Marcelo Bielsa travou duelos com Pep Guardiola, José Mourinho e outros oito treinadores que deve enfrentar na sua primeira temporada na Premier League, mas, neste sábado, teve seu primeiro encontro com Jürgen Klopp. O jogo entre treinadores que acreditam que o futebol deve ir além dos resultados para entreter e emocionar a população foi um apropriado espetáculo, vencido pelo Liverpool, por 4 a 3, com uma tripleta de Mohamed Salah.

O Leeds treinado pelo argentino se mostrou à altura do desafio e não passou tão longe de fazer o que poucos participantes da elite inglesa conseguiram nas últimas três temporadas: tirar pontos do Liverpool em Anfield, por mais que as arquibancadas vazias tenham minado a mística do estádio do atual campeão inglês. A última derrota dos Reds em casa pela Premier League foi em abril de 2017 e, desde então, apenas 11 jogos terminaram em empate.

O Liverpool arrebatou quase todos os pontos como mandante na última temporada, quando conquistou seu primeiro título inglês desde 1990, com exceção de um empate contra o Burnley, e encaminhou a primeira vitória da nova campanha com um gol de pênalti de Salah antes dos cinco minutos, após o egípcio chutar da entrada da área e Robin Koch, novo zagueiro do Leeds.

Foi resultado de cinco minutos sufocantes do Liverpool, que antes havia invadido a área com Roberto Firmino, que preferiu passar a chutar e errou, e recuperado a bola daquele lance com uma forte pressão.

O empate saiu em uma bela jogada de Jack Harrison, garoto emprestado pelo Manchester City, que dominou o lançamento pela esquerda, passou por Trent Alexander-Arnold, passou por Joe Gomez e bateu da entrada da área.

Por um ponto de vista, foi um jogo cheio de erros que o ajudaram a ter sete gols, mas, no geral, eles foram forçados pelas estratégias bem sucedidas dos dois treinadores de adiantar seus jogadores, marcar pressão bem alto e organizadamente causar esses vacilos. Não foi o caso do segundo gol do Liverpool, em que Van Dijk teve total liberdade para atacar uma cobrança de escanteio de Arnold. O tijolo de cabeça foi direto na direção de Illan Meslier, que não conseguiu segurar: Liverpool 2 x 1.

Aos 30 minutos, Van Dijk tentou ajeitar um lançamento para Robertson, mas Patrick Bamford estava em seu cangote, interceptou o passe e tocou na saída de Alisson para empatar. Salah deu números finais a um eletrizante primeiro tempo ao pegar a sobra de uma cobrança de falta e encher o pé no ângulo de Meslier.

Wijnaldum teve a chance de ampliar a vantagem do Liverpool, no começo do segundo tempo, após boa jogada de Firmino, mas Meslier fez uma grande defesa. E o Leeds empatou em uma grande jogada. Armou a pressão a uma cobrança de lateral de Arnold, recuperou a bola, Mateusz Klich abriu com Hélder Costa, entrou na área, dominou e bateu: 3 a 3. Kalvin Phillips, justificando seu apelido de “Pirlo de Yorkshire”, quase virou em uma cobrança de falta.

O Liverpool teve a chance de ouro de fazer o gol da vitória, quando Firmino recebeu de Mané dentro da área e tentou bater com a parte de fora do pé, mas a defesa cortou. Na sequência, porém, Fabinho sofreu pênalti de Rodrigo Moreno, e Salah, mais uma vez, não perdoou.

Os Reds somaram os três primeiros pontos da sua defesa do título, mas o Leeds teve uma estreia da mais animadora para suas pretensões de não apenas permanecer na Premier League, como também incomodar qualquer adversário.

.

.