O México reafirmou seu bom momento ao derrotar Países Baixos em amistoso disputado em Amsterdã

A Holanda / Países Baixos segue entalada na garganta do México desde a Copa do Mundo de 2014. Mesmo assim, El Tri teve o gosto de bater nos laranjas nos dois encontros desde então. Os mexicanos haviam vencido um amistoso ainda em novembro de 2014 e, desta vez, repetiram a dose. O triunfo por 1 a 0 na Johan Cruyff Arena valoriza os bons nomes à disposição de Tata Martino, sobretudo no ataque. Do outro lado, inicia com pressão o trabalho de Frank de Boer, em atuação insuficiente da Oranje.

De Boer tinha Van Dijk, Donny van de Beek, Georginio Wijnaldum e Memphis Depay em sua espinha dorsal. Já Martino apostava especialmente em uma ótima trinca de ataque formada por Tecatito Corona, Raúl Jiménez e Rodolfo Pizarro. Tanto é que o México criou as melhores chances ao longo do primeiro tempo, com velocidade para pegar a defesa holandesa exposta. Faltou um pouco mais de pontaria a El Tri. Menos efetivo, o time da casa teve seu melhor lance com Steven Berghuis, que parou nas mãos espalmadas do goleiro Alfredo Talavera.

O gol da vitória começou a amadurecer no segundo tempo. Aos dez minutos, Tecatito saiu de frente para o gol e Tim Krul cresceu para realizar ótima defesa. Três minutos depois, porém, o árbitro marcaria um pênalti de Nathan Aké sobre Raúl Jiménez. O centroavante cobrou com extrema calma e converteu. Krul ainda negaria o segundo, em chute forte de Tecatito. A Holanda / Países Baixos partiu à pressão nos minutos finais, mas ficou no quase. Talavera rebateu uma cabeçada à queima-roupa de Luuk de Jong e, no rebote, Depay estalou o travessão.

O México atravessa um excelente momento. São sete vitórias consecutivas, bem como 18 triunfos em seus últimos 19 jogos. O time volta a campo para encarar a Argélia, em novo amistoso na próxima terça. Já a Holanda / Países Baixos precisa se reerguer na Liga das Nações. Os laranjas pegam a Bósnia no domingo, antes de encararem a Itália na quarta. Ambos os compromissos são fora de casa.

Vale conferir também a análise do amigo Felipe Santos Souza no Espreme a Laranja