Não existe um time ‘real’ na Inglaterra. Os membros da família estão livres para torcer para quem bem entenderem. A Rainha Elizabeth II e o Príncipe Harry apoiam o Arsenal, enquanto o Príncipe Charles já se admitiu como fã do Burnley. Porém, se depender do Príncipe William, haverá uma linhagem monárquica de torcedores do Aston Villa. Adepto célebre do clube de Birmingham, o nobre, que comprou a camisa do clube ao bebê antes mesmo de decidir seu nome, já garantiu que fará de tudo para seu filho seguir seus passos.

“Quando o Aston Villa passar por cima do Manchester United no Villa Park, meu filho estará lá”, declarou o príncipe, em um vídeo divulgado durante a comemoração dos 150 anos da Football Association. “Eu sempre amei futebol, desde que eu era um garotinho. Para mim, sempre significou muito ser presidente da FA. Há muita coisa boa que o futebol pode fazer ao redor do mundo e nesse país”.

A família real pode ter todas as mordomias possíveis no Reino Unido, mas a declaração de William ajuda a humanizá-los. Afinal, qual o pai não tenta transformar seu filho em torcedor do próprio time? E, se depender do empenho do príncipe, os Villans podem esperar por mais um torcedor ilustre.