O City Ground é a histórica casa do Nottingham Forest. O estádio aparece entre os mais antigos do futebol inglês, inaugurado em 1898. Passou por reformas importantes desde então, sobretudo no início da década de 1990, quando se adaptou às exigências do Relatório Taylor e recebeu os jogos da Eurocopa em 1996. Palco dos sonhos dos alvirrubros, onde eles viveram suas maiores façanhas sob as ordens de Brian Clough, o local passará por uma ampla renovação nos próximos meses. O anúncio foi feito pelo próprio clube nesta quinta-feira, prometendo ampliar a capacidade da praça esportiva e modernizar suas estruturas.

Atualmente com capacidade para 30 mil espectadores, o City Ground passará a abrigar 38 mil pessoas a partir das mudanças. O setor principal das tribunas, que homenageia o lendário assistente Peter Taylor, será totalmente reconstruído. Também acontecerão melhorias nos acessos e nas instalações, sobretudo aquelas ligadas à hospitalidade aos torcedores. E também surgirá um novo espaço para o museu do Forest, com a taça da Champions em destaque.

O Forest ainda fará uma consulta formal sobre as novidades com torcedores e moradores da cidade, após conseguir a ampliação do arrendamento do terreno junto à prefeitura de Nottingham. Se o projeto for aprovado, a reconstrução deverá começar a partir da temporada 2019/20. A Peter Taylor Stand deverá permanecer fechada por dois anos, enquanto o time continuará mandando seus jogos no local. Dono do clube, o magnata grego Evangelos Marinakis merece muitas críticas, especialmente por suas relações escusas. Entretanto, recebe elogios desta vez. Preferiu que sua agremiação permanecesse às margens do Rio Trent, em seu campo de 120 anos, quando poderia procurar outro canto da cidade para construir uma nova arena.

“O City Ground tem uma história icônica e traz memórias aos nossos torcedores. Esses legados foram fundamentais em nossa decisão de permanecer às margens do Trent. Essa é nossa casa e permaneceremos aqui para sempre. Queremos que nossos torcedores desempenhem um papel importante nas decisões do clube. Encorajo todos a participarem da consulta que faremos. Esse investimento é sobre nosso clube e sobre a cidade de Nottingham. Estamos todos comprometidos a entregar um lugar do qual sentiremos orgulho”, analisou Marinakis.

E o mais legal neste novo projeto do City Ground é que, diferentemente do que acontece na reforma de outros estádios, o local não perderá suas características arquitetônicas. Continua sendo o mesmo City Ground olhando de fora, apenas mais robusto e com arquibancadas maiores. É um estádio “com cara de estádio”, algo que deveria ser padrão, mas nem sempre se nota. Quem sabe, para resgatar o moral do Forest e tornar a equipe mais competitiva em sua empreitada de conquistar o acesso à Premier League. Apesar dos investimentos recentes no elenco, os alvirrubros acumulam campanhas medianas na Championship. Atualmente ocupam a nona posição, a três pontos da zona de playoffs ao acesso. O novo estádio é um passo contundente a uma nova era.