Senegal deixou a impressão de que poderia ter feito mais na Copa do Mundo de 2018. Chegou a esboçar a classificação às oitavas de final, mas sucumbiu de maneira controversa e frustrante. A experiência pode ser valiosa a um time relativamente jovem. E os Leões de Teranga desembarcam na Copa Africana de Nações entre os favoritos, não apenas pelo momento, mas também pela qualidade de seu elenco. Cumpriram as expectativas na estreia, em noite na qual até poderiam ter feito mais. A vitória por 2 a 0 sobre a Tanzânia saiu barata aos oponentes, pela maneira como os senegaleses dominaram a partida. Ao final, o grande destaque fica a Krépin Diatta, meio-campista de 20 anos, que concluiu o triunfo com um golaço.

Até pela inferioridade dos oponentes, de volta à fase final da Copa Africana de Nações após 39 anos, era aguardada uma vitória segura de Senegal. Porém, as primeiras rodadas da competição mostram como os pequenos têm atuado de maneira organizada, dando trabalho às seleções de mais tradição. Os Leões de Teranga tiveram a exibição mais agressiva entre os pesos pesados que entraram em campo até o momento, apesar dos erros excessivos nas conclusões. Ainda assim, a ausência do suspenso Sadio Mané não fez falta ao time de Aliou Cissé.

Senegal precisou de poucos minutos para empilhar as suas primeiras oportunidades de gol. O goleiro Aishi Manula fez duas grandes defesas logo de cara, mas os senegaleses também pecavam pela falta de pontaria e pelo preciosismo nas conclusões. Apesar disso, era uma postura totalmente voraz dos Leões de Teranga, trabalhando a bola no campo ofensivo e explorando as pontas. O resultado positivo parecia apenas questão de tempo.

Senegal ainda lamentou a lesão de Salif Sané, substituído aos 23. Cinco minutos depois, saiu o gol que garantiu a tranquilidade ao time de Aliou Cissé. Trocando passes em progressão, os senegaleses foram deslocando a defesa da Tanzânia e abrindo espaços, até que Idrissa Gana Gueye encontrasse Keita Baldé livre pela esquerda. O ponta bateu no canto do goleiro e correu para o abraço.

A Tanzânia tinha ataques esparsos e pouco ameaçava Senegal. A goleada era muito mais provável, mas o goleiro Manula seguia trabalhando bastante, evitando a pressão dos oponentes. Faria uma série de intervenções entre o final do primeiro tempo e o começo do segundo, com direito a um gol anulado dos oponentes. Os Leões de Teranga, por sua vez, deixaram bem claro que não iam descansar até marcarem o segundo. Ele veio aos 19 minutos da etapa final. Os tanzanianos afastaram parcialmente uma cobrança de escanteio e Krépin Diatta acertou uma sapatada de fora da área, sem chances para Manula. Depois disso, o time pôde tirar o pé do acelerador. Criou uma chance ou outra, principalmente nas cobranças de falta, mas o resultado já era suficiente.

Diatta, em especial, desfruta o momento. Revelado pelo Sarpsborg, da Noruega, o meio-campista veio de uma boa reta final de temporada com o Club Brugge. Com muita rodagem na seleção sub-20, ganhou a oportunidade de ser convocado ao elenco principal nestes primeiros meses de 2019. Logo transformado em titular por Aliou Cissé, pagou a confiança com seu primeiro gol na quarta aparição pelos Leões de Teranga. É um nome a se observar.

Senegal dá um passo importante nesta estreia, não apenas pelo resultado, mas também pelo moral à sequência. Sadio Mané voltará justamente para o jogo mais difícil do Grupo D, contra a Argélia na próxima rodada. Diante das expectativas sobre si, os Leões de Teranga deram um sinal animador, a despeito das carências do adversário.

Ficha técnica

Senegal 2×0 Tanzânia

Local: Estádio 30 de Junho, no Cairo
Árbitro: Sadol Selmi (TUN)
Gols: Keita Baldé, aos 28’/1T; Krépin Diatta, aos 19’/2T
Cartões amarelos: Badou Ndiaye (Senegal); Feisal Salum, Himid Mao, Saimoun Msuva, Hassan Khamis (Tanzânia)
Cartões vermelhos: nenhum

Senegal: Edouard Mendy, Moussa Wagué, Salif Sané (Cheikhou Kouyaté), Kalidou Koulibaly, Youssouf Sabaly; Badou Ndiaye; Ismaila Sarr, Krépin Diatta, Idrissa Gana Gueye, Keita Baldé (Sada Thioub); M’Baye Niang (Moussa Konaté). Técnico: Aliou Cissé.

Tanzânia: Aishi Manula, Hassan Khamis, Kelvin Yondani, David Mwantika, Gadiel Michael, Mudathir Yahya (Frank Domaya), Feisal Salum (Farid Mussa); Himid Mao, Saimon Msuva (Thomas Ulimwengu), John Bocco; Mbwana Aly Samatta. Técnico: Emmanuel Amunike.