Quando o Chelsea desembolsou € 11 milhões ao Rennes por um goleiro de 22 anos, sabia que estava investindo em uma das maiores promessas da posição. Mas talvez ninguém imaginasse as proporções que o gigante tomou. Em 11 anos na Inglaterra, Petr Cech se colocou inquestionavelmente entre os melhores goleiros do mundo. Enfileirou taças e teve uma atuação fenomenal na mais desejada conquista dos Blues, a Champions de 2012. Já nesta temporada, para seguir em Londres, transferiu-se ao Arsenal. E continua escrevendo uma história grandiosa. A ponto de quebrar um recorde marcante nesta semana: se tornou o recordista de jogos sem sofrer gols na Premier League, após a vitória por 2 a 0 sobre o Bournemouth.

VEJA TAMBÉM: Cech recebeu o respeito que um ídolo merece na volta a Stamford Bridge

Os últimos dias não tinham sido tão bons a Cech, depois da goleada sofrida para o Southampton. Mas o camisa 33 precisou de pouco tempo para se reerguer. E em uma partida na qual nem precisou ser muito exigido, superou a marca de David James. Tinha tempo de sobra para isso. Enquanto o inglês fez 572 jogos para passar 169 deles sem sofrer gols, o tcheco precisou de 220 atuações a menos para pulverizar o antigo recorde. Foram apenas 352 partidas. Entre os goleiros com mais de 100 partidas invictas pela Premier League, Cech é quem possui a melhor proporção, não buscou a bola nas redes em 48% do total. Supera até mesmo ícones do porte de Schmeichel, Seaman e Van der Sar.

Ao longo de sua estadia na Inglaterra, Cech atravessou algumas dificuldades. O goleiro enfrentou desafios, como a séria lesão que sofreu no crânio e a disputa com Courtois na meta do Chelsea. Todavia, dar a volta por cima nunca foi problema para o tcheco. Do ápice nos primórdios em Stamford Bridge, ele voltou a viver uma fase sensacional na virada da década. Já na última temporada, mesmo no banco, se fez primordial em vários momentos dos Blues. E se firma como um protagonista no Arsenal, o arqueiro confiável que os Gunners não tinham em muito tempo.

O tempo de Cech no topo é tão duradouro que às vezes fica difícil se dar conta de que ele tem apenas 33 anos. Serão mais três temporadas de contrato com o Arsenal. Por mais que algumas falhas aconteçam de vez em quando (em frequência normal para um goleiro, mas incomum para o ídolo tcheco), as suas virtudes permanecem. A elasticidade nas pontes, para desviar os chutes mais bem colocados com a ponta dos dedos, como demonstrou no jogo decisivo diante do Olympiacos na Champions. Ou a agilidade para salvar os arremates à queima-roupa, como no milagre diante do Liverpool.

O passado de Cech já é enorme. E o mais impressionante está na maneira como o seu futuro ainda pode ser projetado. Se o Arsenal acredita na reconquista da Premier League, o primeiro pilar se fundamenta em seu goleiro. O homem que transmite a confiança para que o restante do trabalho seja desenvolvido. Que intimida qualquer atacante, por tudo o que realizou sob as traves. Cech é o tipo de jogador do qual sentiremos falta e lembraremos com saudades quando se aposentar. Mas que ainda temos o privilégio de seguir acompanhando as façanhas.