os clubes argentinos não ganhavam uma partida oficial desde março de 1970. Assim, o triunfo por 2 a 1 sobre o Strongest se fez mais valioso, e os tucumanos repetiram a dose no reencontro com os bolivianos em casa. Já na quinta rodada, confronto direto com o Peñarol. A vitória simples por 1 a 0, graças a um golaço de Leandro Díaz, deixava o Decano três pontos à frente dos uruguaios e dependendo apenas de si para a classificação.

A situação era favorável. Por mais que visitasse o líder Libertad, o Atlético Tucumán encarava um adversário já classificado e com a primeira colocação praticamente garantida. Um empate bastaria a ambos. Porém, ele não veio de maneira tão fácil. O primeiro tempo seguia arrastado, em meio à insistência dos paraguaios, até que o lance capital aconteceu aos 37 minutos. Antonio Bareiro ia saindo de frente para o gol e, fora da área, o goleiro Alejandro Sánchez cometeu uma falta para vermelho direto.

Como se não bastasse a desvantagem numérica, o Atlético Tucumán precisaria confiar em um novato em sua meta. O goleiro reserva e o terceiro goleiro se lesionaram recentemente. Assim, quem estava no banco era o quarto goleiro: Franco Pizzicanella, um garoto de 21 anos que até meses atrás atuava nas ligas amadoras da província e, justo em uma noite de Libertadores, estreava profissional. O rapaz tomou um susto logo no primeiro lance, em cobrança de falta que estalou sua trave. Na etapa complementar, todavia, ele se tornaria herói. Os tucumanos se seguravam com todas as suas forças. Por mais que não precisasse da vitória, o Libertad incomodava, especialmente nos cruzamentos. Pizzicanella, apesar de algumas vacilações, aguentou firme. A igualdade já valeu a comemoração aos visitantes. Baita volta por cima do arqueiro que, em dezembro de 2016, apareceu nas manchetes por sofrer uma agressão enquanto defendia a meta decana na final da Liga Tucumana.

Com o empate, o Libertad garantiu a liderança com 13 pontos. O Atlético Tucumán chegou a dez, suficiente para a segunda colocação. Pior para o Peñarol, que se frustrou mesmo com a vitória por 2 a 0 sobre o Strongest em Montevidéu. Cristian Palacios e Cebolla Rodríguez definiram aos carboneros logo na primeira etapa, em resultado que pouco serviu. Esta é a quinta edição consecutiva da Libertadores em que os aurinegros caem antes dos mata-matas. Não chegam desde 2011, quando foram finalistas. Terão que se contentar com a Copa Sul-Americana – o que, curiosamente, não conseguiram em 2017 justamente por terminarem a chave abaixo do Tucumán.

Um detalhe bacana na classificação do Atlético Tucumán esteve nas arquibancadas. Os argentinos até pareciam locais no Estádio Nicolás Leoz, enchendo um setor inteiro, enquanto outros três estavam praticamente vazios. A localização de San Miguel de Tucumán no norte da Argentina ajuda a explicar a presença massiva, em viagem de carro que dura cerca de 15 horas. Ainda assim, o esforço representa bastante a paixão que envolve os albicelestes, donos de um dos estádios mais efervescentes do continente. Agora, um caldeirão de mata-matas de Libertadores.