Ele é novo ainda, tem apenas 23 anos. Seguiu um caminho parecido com o que o brasileiro Hulk fez. Deixou sua terra natal, no caso a Costa do Marfim, e foi jogar no futebol japonês. Lá conseguiu destaque suficiente para chamar a atenção do Young Boys, da Suíça, que o contratou em 2008. Após 50 gols em 64 jogos e a liderança na artilharia do Campeonato Suíço nas duas temporadas em que ficou por lá, o CSKA Moscou resolveu pagar cerca de € 15 milhões por Seydou Doumbia.

O atacante marfinense, que chegou com grande expectativa por causa do alto valor gasto pelos moscovitas, vive agora o melhor momento da carreira. A temporada passada, sua primeira na Rússia, foi de adaptação. Chegou em um time onde o dono chamava-se Vagner Love e, aos poucos, foi cavando seu lugar. Marcou só cinco vezes em 11 aparições.

Só que neste ano o jogador deslanchou. No Russão já são 13 em 21 partidas, o que o deixa como artilheiro do torneio até o momento. E nesta quarta-feira, pela Liga dos Campeões, marcou duas vezes – incluindo um golaço de letra – e garantiu o empate do CSKA na França com o Lille, resultado importantíssimo na luta por uma vaga nas oitavas de final (objetivo realista).

Doumbia não é um jogador extremamente habilidoso. Sabe lidar com a bola, tem bom passe e, principalmente, ótimo posicionamento. Seus gols raramente são complicados. É difícil ver o marfinense avançando entre adversários, driblando o time inteiro, enfim, marca gols simples. Ele nem ao menos alto é, tem apenas 1m78 – e mesmo assim também anota diversos gols de cabeça.

E Vagner Love, que deixou o trono para Doumbia, se entrosou muito bem com ele, o que minimiza o fato de estar marcando pouquíssimos gols.

Apesar do excelente momento vivido pelo marfinense, as perspectivas para o CSKA Moscou não são boas. Doumbia tem dado conta dos gols, mas não tem um reserva sequer. Aliás, ele e Vagner Love. Os dois são, hoje, os únicos atacantes disponíveis no elenco da equipe do Exército. Tomás Necid segue machucado, e além deles apenas opções juniores.

Essa falta de um elenco mais numeroso sempre foi apontada por este colunista como o maior problema do time do técnico Leonid Slutsky para a sequência da temporada. Na humilhante goleada sofrida para o Dynamo Moscou na última rodada do Russão, por exemplo, o CSKA estava com seis desfalques – Igor Akinfeev, seis meses fora, e Keisuke Honda, pelo menos dois meses, são as outras grandes ausências – e um banco fraquíssimo, sem opções ofensivas.

Doumbia é bom. Muito bom. Seguirá marcando gols, atrairá a atenção de diversos clubes europeus e fará a festa da torcida do CSKA. Mas não conseguirá conduzir, sozinho, a equipe a títulos. O emocionante empate em Lille não pode mascarar a quantidade enorme de problemas que o líder do Campeonato Russo, que venceu somente um dos últimos cinco jogos na competição, enfrenta. Por mais que a tabela mostre uma realidade, aparentemente, diferente.

Pílulas europeias

Foram muitos times russos e ucranianos em campo nesta semana pela Liga dos Campeões e pela Liga Europa. Portanto, abaixo alguns comentários curtos sobre as atuações.

APOEL Nicósia 2×1 Zenit São Petersburgo (LC)

É impressionante como o Zenit não consegue se impor em competições europeias. Já não é mais falta de experiência, e sim falta de capacidade de deixar o passado para trás e construir uma história no presente. O time é bom, tem jogadores de renome internacional, um técnico respeitado e, mesmo assim, segue perdendo para times inferiores. A apatia da equipe de São Petersburgo no cenário europeu assusta.

Porto 2×1 Shakhtar Donetsk (LC)

O melhor time oriundo de Rússia/Ucrânia iniciou sua caminhada no Grupo G da Liga dos Campeões com uma esperada derrota, fora de casa, para o Porto. E mesmo assim vendeu muito caro. Perdeu Rakitskiy, expulso aos 40 minutos de jogo, e Chygrynskiy, aos 35 da segunda etapa, e acabou derrotado por 2 a 1. É a segunda força da chave, à frente de APOEL e Zenit.

Shamrock Rovers 0x3 Rubin Kazan (LE)

Nenhuma surpresa. Para quem não sabe, o Shamrock Rovers, da simpaticíssima Dublin, é um time semi-amador. Ou seja, os jogadores possuem outras profissões. Sendo assim, o Rubin Kazan, com um orçamento milionário, tinha a obrigação de vencer com tranquilidade. E assim o fez, pulando para a ponta do Grupo A da Liga Europa – PAOK e Tottenham ficaram no 0 a 0.

Dynamo Kiev 1×1 Stoke City (LE)

Esse Grupo E do Dynamo é bem complicado, e pontos perdidos em casa farão muita falta mais à frente – tem também Besiktas e Maccabi Tel-Aviv. O Stoke é uma das boas surpresas da Premier League, com um time difícil de ser batido e que se reforçou muito bem recentemente. A equipe ucraniana conseguiu o empate somente nos acréscimos, com Vukojevi. Contou mais uma vez com Andriy Shevchenko, completamente recuperado da fratura de mandíbula. Se fosse o Sheva de uns dez anos atrás…

Sturm Graz 1×2 Lokomotiv Moscou (LE)

Excelente resultado da equipe treinada pelo técnico português José Couceiro, que melhorou demais o Lokomotiv. Em uma chave sem favoritos como essa L, os russos partem na dianteira – o Anderlecht também venceu, bateu o AEK. Mesmo no Campeonato Russo acredito que o Lokomotiv possa reagir e subir consideravelmente na tabela.

Kobenhavn 1×0 Vorskla Poltava (LE)

Uma das equipes mais desacreditadas desta Liga Europa, o Vorskla Poltava estreou com derrota para o bom time dinamarquês. A equipe é, realmente, apenas mediana, não tem condições de ir muito longe, mas tem no fator casa seu ponto forte. Como não tem um elenco tão grande assim, não pode se complicar no Campeonato Ucraniano, onde é o atual sexto colocado – mesma posição da última temporada.

Austria Viena 1×2 Metalist Kharkiv (LE)

Ao lado do AZ, dá para apontar o Metalist como favorito à classificação no Grupo G. Nesta quinta conseguiu um resultado excelente fora de casa, contra o Austria Viena, ao fazer 2 a 1. Cleiton Xavier, melhor jogador do time na temporada, marcou mais um gol (de pênalti). Edmar, que estreou pela seleção ucraniana recentemente, é outro que vem jogando muito bem. Assim, a equipe segue sonhando, também, em desbancar Shakhtar e Dynamo no Ucraniano: são os três únicos invictos até agora, passadas nove rodadas.