O Campeonato Inglês 2007/8 continua surpreendendo positivamente. Numa rodada que ficou ‘espremida’ entre compromissos das seleções e a abertura da Liga dos Campeões, Liverpool e Chelsea não conseguiram sair do 0 a 0 contra Portsmouth e Blackburn, respectivamente. Resultado: Arsenal líder isolado, mesmo com um jogo disputado a menos.

Ainda é cedo para avaliar se essa vantagem dos Gunners é sustentável ou passageira. Mas esta boa fase é suficiente para mostrar uma mudança de patamar da equipe. Se no início da temporada parecia que o Arsenal apenas brigaria pelo quarto lugar (ou seja, a última vaga na Liga dos Campeões), agora o time já tem que ser candidato ao título.

Essa condição foi estabelecida de maneira mais enfática ainda pela vitória no último fim de semana. Afinal de contas, o Arsenal ganhou fora de casa, por 3 a 1, do arqui-rival Tottenham – supostamente o time mais qualificado para tirar dos Gunners a vaga na Liga dos Campeões. Embora os Spurs indiscutivelmente estejam jogando muito aquém das expectativas, essa merecida vitória fora de casa (o placar mais justo seria 5 a 2), num clássico, serve para ratificar as pretensões da equipe.

Afinal de contas, se Chelsea e Liverpool descansaram jogadores em seus tropeços, o Arsenal também tinha problemas: a zaga estava tão desfalcada que Gilberto Silva, mesmo cansado, teve que ser improvisado atrás. No ataque, Eduardo da Silva foi poupado. Mesmo assim, os Gunners dominaram o jogo e, embora tenham ficado atrás no placar até a metade do segundo tempo, foram inegavelmente superiores.

Apenas quatro vitórias e um empate foram suficientes para mudar o patamar do Arsenal por um motivo: provam que Thierry Henry não faz tanta falta assim. Aliás, parece ser até melhor não contar com o francês do que tê-lo fora de sua melhor forma, como aconteceu na temporada passada. Em entrevista à Trivela, Gilberto Silva fez uma avaliação interessante sobre o assunto: “Com o Henry, os jogadores às vezes ficavam esperando que ele resolvesse as partidas. Agora, o time sabe que isso é responsabilidade de todos”.

Neste começo de temporada, dois jogadores têm se destacado. Um é Adebayor, que jogou particularmente bem contra o Tottenham, marcando dois gols – um deles, uma maravilha. O outro é Cesc Fabregas, que já merece ser apontado entre os melhores em atividade na Inglaterra (e, se continuar evoluindo, muito em breve será um dos melhores da Europa). Some-se a eles uma base que vem se mostrando bastante sólida – a única posição problemática é o gol –, e o Arsenal tem um ótimo time. Além disso, ajudou muito o fato de Wenger ter acertado sua renovação por mais três anos. Se os Gunners terão força psicológica e um elenco grande o bastante para manter o ritmo até o fim da temporada, é outra história.

Na sexta rodada, mais dois fatos valem menção. O primeiro é a péssima fase do Tottenham. O time até que não jogou tão mal, e Berbatov perdeu uma chance incrível de matar o jogo, quando os Spurs lideravam por 1 a 0. Além disso, deve-se lembrar que a equipe não derrota o Arsenal há 19 jogos, desde 1999. Mas essa foi a típica exibição de um time em crise. Martin Jol fica cada vez mais desmoralizado no comando e, em 17º lugar, precisa criar um ‘fato novo’ imediatamente para não perder o emprego.

Também se deve notar que, depois de um começo ruim, o Manchester United venceu três partidas seguidas – aliás, todas por 1 a 0. Com isso, os Red Devils já entraram no ‘top 4’ – à frente do Chelsea no saldo de gols. Mesmo não jogando bem, o time de Alex Ferguson vai conseguindo se manter próximo ao pelotão de frente, para, provavelmente, deslanchar na segunda metade da temporada.

CURTAS

– Surpresa no jogo atrasado de segunda-feira: o Derby ganhou sua primeira partida no campeonato, por 1 a 0, e acabou com a invencibilidade do Newcastle.

– Com isso, todas as equipes já têm pelo menos uma vitória.

– Os invictos são apenas três: Arsenal, Liverpool e… Blackburn.

– No Campeonato Escocês, aconteceu a primeira surpresa: o Rangers perdeu para o Hearts, por 4 a 2.

– Com isso, o Celtic assumiu a liderança, graças a uma goleada por 5 a 0 sobre o Inverness, que ainda não fez nenhum ponto nesta temporada.

– Em campo, a situação do Arsenal está ótima. Mas, na cúpula, turbulências se aproximam.

– Embora tenha afirmado que não pretende comprar o Arsenal, o russo Alisher Usmanov aumentou sua participação no clube para 21%.

– Ele agora é o segundo maior acionista dos Gunners, atrás apenas de Danny Fiszman, que tem 24%.

– A questão é que todos os acionistas remanescentes afirmam que não pretendem vender suas ações do clube.

– Para a situação ficar mais interessante, o Arsenal divulgará na próxima segunda-feira seu balanço, que deve trazer ótimos resultados.

– Com isso, o clube comprovaria que não precisa de investimentos adicionais. Por outro lado, isso tornaria os Gunners ainda mais atraentes para investidores estrangeiros…