O Arsenal reforçou o seu domínio na Copa da Inglaterra. Diante do Chelsea, os Gunners conseguiram uma vitória de virada por 2 a 1, com dois gols de Pierre-Emerick Aubameyang, e aumentaram a vantagem como o time com mais títulos da competição. São 14 taças e a terceira vencida diante do Chelsea na final. É também o primeiro título do jovem técnico Mikel Arteta, que assumiu o comando do time em dezembro de 2019. O número 14, aliás, foi destaque do time. Pierre-Emerick Aubameyang foi o grande nome do jogo, como já era antes mesmo da bola rolar com a novela da sua renovação.

Foi a primeira vez que o estádio de Wembley viveu uma decisão de título da Copa da Inglaterra sem público. Ainda sob os efeitos da pandemia do novo coronavírus, não havia público no estádio e tivemos o maior estádio inglês apenas com os jogadores, comissões técnicas, dirigentes e funcionários. Uma situação que é estranha, ainda mais em uma final com dois times londrinos.

Arteta tinha muitos destaques para a partida. Gabriel Martinelli, Calum Chambers, Pablo Marí, Bernd Leno, Shkrodran Mustafi e Cédric Soares ficaram fora do time por lesão. No Chelsea, Willian não conseguiu se recuperar e também foi desfalque. N’Golo Kanté era dúvida, mas ficou no banco – acabou nem entrando.

O Arsenal entrou em campo com uma formação com três zagueiros, contando com Rob Holding no time titular, Davvid Luiz no centro da zaga e Kieran Tierney no lado esquerdo. Os destaques do time, porém, estiveram no ataque. Tanto Nicolas Pépé quanto Aubameyang foram muito bem na partida.

Do outro lado, o Chelsea contou com um esquema similar, com três zagueiros. Jorginho fez uma boa partida no meio-campo, Christian Pulisic foi o maior destaque do time até se machucar e Olivier Giroud fez uma boa partida no centro do ataque. César Azpilicueta e Mateo Kovacic foram os destaques negativos.

O jogo

Logo aos quatro minutos, Christian Pulisic arrancou pelo meio, tocou para Mason Mount na esquerda, que cruzou para a área, Giroud ajeitou bonito e Pulisic passou pela marcação e chutou já na cara do goleiro Martínez para abrir o marcador: 1 a 0.

Aos 24 minutos, Maitland-Miles participou da jogada tocando na bola e fazendo um passe de primeira, mas estava impedido. O assistente marcou imediatamente. Aantes do arbitro marcar, Nicolas Pépé chutou bonito, acertando o ângulo. Um golaço, mas que não valeu. O impedimento no começo da jogada acabou anulando a jogada.

Logo depois, Aubameyang foi lançado pela esquerda, nas costas da defesa do Chelsea, e Azpilicueta foi para a marcação, agarrou o gabonês e derrubou o atacante dentro da área. Depois de revisão no VAR se a falta tinha sido fora ou dentro da área, o árbitro confirmou a penalidade. Aubameyang cobrou com precisão: bola de um lado, goleiro de outro e empate em Wembley: 1 a 1.

No começo do segundo tempo, Bellerín arrancou pelo meio, passou pela marcação, dividiu com Christensen, com os dois ficando no chão, e a bola sobrou para Pépé, na direita. Ele rolou para Aubameyang, que entrou na área e estava no mano a mano com Zouma. Usando um drible que lembra o quadrado + X dos tempos de Winning Eleven, deu um corte e finalizou com uma cavadinha na frente do goleiro (L1 + quadrado): Arsenal 2 a 1, aos 21 minutos.

Tudo ficou mais complicado um pouco depois. Mateo Kovacic, que já tinha cartão amarelo, entrou duro em Granit Xhaka. Tomou o segundo amarelo e acabou expulso. Com isso, o Chelsea ficou com um jogador a menos para tentar o empate.

Lampard tentou mexer no time aos 33 minutos. Foram três mudanças de uma só vez: tirou Olivier Giroud, Antonio Rüdiger e Mason Mount para as entradas de Tammy Abraham, Callum Hudson-Odoi e Ross Barkley. O time chegava à frente, mas faltava criar chances mais claras para ameaçar a meta defendida por Emiliano Martínez.

Um dos maiores assuntos para o Arsenal na reta final desta temporada é a permanência ou não de Pierre-Emerick Aubemayng. O gabonês se tornou destaque do time, além do capitão. A sua atuação nessa decisão contra o Chelsea só colocará ainda mais esse assunto em voga. Foram dois gols, um deles um golaço, o segundo, decisivo para o placar de 2 a 1.

A sintonia do time parece ser ótima entre o atacante e o técnico Arteta. E isso pode ser algo fundamental para que haja uma renovação – o contrato do jogador vai só até junho de 2021, final da próxima temporada.

O trabalho de Arteta começa com um título, o que é sempre importante. A conquista dá força ao time, mais dinheiro e uma vaga em competição europeia – o time jogará a Liga Europa. É sempre importante para um clube do tamanho e importância do Arsenal. O time ainda é jovem e precisará trabalhar muito para chegar mais perto dos dois melhores times do país, Liverpool e Manchester City, que parecem ao menos um degrau acima.

No Chelsea, por sua vez, fica a frustração pela perda do título, claro. Mesmo assim, o time tem alguns elementos para começar a próxima temporada buscando melhorar a atual. O time terminou em quarto na tabela, classificou-se à Champions League em uma batalha feroz com o Leicester e o Manchester United (que também conseguiu a vaga, deixando os Foxes fora) e tem uma base jovem. Ainda não se sabe se o time renovará com Willian, que fica sem contrato. O que se sabe é que há esperança de momentos melhores para o futuro do time. Mesmo que o momento seja de lamentação por uma taça que seria importante para os Blues.